Edmilson Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Edmilson Rodrigues
Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
Deputado federal pelo Pará
Período 1 de fevereiro de 2015
até a atualidade
53º Prefeito de Belém
Período 1 de janeiro de 1997
a 31 de dezembro de 2004
(2 mandatos consecutivos)
Antecessor Hélio Gueiros
Sucessor Duciomar Costa
Deputado estadual do Pará
Período 1 de janeiro de 2011
a 31 de dezembro de 2014

1 de janeiro de 1987
a 31 de dezembro de 1994
(2 mandatos consecutivos)

Dados pessoais
Nascimento 26 de maio de 1957 (62 anos)
Belém, PA
Alma mater Universidade Federal do Pará
Cônjuge Bianca Belém
Partido PT (1986-2005)
PSOL (2005-presente)
Profissão Arquiteto e professor

Edmilson Brito Rodrigues (Belém, 26 de maio de 1957) é um arquiteto e político brasileiro, filiado ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL),[1] ex-prefeito de Belém e professor da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). Atualmente, o político exerce o cargo de deputado federal pelo estado doPará.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Edmilson Rodrigues, filho de Gumercindo Rodrigues e de Abigail Rodrigues, gradou-se em arquitetura pela Universidade Federal do Pará em 1982, e concluiu especialização em Desenvolvimento de Áreas Amazônicas em 1994. Também cursou mestrado em Planejamento do Desenvolvimento em 1995, pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da UFPA.[2]

O político seguiu seus estudos cursando doutorado em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP), com a tese Território e soberania: a Região Amazônica e o processo de privatização da água vista como norma estratégica do globalitarismo.[2]

Edmilson foi professor na Escola Nossa Senhora do Pérpetuo Socorro, de 1979 a 1982; na Secretaria Executiva de Estado de Educação em 1980; docente assistente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará em 1982; no mesmo ano também exerceu este cargo na Universidade Federal Rural do Pará e em 1983 passou a professor titular.[2]

Trajetória política[editar | editar código-fonte]

Edmilson Rodrigues iniciou sua carreira política em 1986, como deputado estadual pelo Pará, sendo reeleito para o cargo no pleito de 1990. Em 1994, concorreu ao cargo de senador pelo Partido dos Trabalhadores, mas não foi eleito. Em 1996, elegeu-se prefeito de Belém, em segundo turno, tendo a futura governadora do estado, Ana Júlia Carepa, como sua vice, e derrotando Ramiro Bentes (PDT). Também foi reeleito em 2000, no segundo turno, com uma vantagem de 50,75% sobre 49,25% de Duciomar Costa (PSD).[3] Durante os anos de 1997 e 2004, destacou-se na prefeitura pela ampliação da participação popular no Planejamento da cidade, incluindo Orçamento Participativo. Diante disso, aumentou o diálogo processual que se destinava à situação do Plano Plurianual, à Lei Diretrizes Orçamentárias, ao Plano Diretor Municipal, às políticas públicas e ao Orçamento Anual.[4]

A gestão como prefeito também foi marcada pela implantação de projetos sociais e culturais para a cidade, o que rendeu a Edmilson prêmios como o de Prefeito Amigo da Criança por dois anos consecutivos, concedido pela ONU,[carece de fontes?] em virtude do projeto Sementes do Amanhã, que retirava as crianças da área de depósito de lixo dando apoio social, financeiro, educacional e profissional para toda a família.[5] Também obteve destaque em outros projetos como a Escola Circo; o Bolsa Família de um salário mínimo; Banco Municipal do Povo e Família Saudável.[carece de fontes?]

Rodrigues foi pré-candidato à presidência da República pelo PT em 2002.[carece de fontes?] Em 2005, mudou de partido, fazendo parte de um grupo dissidente que deixou o PT em direção ao PSOL. Sua saída do PT deu-se em conjunto com outros dirigentes de sua corrente política, a Ação Popular Socialista (APS), como os deputados federais Ivan Valente e Maninha, o membro da Executiva Nacional do PT, Jorge Almeida e a dirigente sindical da CUT, Lujan Miranda. No Pará, foi acompanhado por lideranças como José Nery Azevedo, que viria a herdar o mandato de Ana Júlia Carepa no senado; Araceli Maria Pereira Lemos, então deputada estadual, e Marinor Brito, que viria a ser eleita senadora meia década depois da conversão.[6]

Em 2006 foi candidato a governador do Pará, ficando em quarto lugar com 131.088 (4,19%) dos votos. Nessa oportunidade Ana Júlia Carepa, vice-prefeita no seu primeiro mandato em Belém, foi eleita governadora, com uma coalizão que reuniu um grupo grande de partidos, tendo até apoio de uma parte do próprio PSOL.[7] O PSOL manteve uma cadeira no Senado Federal, não pela eleição de um candidato do partido, mas porque Carepa deixou seu mandato para o primeiro suplente, então vereador José Nery, que migrou do PT para o PSOL em setembro de 2005 junto com a Ação Popular Socialista.[8]

Em 2010, o ex-prefeito se candidatou a deputado estadual pelo PSOL, sem coligação.[9] Conquistou cerca de 85 mil votos, que o levaram a ser o deputado estadual mais votado daquele ano.[10] Em 2012, o PSOL fazia oposição ao governo Dilma Rousseff, como fez ao de Luiz Inácio Lula da Silva, mas Edmilson, candidato à prefeito de Belém, não deixou de defender programas federais como o Minha Casa, Minha Vida. Em 2016, por exemplo, criticou os cortes no Programa anunciados pelo então ministro das cidades, Bruno Araújo, do governo interino de Michel Temer.[11]. Ainda assim, nas eleições de 2012, o ex-presidente Lula, a ex-presidente Dilma, a ex-ministra Marina Silva e a ministra Marta Suplicy gravaram mensagens de apoio à Edmilson, que em 7 de outubro recebeu 252.049 votos válidos, ficando em primeiro lugar com 32,58%. Este resultado lhe permitiu continuar com a disputa pela Prefeitura de Belém do Pará no segundo turno. Entretanto, na votação do dia 28 de outubro, Edmilson ficou em segundo lugar, com 336.059 votos, equivalente a 43,39% dos votos, perdendo a disputa para Zenaldo Coutinho. O resultado foi confirmado pelo TSE às 19h do horário local.[12][13][14]

Em 2014 foi eleito deputado federal, sendo o mais votado na cidade de Belém, e o terceiro em todo o Estado, com uma votação de 170.604. Em 2016, voltou a disputar a eleição para a prefeitura de Belém, obtendo 47,67% dos votos válidos, mas perdendo novamente para Zenaldo Coutinho.[15] No pleito de 2018, elegeu-se novamente à deputado federal, alcançando cerca de 184 mil votos.[16]

Posicionamentos[editar | editar código-fonte]

Em 17 de abril de 2016, Edmilson votou contra a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[17]

Em seu atual mandato como deputado federal, em 2018, Edmilson se posicionou contra medidas apresentadas pelo governo de Jair Bolsonaro, em pautas como a Reforma da previdência e da Medida Provisória que diz respeito a liberdade econômica.[18][19]

Manifestações contra a Usina em Belo Monte[editar | editar código-fonte]

Edmilson, junto com mais de 500 integrantes de ONGs e movimentos sociais, participou de uma manifestação em frente à sede da Aneel, contra o leilão da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, realizado em 20 de abril de 2010. O projeto visava erguer a terceira maior hidrelétrica do mundo no coração da Amazônia, e, de acordo com os parlamentares do PSOL, prometia devastar a mata, as comunidades ribeirinhas e reduzir a corrente do rio Xingu. Na ocasião, três liminares contrárias foram derrubadas.[carece de fontes?]

Plebiscito de divisão do Pará[editar | editar código-fonte]

Em 2011, no Plebiscito sobre a divisão do estado do Pará, Edmilson atuou na frente parlamentar contra a divisão do Estado que resultaria em Carajás e Tapajós. [20] Os eleitores paraenses responderam a duas perguntas "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado de Carajás?" e "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado do Tapajós?". O número 77 correspondeu à resposta "sim" para qualquer uma das perguntas. E o número 55 foi usado para o "não". O resultado foi 66,60% de paraenses escolheram a NÃO divisão, sendo vitorioso nas urnas em dezembro de 2011; na capital Belém a união pelo Pará inteiro foi de 95% dos belenenses que disseram NÃO à divisão do Pará.[21][22]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em 2016, Edmilson Rodrigues foi condenado por improbidade administrativa por causa de irregularidades na área da educação durante sua gestão na prefeitura de Belém, de 1997 a 2005. Segundo o juiz Cláudio Henrique Fonseca de Pina, da 1ª Vara Federal do Pará, o ex-prefeito teria sido condenado pela falta de licitação na compra de livros didáticos (cerca de 14 mil exemplares) e por desvio de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A sentença de Edmilson Rodrigues foi a devolução integral de 306.973 reais de danos causados aos cofres públicos, e uma multa de 50% sobre o valor a ser devolvido. O juiz também determinou a suspensão dos direitos políticos do deputado pelo prazo de oito anos. Edmilson Rodrigues recorreu sobre a decisão e se pronunciou publicamente sobre a rigidez da sentença, assinada 13 anos após o término de sua gestão em Belém, demonstrando um posicionamento cético sobre as finalidades da condenação, dada em período pré-eleitoral.[23][24]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Autoria[editar | editar código-fonte]

  • Amazônia, Território e Soberania na Globalização – Jardim de Águas Sedento;
  • Aventura Urbana: urbanização, trabalho e meio-ambiente;
  • Os Desafios da Metrópole: reflexões sobre o desenvolvimento para Belém;
  • Estado Nacional, Cidades e Desenvolvimento;
  • Do Mito da Sustentabilidade Capitalista à Construção Social da Utopia; e
  • La città, uma nuova cultura collaborativa, il potere populare.

Co-autoria[editar | editar código-fonte]

  • Tembé-Tenetehara: a nação resiste (Relatório final da Comissão Especial de Estudos sobre os índios Tembé Tenetehara da Reserva Indígena do Alto Rio Guamá no Pará);
  • Congresso da Cidade: construir o poder popular reinventando o futuro;
  • Luzes na floresta: o governo democrático popular em Belém (1997/2001);
  • Cooperação e relações internacionais;
  • Reflexiones sobre la ciudad y su gestión;
  • Instituições políticas no socialismo;
  • Desafios do poder local: o modo petista de governar; e
  • Reflexões sobre o PT e o poder local.
Nome Partido Início do mandato Fim do mandato Observações
52 Edmilson Brito Rodrigues PT 1º de janeiro de 1997 31 de dezembro de 2000 Prefeito eleito
1º de janeiro de 2001 31 de dezembro de 2004 Prefeito reeleito


Eleição para prefeito de Belém em 2012
Segundo turno
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PSDB Zenaldo Coutinho 438 435
 
56,61%
  PSOL Edmilson Rodrigues 336 059
 
43,39%
Totais 774 494  

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Coligação Partido Candidato a Votos Resultado
1986 Estadual do Pará sem coligação PT Deputado estadual 100.000 Eleito
1990 Estadual do Pará sem coligação PT Deputado estadual 100.000 Eleito
1994 Estadual do Pará sem coligação PT Senador 500.000 Não eleito
1996 Municipal de Belém do Pará Frente Belém Popular
(PT / PSTU / PCB / PPS / PSB / PV / PCdoB)
PT Prefeito 280.000 eleito
2000 Municipal de Belém do Pará Frente Belém Popular
(PT / PSB / PPS / PCdoB / PCB)
PT Prefeito 340.000 eleito
2006 Estadual do Pará Frente de Esquerda
PSOL / PCB
PSOL Governador 131.088 Não eleito
2010 Estadual do Pará sem coligação PSOL Deputado estadual 200.000 Eleito
2012 Municipal de Belém do Pará Belém nas mãos do povo
(PSOL / PCdoB / PSTU / PCB)
PSOL Prefeito 336.059 Não eleito
2014 Estadual do Pará sem coligação PSOL Deputado federal 170.604 Eleito
2016 Municipal de Belém do Pará Juntos pela Mudança
(PSOL / PDT / PV / PPL)
PSOL Prefeito 361.376 Não eleito
2018 Estadual do Pará Juntos pela mudança
(PSOL / PCB / PPL)
PSOL Deputado federal 184.042 Eleito

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Hélio Mota Gueiros
Prefeito de Belém
19962004
Sucedido por
Duciomar Costa