Unidade de pronto atendimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Unidade de pronto atendimento em Rio Branco, no estado do Acre, no Brasil.

A Unidade de Pronto Atendimento[1] , abreviada frequentemente como UPA, é um tipo de unidade hospitalar de média complexidade implantado em várias cidades do Brasil, fazendo parte do Sistema Único de Saúde.

Criadas com o objetivo de fazerem a intermediação entre as unidades básica de saúde e os hospitais, as unidades também tem o objetivo de diminuir as filas nos prontos-socorros dos hospitais, evitando que casos de menor complexidade sejam encaminhados para as unidades hospitalares.

Desta forma, os hospitais podem priorizar os atendimentos mais graves ou de acordo com seu perfil. Hoje, mais de 99% dos casos são resolvidos nas UPAs. Menos de 1% precisam ser transferidos para hospitais. 

As UPAs oferecem atendimento a urgências pediátricas, clínicas e odontológicas. Elas têm capacidade de realizar o primeiro atendimento ao trauma, estabilizando o paciente até a transferência para uma unidade de maior porte. As UPAs também possuem acolhimento, classificação de risco, exames laboratoriais e raios-X, sala vermelha para atendimento aos casos mais graves, leitos de observação pediátrica e clinica, além de observação individual. Nas unidades mais antigas, há sala de medicação e de nebulização.

Essas unidades são implantadas pelas prefeituras municipais ou pelo governo do estado em parceria com o governo federal. Estão instaladas em diversas cidades do país.

Link de Planta: http://infraestruturaurbana.pini.com.br/solucoes-tecnicas/18/artigo265001-2.aspx

Classificação[editar | editar código-fonte]

As unidades podem ser classificadas segundo vários critérios:[2]

  • De acordo com a população da região a ser coberta
  • Área Física
  • Número de Leitos Disponíveis
  • Recursos Humanos
  • Capacidade Diária de Atendimentos Médicos

Histórico[editar | editar código-fonte]

O projeto da UPA 24 horas foi implantado no primeiro mandato do Governo de Sergio Cabral Filho. Em maio de 2007, a Secretaria de Estado de Saúde do Estado do Rio de (SES) inaugurou, a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas, na comunidade da Maré, uma das regiões mais carentes de serviços de saúde no Estado.[3] [4]

O sucesso do modelo no Rio fez com que outros estados e até mesmo outros países copiassem a iniciativa. O Brasil conta com 416 UPAs em funcionamento. São Paulo, Pernambuco, Bahia, Ceará, Acre, além da capital Brasília, utilizam esta estratégia de atendimento.  A Argentina também adotou o sistema, Buenos Aires conta com 12 unidades em funcionamento e já planeja ampliar o sistema. 

UPA 24 horas no Estado do Rio de Janeiro [editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2015, a UPA 24 no Estado do Rio de Janeiro atingiu a marca de 50 milhões de atendimentos. Ao todo, já foram distribuídos mais de 200 milhões de medicamentos e realizados quase 25 milhões de exames. Quando o projeto foi iniciado, há oito anos, os hospitais estaduais de emergência realizavam, juntos, 2,5 mil atendimentos por dia.  Hoje, contando com o funcionamento das UPAs, o número saltou para 20 mil em toda a rede. De todos os casos atendidos nas UPAs, 99,5% são resolvidos nas próprias unidades.[5]

Hoje, o Estado do Rio conta com 58 unidades.[6]

Referências