Luís Garcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís Garcia
Deputado estadual de Sergipe
Período 1935-1937
Deputado federal de Sergipe
Período 1951-1959
1967-1975
Governador de Sergipe
Período de 31 de janeiro de 1959
a 6 de julho de 1962
Antecessor Leandro Maciel
Sucessor Dionísio Machado
Dados pessoais
Nascimento 14 de outubro de 1910
Rosário do Catete
Morte 11 de agosto de 2001 (90 anos)
Aracaju
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Cônjuge Emília Marques Pinto Garcia
Partido UDN, ARENA
Profissão advogado, promotor de justiça, jornalista, professor

Luís Garcia (Rosário do Catete, 14 de outubro de 1910 — Aracaju, 11 de agosto de 2001) foi um advogado, promotor de justiça, jornalista, professor e político brasileiro eleito governador de Sergipe em 1958.

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

Filho de Antonio Garcia Sobrinho e de Antonia Garcia. Formado em Direito em 1932 na Universidade Federal da Bahia foi advogado e promotor de justiça antes de eleger-se deputado estadual por Sergipe em outubro de 1934 tomando posse em maio do ano seguinte exercendo o mandato durante a elaboração da Constituição estadual e mantendo-o até o fechamento do legislativo pelo Estado Novo em 10 de novembro de 1937.[1] Com o fim do regime ditatorial filiou-se à UDN e foi eleito suplente de deputado federal em 1945 e mesmo não sendo convocado a exercer o mandato foi eleito em 1950 e 1954.[2]

Eleito governador de Sergipe em 1958 reivindicou investimentos no setor elétrico do estado após a inauguração do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso. Apoiou a solução parlamentarista instaurada pela emenda constitucional de Nelson Carneiro que permitiu a posse de João Goulart[3] após a renúncia de Jânio Quadros em 1961. Candidato a senador em 1962 foi vencido por Francisco Leite e Júlio César Leite, candidatos do PSD e em razão disso foi nomeado auxiliar de Carlos Lacerda no governo da Guanabara. Nomeado posteriormente para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) ingressou na ARENA após o Regime Militar de 1964 elegendo-se deputado federal em 1966 e 1970.[2]

Como governador criou o Banco do Estado de Sergipe - Banese, construiu o Hotel Pálace de Aracaju. Ergueu, também, a Estação Rodoviária, criou o IPES, o Centro de Reabilitação Ninota Garcia, a Faculdade de Medicina de Sergipe, o Museu Histórico, em São Cristóvão, e realizou obras e serviços essenciais ao Estado.

Professor da Universidade Federal de Sergipe e membro da Academia Sergipana de Letras desde 1942, trabalhou no Correio de Aracaju do qual foi diretor. Pai do político Gilton Garcia que foi deputado federal por Sergipe e governador do Amapá.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Leandro Maciel
Governador de Sergipe
31 de janeiro de 1959 — 6 de julho de 1962
Sucedido por
Dionísio de Araújo Machado
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.