Brotas (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estância Turística de Brotas
  Município do Brasil  
Vista da ponte pênsil do Rio Jacaré-Pepira.
Vista da ponte pênsil do Rio Jacaré-Pepira.
Símbolos
Bandeira de Estância Turística de Brotas
Bandeira
Brasão de armas de Estância Turística de Brotas
Brasão de armas
Hino
Lema Cidade da amizade
Apelido(s) "Capital da Aventura"
Gentílico brotense
Localização
Localização de Estância Turística de Brotas em São Paulo
Localização de Estância Turística de Brotas em São Paulo
Mapa de Estância Turística de Brotas
Coordenadas 22° 17' 02" S 48° 07' 37" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Municípios limítrofes Ribeirão Bonito, Torrinha, São Pedro, São Carlos, Itirapina, Dourado e Dois Córregos
Distância até a capital 235 km
História
Fundação 1839 (180–181 anos)
Aniversário 3 de maio
Administração
Prefeito(a) Modesto Salviatto Filho - Leandro Corrêa (2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 1 101,468 km²
População total (Censo IBGE/2019[2]) 24 403 hab.
Densidade 22,2 hab./km²
Clima Subtropical (CWA)
Altitude 647 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH ([3]) 0,740 alto
PIB ({{{data_pib}}}) R$ 394 342,360 mil
PIB per capita ([4]) R$ 17 336,95
Sítio brotas.sp.gov.br (Prefeitura)

Brotas é um município brasileiro localizado no interior do Estado de São Paulo. É o 28º maior município paulista em extensão territorial e 1.312º do Brasil com 1.101,468 km². O município é formado pela sede e pelo distrito de São Sebastião da Serra[5][6].

História[editar | editar código-fonte]

A história do município começa por volta do ano de 1839, quando a fundadora da cidade, Dona Francisca Ribeiro dos Reis chega à terra brotense. A construção da Capela de Santa Cruz, deu início ao povoado. Brotas tornou-se distrito de Araraquara em 1841 e foi transferida para Rio Claro em 1853. Em 22 de agosto de 1859, o distrito foi transformado em município após a emancipação política.

O município experimentou a sua fase de maior desenvolvimento durante a expansão da lavoura de café, entre as décadas de 1920 e 1930. Durante esta fase a cidade recebeu um grande número de imigrantes italianos, o que já vinha acontecendo desde o final do século XIX. Com a decadência da agricultura cafeeira, o município perdeu grande parte da sua população para outros centros, principalmente São Carlos, Rio Claro, Jaú e Piracicaba.

No final dos anos 70 foi discutida a possibilidade de transferir a capital do Estado de São Paulo para Brotas. Por sugestão do então governador Paulo Maluf, o pequeno município (que na época possuía em torno de 8.400 habitantes na sua área urbana) iria ser a nova capital paulista pelo fato de Brotas estar localizada no centro do Estado, um plano parecido com o que ocorreu com Brasília quando esta substituiu o Rio de Janeiro como capital do país em 1960. Todavia, a ideia acabou não progredindo e a capital se manteve na cidade de São Paulo.[7]

Brotas voltou a crescer novamente a partir das décadas de 80 e 90, quando tomaram início as atividades agroindustriais como agroindústria da cana, laranja, eucalipto e agropecuária (boi de corte) e também com a exploração de esportes radicais aquáticos em seu principal rio, o Jacaré-Pepira. Atualmente, o ecoturismo e a agroindústria são as principais atividades econômicas do município.

No ano de 2008 os cantores e compositores Daniel e Rick compuseram o Hino Municipal de Brotas que foi instituído com a Lei Municipal nº 2.262/2008 de 27 de dezembro de 2008.

Em 2013, após 20 anos de "luta", o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinou um projeto de lei abrindo um processo na Assembleia Legislativa de São Paulo para fazer do município de Brotas uma Estância Turística. Em 2014 o processo foi aprovado e o município ganhou o título objetivando a impulsão do turismo.

Origem do Nome[editar | editar código-fonte]

A origem do nome "Brotas" ainda é desconhecida, mas recebe quatro hipóteses: Brotas de olho d'água; Brotas de broto de capim (mato que brotava depois de pousadas de trilheiras); Brotas como derivativo de "bolotas" (bolos característicos fabricados em Brotas pela fundadora); e a quarta e mais provável, vem das origens da fundadora de Brotas. Dona Francisca Ribeiro dos Reis descendente de portugueses católicos e devota de "Nossa Senhora das Brotas" teria prestado uma homenagem à Santa, dando seu nome à cidade.

História do turismo[editar | editar código-fonte]

No início da década de 90, a população de Brotas vinha em constante queda e foi necessário propor alternativas de desenvolvimento para Brotas. Em 1993, o Governo Estadual de São Paulo, realizou uma reunião com prefeitos municipais, para o lançamento do programa de regionalização turística do Estado. O prefeito de Brotas da época participou da reunião e Brotas foi incluída no Núcleo de Turismo das Serras e assim Brotas iniciou o seu trabalho com turismo.

Na mesma época foi criada a Organização Não Governamental (ONG) Movimento Rio Vivo, uma das primeiras do Estado de São Paulo, que lutou contra a instalação de indústrias poluidoras no município de Brotas, com este grupo o ecoturismo e turismo de aventura se apresentavam como as mais atraentes das possibilidades, um caminho onde não houvesse concorrência entre crescimento e perda de qualidade de vida da comunidade.

Em 1993, o governo municipal criou a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e apresentou o diagnóstico do Patrimônio Natural do Município.

Em 1994 foi fundada a primeira agência da cidade, que operava passeios de boia cross e passeios por trilhas acessando cachoeiras. Em 1996 Brotas começou a oferecer o passeio Rafting.

Desde então o governo municipal e COMTUR, junto às agências e operadoras de turismo, hotéis e sítios turísticos vêm promovendo e solidificando as bases do turismo sustentável, agregando serviços transformando-os em produtos turísticos com características bastante próprias.

Em meados de 2000 foram criados os GT´s (Grupos de Trabalhos) de cada atividade de aventura e ecoturismo da cidade. Os GT´s eram compostos pelos profissionais do turismo. Nesse mesmo período foi contratada uma consultora da ESALQ, Thereza Magro, para estudos de capacidade de carga nas atividades e sítios turísticos. Assim, juntos ao governo municipal criaram o Projeto de Lei do Turismo Sustentável de Brotas, que é referência nacional e promulgada a lei municipal em 2003.

Brotas foi a primeira cidade do Brasil a criar uma lei especifica de turismo de aventura e natureza e inspirou o Ministério do Turismo e ABETA (Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura) a criar a normalização do turismo de aventura e ecoturismo no Brasil, através do Programa Aventura Segura.

Brotas também recebeu o Certificado do Programa Município Verde e Azul em 2008 e vem mantendo o Selo até hoje, aumentando sucessivamente a pontuação.

em julho 2014, foi classificada como Estância Turística, conforme Lei sancionada pelo Governador do Estado de São Paulo.[8]

Hino Municipal de Brotas[editar | editar código-fonte]

O Hino Municipal de Brotas foi composto pelos cantores José Daniel Camillo e Geraldo Antônio de Carvalho. Foi instituído hino oficial do município com a Lei Municipal nº 2.262/2008 de 27 de dezembro de 2008. O município tinha 168 anos quando oficializou, finalmente um Hino Municipal.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Praticantes de rafting no Rio Jacaré-Pepira

A região de Brotas, incluindo o distrito de São Sebastião da Serra e a cidade de Torrinha apresenta um número elevado de acidentes geográficos de grande interesse turístico.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-197 - Rodovia Dr. Américo Piva
  • SP-225 - Rodovia Eng° Paulo Nilo Romano

Ferrovias[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Apesar de historicamente ter seu desenvolvimento econômico baseado no cultivo do café, Cana-de-açúcar, Laranja e eucalipto, Brotas é conhecida internacionalmente por ter se especializado no turismo de aventura, sendo palco para a prática dos mais diversos esportes de aventura, como o rafting e a canoagem, aproveitando o potencial do rio Jacaré Pepira. Atualmente a economia do município ainda baseia-se na agropecuária, apesar da crescente importância do turismo de aventura.

Religião[editar | editar código-fonte]

Brotas não tem uma diversidade religiosa considerável.[carece de fontes?] A população é dividida entre Católicos e Evangélicos, mas três religiões não católicas ou evangélicas destacam-se nesse meio religioso pela quantidade de membros que possuem mesmo que não tenham relações com as predominantes.

Igreja Católica O município pertence à Diocese de São Carlos.

Igreja Evangélica

Outras Igrejas em destaque

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[11], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[12], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[13] para suas operações de telefonia fixa.

Esportes em Brotas[editar | editar código-fonte]

Brotas possuiu e possui alguns clubes de futebol antigos e tradicionais, especialmente o Clube Atlético Brotense, que no passado possuía um bom time de futebol.

  • 6 de maio de 1958 - CA Brotense 1x5 XV de Piracicaba[14][15][16]

Também em 1958, disputava o Campeonato Amador de Futebol de Interior, no setor 23 - Zona 15.>[17]

Alguns amistosos e jogos oficiais
  • 19 de junho de 1955 - Ribeirão Bonito EC 6x2 CA Brotense[18][19]
  • 31 de julho de 1955 - Bocaina FC 4x1 CA Brotense[20]
  • 7 de agosto de 1955 - AA Barra Bonita 3x0 CA Brotense[21]
  • 6 de agosto de 1956 - CA Brotense 2x4 Veteranos Internacionais[22]
  • 5 de maio de 1957 - CA Brotense 2x1 XV de Jaú[23]
  • 19 de maio de 1957 - AA Mocoembu (Dois Córregos) 6x0 CA Brotense[24]
  • 9 de junho de 1957 - AA Barra Bonita 4x1 CA Brotense[25][26]
  • 8 de junho de 1958 - AA Mocoembu (Dois Córregos) 2x0 CA Brotense[27]<refhttp://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=15374</ref>
  • 15 de junho de 1958 - CA Brotense 1x0 Bocaina[28]

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Brotense Ilustre:

  • O cantor sertanejo Daniel é natural de Brotas.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Censo Populacional 2014». Censo Populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 22 de janeiro de 2015 
  3. http://www.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010.html
  4. http://ibge.gov.br/cidadesat/painel/economia.php?lang=&codmun=350790&search=sao-paulo%7Cbrotas%7Cinfograficos:-despesas-e-receitas-orcamentarias-e-pib
  5. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  6. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  7. http://www.saopauloinfoco.com.br/brotas-capital-sp/ A Mudança de Capital: De SP Para Brotas - São Paulo in Foco - 13 de setembro de 2017
  8. http://www.diariodolitoral.com.br/cotidiano/governador-alckmin-autoriza-r-215-milhoes-para-o-turismo-da-baixada-sa/46545/
  9. «Estação ferroviária de Brotas - 1986». vfco.brazilia.jor.br. Consultado em 20 de outubro de 2020 
  10. «Estações ferroviárias na região de Brotas». Plamurb. 7 de abril de 2017. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  11. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  12. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  13. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  14. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=13960
  15. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=14006
  16. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=14007
  17. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=14955
  18. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=28851
  19. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=28855
  20. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=29571
  21. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=29706
  22. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=25372
  23. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=19916
  24. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=20306
  25. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=19248
  26. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=19250
  27. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=15090
  28. http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=104140&Pesq=%22Ibat%c3%a9%22&pagfis=15328

Ligações externas[editar | editar código-fonte]