Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Escola de Engenharia de
São Carlos
EESC
Lema Nesta casa se procura a verdade científica e a técnica de adaptação das energias da natureza a serviço da humanidade.
Universidade Universidade de São Paulo
Fundação 1948 (73 anos)
Tipo de instituição Unidade de ensino, pesquisa e extensão
Professores 184
Alunos 490 (vagas por vestibular)[1]
Graduação 3053 em abril de 2020 (inclui alunos do ICMC) [1]
Pós-graduação 1128 (inclui alunos do IQSC e FMRP)[1]
Localização São Carlos, Itirapina[1], SPBrasil
Campus Campus USP de São Carlos (Área 1 e 2), CRHEA
Site www.eesc.usp.br

A Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) é uma unidade da Universidade de São Paulo, localizada no campus de São Carlos, dedicada ao ensino, pesquisa e extensão na área de engenharia.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Criada pela Lei Estadual nº 161, de 1948, pouco após o final da Segunda Guerra Mundial e implantada em dezembro de 1952, a Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, EESC-USP, instalou-se no prédio cedido em caráter provisório pela antiga sede da Societá Dante Alighieri, edificação tombada pelo CONDEPHAAT, utilizado atualmente pelo Centro de Divulgação Científica e Cultural da USP (CDCC).[3][4]

O primeiro concurso vestibular realizou-se em 1953, com a oferta de cinquenta vagas para ingresso no Curso de Engenharia, com vistas às Habilitações em Engenharia Civil e Engenharia Mecânica. Inscreveram-se duzentos interessados, dentre os quais foram selecionados trinta e nove. Sendo que a aula inaugural aconteceu em 18 de abril de 1953, pelo então Governador do Estado de São Paulo Lucas Nogueira Garcez, que também era engenheiro e o curso teve início no dia 22 do mesmo mês, dia que foi também fundado o Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira (CAASO), órgão representante do corpo discente .[5]

Entrada co Campus 1 da USP de São Carlos.

Instituído em 1972, o Campus da USP em São Carlos foi integrado pela Escola de Engenharia de São Carlos e duas outras Unidades Universitárias que dela se originaram em 1971: o Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos, atualmente denominado Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), e o Instituto de Física e Química de São Carlos, posteriormente desmembrado em Instituto de Física de São Carlos (IFSC) e Instituto de Química de São Carlos (IQSC). No final de 2010 foi criado o Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU), a partir do desmembramento do antigo Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC, também como fruto da consolidação das atividades desenvolvidas na área.[6][7][8][9][10][11]

A EESC figura-se como uma ilha de excelência no ensino e pesquisa das ciências exatas no interior do Estado de São Paulo, envolta de dezenas de pequenas empresas de tecnologia de ponta ligadas ao Parque Tecnológico de São Carlos (ParqTec).[12]

Lema[editar | editar código-fonte]

O lema adotado pelo seu primeiro Diretor, Prof. Theodoreto de Arruda Souto, em 1952 foi e continua sendo inspiração para seguidas gerações de estudantes de engenharia da EESC: Nesta casa se procura a verdade científica e a técnica de adaptação das energias da natureza a serviço da humanidade.[13]

Diretores da EESC[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua existência a Escola de Engenharia de São Carlos foi liderada pelos seguintes diretores:[14]

  • Theodoreto de Arruda Souto (1952-1967); também foi vice-diretor da EPUSP (1947)[15]
  • Ruy Alberto Corrêa Altafim (1967-1970)
  • Morency Arouca (1970-1974)
  • Romeu Corsini (1975-1979)[16]
  • Swami Marcondes Vilela (1979-1983)
  • Dante Ângelo Osvaldo Martinelli (1983-1986)
  • Marcius Fantozzi Giorgetti (1986-1990)
  • Rosalvo Tiago Ruffino (1991-1995)
  • Jurandyr Povinelli (1995-1999)
  • Eugenio Foresti (1999-2003)
  • Roco Lahr (2003-2007)
  • Maria do Carmo Calijuri (2007-2011)
  • Geraldo Roberto Martins da Costa (2011-2015)
  • Paulo Sérgio Varoto (2015-2019)
  • Edson Cezar Wendland (2019-atual)[17]

O ciclo básico[editar | editar código-fonte]

Ao ingressar na Escola de Engenharia, o aluno inicia o chamado Ciclo Básico. Neste período, de duração de 2 anos, o estudante se dedicará integralmente ao estudo da Física (Física I, II, III e IV), Matemáticas (Cálculo I, II, III, Função de Variáveis Complexas, Geometria Analítica, Álgebra Linear, Métodos Numéricos I e II, Equações Diferenciais Ordinárias, etc.), Química (Química Geral I, Laboratório de Química Geral I, etc.), Computação e algumas disciplinas de História da Ciência. Neste período algumas disciplinas introdutórias do segmento do curso de engenharia escolhido serão ministradas. Ademais, é neste momento em que grande parte dos alunos se prepara para processos seletivos para realização de parte dos estudos em universidades estrangeiras, principalmente na Europa.

Cursos da Escola de Engenharia[editar | editar código-fonte]

Prédios da Engenharia Aeronáutica no Campus 2.

Graduação[editar | editar código-fonte]

[2]

(*)CEE - Certificação de Estudos Especiais.

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

[2]

  • Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo
  • Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Estruturas
  • Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção
  • Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Computação
  • Programa de Pos-Graduacao em Engenharia Mecânica
  • Programa de Pós-Graduação em Geotecnia
  • Programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento
  • Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental
  • Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes
  • Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia
  • Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ciência e Engenharia de Materiais

Mobilidade internacional[editar | editar código-fonte]

A EESC tem firmado, parcerias acadêmicas internacionais com universidades de renome, localizadas principalmente na Europa. Atualmente existem 27 convênios ativos com instituições estrangeiras de ensino de engenharia e ciências, sendo algumas delas provedoras de bolsas de estudos e programas de dupla-formação (duplo-diploma), como os convênios com as École Centrale e a École Polytechnique de Paris, ou a Universidade de Tübingen, na Alemanha.[18]

Atividades de Extensão[editar | editar código-fonte]

Com o objetivo de aproximar o estudante de engenharia de atividades extra-curriculares, os alunos da Escola de Engenharia da USP em São Carlos fundaram e gerenciam através de patrocínios da indústria brasileira e de suporte da EESC, diversos grupos de desenvolvimento prático da engenharia, dentre os quais, somam-se:

Grupo de Estudos Avançados em Robótica (GEAR)[editar | editar código-fonte]

Fundado e atualmente coordenado por alunos e professores das Engenharias Elétrica e Computação , com participação de estudantes das engenharias mecatrônica e mecânica, o grupo GEAR tem como missão o estudo e aprimoramento das técnicas de engenharia robótica. O grupo GEAR é considerado uma divisão discente do SEL/EESC/USP. Dentre seus programas e projetos, destacou-se em Dallas, Flavio Pires , chefiando a equipe de Futebol de Robôs do Departamento de Engenharia Elétrica, vice-campeã do V Latin American Robotics Competition (Categoria RoboCup Small Soccer // F-180). A Competição, realizada entre 26 a 29 de Outubro de 2008, promovida pelo e pela RoboCup Federatio RoboCup.[19][20]

Equipe EESC-USP de Aerodesign[editar | editar código-fonte]

Troféus e mensões honrosas da Equipe de Aerodesign.

A equipe EESC-USP de Aerodesign foi fundada em 1998 por alunos do curso de engenharia mecânica com ênfase em aeronaves da Escola de Engenharia de São Carlos. Inicialmente, o objetivo era divulgar a competição no Brasil, buscando atrair, desta forma, o interesse de outras escolas, tentando viabilizar uma competição similar a norte-americana em nível nacional. Para tanto em outubro de 1998 os trabalhos da equipe foram divulgados na Fealtec (Feira de Alta Tecnologia), evento que reúne anualmente em São Carlos-SP empresas da área de tecnologia e onde a primeira aeronave da equipe ficou em exposição e fez demonstrações de voo. Outro compromisso importante da equipe foi a participação no Congresso Internacional da SAE em São Paulo no mês de novembro de 1998, onde foi feita uma apresentação técnica do projeto na "Noite dos Estudantes", evento tradicional no congresso que reúne trabalhos de destaque realizados por estudantes de engenharia na área da mobilidade, divulgando assim a competição para os profissionais da área e atraindo potenciais patrocinadores para o futuro evento. Após esta apresentação a equipe teve a confirmação extra-oficial, que viria mais tarde a se confirmar, da realização de um campeonato nacional de AeroDesign.

A equipe obteve as seguintes premiações: tricampeã Brasileira na Classe Regular (1999, 2002 e 2015), campeã da East Competition na Classe Regular (2002), tetracampeã Brasileira na Classe Aberta (2005, 2006, 2008 e 2009), tricampeã da East Competition na Classe Aberta (2006, 2007 e 2009), bicampeã Brasileira na Classe Micro (2009 e 2010) e aampeã da East Competition na Classe Micro (2010).[21]

Equipe Baja SAE[editar | editar código-fonte]

A Equipe EESC USP Baja SAE é um grupo de estudantes de engenharia com aproximadamente 30 membros, que tem como objetivo a concepção de um projeto e construção de um carro da categoria off road tipo Baja para disputar em competições regionais, nacionais e internacionais organizadas pela Sociedade dos Engenheiros da Mobilidade (SAE).

Uma das equipes pioneiras do projeto baja no Brasil, fundada em 1994 ao longo dos anos em competições nacionais e internacionais, a Equipe possui um título regional, se fez duas vezes vice-campeã nacional e é Hexacampeã da competição nacional de Baja SAE. Além disso, já disputou a SAE Midwest (competição internacional de Baja) sete vezes, sendo que segundo lugar, entre 140 equipes de oito países.[22] Além disso, já disputou a SAE Midwest (competição internacional de Baja) sete vezes, sendo que segundo lugar, entre 140 equipes de oito países.

Equipe EESC-USP Formula SAE[editar | editar código-fonte]

A Equipe EESC-USP Formula SAE é um grupo formado por aproximadamente 60 estudantes de diversas engenharias, de graduação e pós-graduação, que tem como objetivo o desenvolvimento do projeto e da manufatura de um veículo de alto desempenho do tipo Formula, para disputar as competições organizadas pela Sociedade dos Engenheiros da Mobilidade (SAE) no Brasil e no exterior.

Fundada em 2003, é uma das mais tradicionais da competição, conquistou o primeiro lugar no Fórmula SAE Brasil quatro vezes (2004, 2005, 2015 e 2016) e conquistado diversos prêmios ao longo das doze competições realizadas no Brasil, como o Prêmio de Inovação Tecnológica por duas vezes (2007 e 2009) e o Prêmio de Melhor Projeto por nove vezes (2004, 2005, 2006, 2007, 2011, 2014, 2015, 2016, 2017). O escritório de projetos e a oficina estão situados no Campus I da Escola de Engenharia de São Carlos. A Equipe usufrui de grande parte da estrutura da Universidade, como por exemplo o dinamômetro do Laboratório de Motores para calibração do motor, o Laboratório de Metrologia para medição de peças e do próprio motor na máquina de medição a três coordenadas e o Laboratório de Materiais para testes mecânicos de dureza em componentes estruturais. São utilizadas também as vias dos Campi I e II para testes do protótipo. Além disso, conta-se também com o apoio de técnicos e professores, que agregam conhecimento e contribuem para o aperfeiçoamento e para o sucesso dos projetos. Promove-se também uma aproximação entre a Universidade e o mercado de trabalho através das empresas parceiras, as quais permitem a utilização de seus produtos no desenvolvimento do carro, além de realizarem treinamentos e outros eventos dos quais os estudantes participam. Ao longo de sua história, a Equipe tem se destacado por aliar tecnologia, eficiência e baixo custo, obtendo assim reconhecimento nacional e internacional.[23]

Empresa Júnior dos Alunos da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC jr.)[editar | editar código-fonte]

Com a missão de proporcionar soluções de qualidade em engenharia e arquitetura, a EESC jr. tem preparado seus membros - os alunos da EESC/USP - para o competitivo mercado de trabalho brasileiro. Tendo a empresa OPTO como atual patrocinadora institucional, a EESC jr. vem se consolidando, desde 1992, como provedora de soluções em engenharia para pequenas e médias empresas da região.[24]

Centro Acadêmico[editar | editar código-fonte]

O Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira (CAASO) foi fundado no dia 22 de abril de 1953 pela primeira turma de alunos da Escola de Engenharia de São Carlos, o centro recebeu este nome em homenagem ao governador do Estado de São Paulo que criou a Universidade de São Paulo. O centro acadêmico possui uma escola onde são ministradas aulas do ensino médio e cursinho pré-vestibular voltada para a sociedade de baixa-renda.[25]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «EESC em números». scola de Engenharia de São Carlos. Consultado em 4 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de abril de 2021 
  2. a b c «Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior - Cadastro e-MEC». Ministério da Cultura (MEC). Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  3. «Dispõe sôbre a criação de estabelecimentos de ensino superior em cidades do interior do Estado e dá outras providências». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 4 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de abril de 2021 
  4. «São Carlos tem 7 edifícios com tombamento aprovado pelo CONDEPHAAT». Prefeitura de são Carlos. 15 de janeiro de 2019. Consultado em 4 de abril de 2021 
  5. «Há 63 anos São Carlos se tornava uma cidade universitária». Consultado em 4 de abril de 2021. Arquivado do original em 2 de abril de 2019 
  6. «História e Números». Portal USP São Carlos. Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2021 
  7. Verónica Savignano (28 de novembro de 2014). «20º aniversário da criação do Instituto de Física de São Carlos, e seis décadas participando da história da pesquisa em Materiais no Brasil». Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais. Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2020 
  8. «Conselho da USP anuncia criação de novos cursos e nova unidade». Governo do Estado de São Paulo. 16 de dezembro de 2010. Consultado em 31 de março de 2021. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  9. «Instituto de Química de São Carlos - Histórico». IQSC/USP. Consultado em 1 de abril de 2021. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2020 
  10. Verónica Savignano (28 de novembro de 2014). «20º aniversário da criação do Instituto de Física de São Carlos, e seis décadas participando da história da pesquisa em Materiais no Brasil». Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais. Consultado em 1 de abril de 2021. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2020 
  11. Hildelbrando Munhoz. «Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos». Scielo Estud. av. vol.8 no.22 São Paulo Sept./Dec. 1994. Consultado em 31 de março de 2021. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  12. «Sobre Science Park». arqTec. Consultado em 4 de abril de 2021. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2020 
  13. Aldrin Jonathan (novembro de 2013). «Escola de Engenharia: 60 anos». Revista Espaço Aberto - Edição 155. Consultado em 4 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de abril de 2021 
  14. «Galeria de Diretores». Escola de Engenharia de São Carlos. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2021 
  15. «Engenheira da USP já precisou usar bigode para participar de visita a Paris». G1 Globo. 8 de março de 2013. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 10 de março de 2019 
  16. a b Cirilo Braga (26 de março de 2021). «Romeu Corsini: um pesquisador que honrou o nome de São Carlos». São Carlos em Rede. Consultado em 4 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de abril de 2021 
  17. «Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/ USP) empossa nova Diretoria e Reitora da UFSCar prestigia a cerimônia». Universidade Federal de São Carlos. 7 de maio de 2019. Consultado em 4 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de abril de 2021 
  18. «Internacional». EES-USP. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 5 de abril de 2021 
  19. «Latin American Robotics Council» (em inglês). Latin American Robotics Council. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 9 de março de 2021 
  20. «Organization The RoboCup Federation» (em inglês). The RoboCup Federation. Consultado em 5 de abril de 2021. Arquivado do original em 13 de setembro de 2017 
  21. «Conheça os Projetos 2014». Arquivado do original em 9 de março de 2021 
  22. «Conheça mais sobre os tetra-campeões da SAE Brasil Mini Baja». Consultado em 27 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 6 de abril de 2009 
  23. «Por que fazemos Formula». Equipe EESC-USP. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de março de 2021 
  24. «EESC jr- Empresa júnior de Engenharia e Arquitetura - Há 28 Anos No Mercado Entregando com Experiência e Qualidade». EESC Jr. Consultado em 5 de abril de 2021. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2021 
  25. MARIA CRISTINA INNOCENTINI HAYASHI E MARIANGELA DE LELLO VICINO (2007). Movimento estudantil: história e memória do Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira (CAASO). [S.l.]: Editora da Universidade Federal de São Carlos. 268 páginas. ISBN: 978-85-7600-106-5 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALTAFIM, Ruy Alberto Corrêa (Org.). 50 anos da EESC: um olhar no passado visando ao futuro. São Carlos: EESC, 2004.
  • NOSELLA, Paolo; BUFFA, Ester. Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos: os primeiros tempos: 1948-1971. São Carlos: Editora da UFSCar, 2000.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]