Augusto Franco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Augusto Franco
Governador de Sergipe
Período 1979-1982
Antecessor(a) José Rollemberg
Sucessor(a) Djenal Queiroz
Deputado federal por Sergipe
Período 1967-1971
1983-1987
Senador por Sergipe
Período 1971-1979
Dados pessoais
Nascimento 4 de setembro de 1912
Laranjeiras, SE
Morte 16 de dezembro de 2003 (91 anos)
Aracaju, SE
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Cônjuge Maria Virgínia Leite Franco
Partido ARENA (1966-1979)
PDS (1980-1985)
PFL (1985-2003)
Profissão médico, empresário

Augusto do Prado Franco (Laranjeiras, 4 de setembro de 1912Aracaju, 16 de dezembro de 2003) foi um médico, empresário e político brasileiro com atuação em Sergipe.[1]

Atuação profissional[editar | editar código-fonte]

Filho de Augusto Leite Franco e de Adélia do Prado Franco. Tal como o pai, graduou-se em Medicina em 1937 pela Universidade Federal da Bahia com curso de Otorrinolaringologia no Hospital São Francisco de Assis no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Descendente de uma família cujo poderio advinha da indústria do açúcar, dirigiu a Usina Central Riachuelo, duas fábricas de tecido e uma empresa agropecuária. Com o tempo expandiu seus negócios para o ramo das comunicações ao fundar a Rádio Atalaia, a TV Atalaia e o Jornal da Cidade em Aracaju. Presidente do do Sindicato dos Produtores de Açúcar de Sergipe (1963-1969), foi também delegado da Confederação Nacional da Indústria.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

O primeiro membro de seu clã a obter um mandato eletivo foi seu irmão, Walter do Prado Franco, eleito senador pela UDN em 1945 e nessa condição ajudou a elaborar a Constituição de 1946. Com a deposição do presidente João Goulart e a instauração da Regime Militar de 1964, foi imposto o bipartidarismo e Augusto Franco entrou no partido governista ARENA, sendo eleito deputado federal em 1966 e senador em 1970. Preterido por José Rollemberg quando o presidente Ernesto Geisel escolheu o novo governador de Sergipe em 1974, foi escolhido governador pelo próprio Geisel em 1978.

Em novembro de 1979 o Congresso Nacional aprovou projeto restaurando o pluripartidarismo e Augusto Franco ingressou no PDS, o novo partido governista. Renunciou ao mandato por ocasião das eleições de 1982 e foi eleito para o seu segundo mandato de deputado federal[nota 1] com a maior votação proporcional do país.[nota 2] Ausente da votação da Emenda Dante de Oliveira, foi aclamado presidente do PDS em meio a crise deflagrada com a renúncia do senador José Sarney. No Colégio Eleitoral votou em Paulo Maluf que foi derrotado por Tancredo Neves. Seu último ato político foi a filiação ao PFL visto que não disputou a reeleição em 1986. Com o passar dos anos assumiu a presidência da Fundação Augusto Franco, sendo que a sede do governo sergipano foi rebatizada em sua homenagem.[nota 3]

Pai dos políticos Albano Franco, Antônio Carlos Franco, Walter Franco e César Franco.

Notas

  1. Eleito com 102.006 votos.
  2. Segundo Isto É (01/12/1982) conquistou 31% dos votos válidos do estado.
  3. Conforme o Almanaque Abril (2011;707)

Referências

  1. «Biografia de Augusto Franco no CPDOC/FGV». Consultado em 9 de fevereiro de 2021