Verticalização (urbanismo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Verticalização em Chicago (EUA)

Verticalização é um processo urbanístico que consiste na construção de grandes e inúmeros edifícios e costuma resultar na densificação populacional.

A pesquisa sobre verticalização começou na Prefeitura de São Paulo, em 1977, no Grupo de Pesquisa sobre preços fundiários do professor Gabriel Bolaffi, na gestão de Candido Malta Campos Filho, na Secretaria Municipal de Planejamento. Nadia Somekh, em 1978, começou seu mestrado sobre o tema na FAU-USP que resultou na dissertação "A (Des)Verticalização de São Paulo de 1987", em que conclui que São Paulo é vertical, mas não densa, por causa da opção pelo transporte individual e a redução do coeficiente de aproveitamento na legislação urbanística. Neste trabalho, a pesquisa aponta um panorama da verticalização de São Paulo, estabelecendo períodos em que a possibilidade de adensar é reduzida. Guilherme Gagliotti, em seu mestrado no PPGAU-Mackenzie, estendeu a pesquisa até 2014. O primeiro período da verticalização de São Paulo e a relação com o urbanismo, pesquisado por Nadia Somekh, resultou em dois livros sobre o processo: "A cidade Vertical e o Urbanismo Modernizador", em 1997, e a segunda edição revista e ampliada, de 2015.

Em algumas cidades dos Estados Unidos, como Chicago, a verticalização pode ser notada por um projeto urbanístico, ou planejamento urbano. Em cidades como São Paulo, a verticalização não ocorre acentuadamente em toda sua estrutura urbana, mas sim em pontos característicos (no entorno de avenidas, distritos ou determinados bairros), como as regiões concentradas de centros financeiros. Em outras áreas urbanas, como a do Rio de Janeiro, há também um padrão litorâneo de verticalização, com fileiras de prédios à beira-mar.

A verticalização costuma dificultar a circulação de ar, devido à diminuição do espaço físico plano para construção. Dela, pode decorrer a formação de ilhas de calor locais.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALMEIDA, M. A. A verticalização do centro de São Paulo. In: Pilon, Heep, Korngold e Palanti: edifícios de escritórios (1930-1960). Dissertação (Mestrado em Projeto de Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. p 37-106. link.
  • THUNG, T. M. Verticalization in the Brazilian housing construction : analysis of inner city high-rise neighborhoods in Goiânia. Dissertation, Universität Stuttgart, 2009. link.
  • SOMEKH, NADIA. A (DES) Verticalização de São Paulo, Dissertação ( mestrado,História da Arquitetura)-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987
  • SOMEKH, N A Cidade Vertical e o urbanismo Modernizador,: São Paulo 1920-1939, doutorado em Estruturas ambientais urbanas -Faculdade de Arquitetura e Urbanismo ,Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995
  • SOMEKH, N. A Cidade Vertical e o Urbanismo Moderizador, ed Studio Nobel, EDUSP e FAPESP, primeira edição São Paulo 1997, segunda edição revisada e ampliada, ED Mackenzie, São Paulo, 2015.
  • SOMEKH, N. Verticalização em São Paulo: A produção da Cidade Difusa e excludente. IN O céu como fronteira, ED Grifo, SP 2013
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.