Taça Universitária de São Carlos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
As cores da Federal (vermelho) e do CAASO (amarelo) representadas na logomarca da Taça Universitária de São Carlos

A Taça Universitária de São Carlos - a TUSCA (ou segundo documentos antigos, Torneio Universitário de São Carlos) é uma tradicional competição universitária e poliesportiva do Brasil, que ocorre na cidade de São Carlos, no estado de São Paulo. É organizada pela Associação Atlética Acadêmica da UFSCar (A.A.A.UFSCar, mais conhecida como Atlética Federal) e pela Associação Atlética Acadêmica Campus de São Carlos USP (A.A.A.C.S.C. - USP, conhecida também como Atlética CAASO), com data definida em conjunto com a prefeitura municipal de São Carlos,[1] com finalidade de estimular a prática saudável do esporte, bem como a integração entre os participantes. Originalmente, participavam também estudantes da Fundação Educacional São Carlos (FESC), que oferecia os cursos superiores de Biblioteconomia e Documentação e de Educação Física, hoje absorvidos pela UFSCar, e da extinta Faculdades Integradas de São Carlos (FADISC).

A rivalidade entre as duas atléticas é uma das maiores do interior de SP e uma das maiores do Brasil.

Em 2010 a TUSCA, que acontece há trinta anos na cidade, foi incluída no calendário de eventos oficiais da cidade de São Carlos[2] pela Lei Municipal Nº 15.246 - de autoria do vereador Lineu Navarro - de 8 de Abril de 2010.[1][3]

O evento[editar | editar código-fonte]

A TUSCA é o maior evento da cidade, reunindo cerca de 50.000 pessoas.[4] O torneio, que acontece anualmente e tem duração de quatro dias, reúne as duas grandes universidades da cidade: USP e UFSCar. Outras faculdades convidadas participam do torneio e são escolhidas pela organização anualmente. Ao contrário de alguns torneios universitários, a TUSCA sempre inclui atléticas de universidades de outros estados, visando uma competição mais abrangente e acirrada.

O evento movimenta a economia da cidade em cerca de 5 milhões de reais[5] e envolve unidades de UTI Móvel, Ambulância de Suporte Básico e uma equipe composta por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e guarda-vidas. Para manter a ordem, a organização do evento contrata equipes de seguranças particulares e a Guarda Universitária da Universidade de São Paulo também participa do esquema de segurança.

Torcidas da Federal e CAASO durante partida do futsal masculino na Tusquinha 2016. É a maior rivalidade universitária do interior.

São colocados à disposição dos participantes banheiros químicos e um esquema de saúde é preparado no município para estar de prontidão com o SAMU, o Hospital–Escola e a Santa Casa de Misericórdia, assim como os ambulatórios terceirizados contratados pelas atléticas.

Em 2012 para a abertura do evento foi realizada uma micareta com a presença de mais de 6 mil pessoas na região do Distrito Industrial. Um trio elétrico percorreu um trecho de quase dois quilômetros. Toda a infraestrutura, como bares, banheiros e pontos de atendimento médico, estavam a disposição dos participantes.

A partir de 2013 o evento foi centralizado em uma única área com toda a infraestrutura necessária para a realização do evento que faz parte do calendário oficial da cidade, trazendo assim maior segurança aos participantes.

Em 2015 a Taça Universitária de São Carlos chegou a sua 36ª edição com a Federal consagrada campeã pela 32ª vez.

O Corso[editar | editar código-fonte]

O Corso era uma celebração de abertura, sempre numa quinta-feira, que consistia na saída de um trio elétrico da USP terminando tradicionalmente na UFSCar, em uma grande festa realizada pela Atlética UFSCar, em céu aberto com palco para bandas e tenda de música eletrônica dando ao início a um torneio de muita tradição, criado pela ideia de Lincoln Jorge Marques e seus amigos universitários, incluindo seu irmão Wilson Marques há 30 anos. Dentre os atrativos dessa comemoração estava o famoso Cajuzinho, bebida composta de cachaça e suco de caju, que é preparada pelo GAP (Grupo de Apoio à Participação), ou pela GAPeria, bateria universitária filiada a este grupo do CAASO.

Em 2009 o Corso percorreu 3,8 quilômetros, saindo do Campus 1 da USP e terminando na avenida Bruno Ruggiero. Durante os dois dias do torneio São Carlos recebeu mais de 30 mil pessoas que vieram prestigiar o evento.[1]

Em setembro de 2011, após a morte do estudante Bruno Cristiano de Oliveira, o Corso foi proibido pelo então prefeito Oswaldo Baptista Duarte Filho.[6]

Modalidades[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente as modalidades disputadas durante o torneio são: atletismo, basquete, futebol, futsal, handebol, natação, tênis, tênis de mesa, voleibol, voleibol de praia, xadrez, judô, pólo aquático, rugby, jiu-jitsu, karatê, tae kwon do, beisebol e softbol.[7]

Maiores Campeões[editar | editar código-fonte]

Torneio[editar | editar código-fonte]

Atlética Títulos

A.A.A. UFSCar

(Atlética Federal)

(1979, 1980, 1981, 1982, 1983, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2001, 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2008, 2010, 2011, 2014, 2015 e 2016)

A.A.A.C.S.C. - USP

(Atlética CAASO)

(2007, 2009, 2012 e 2013)
  • Edição de 2000 não ocorreu.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Há alguns anos grande parte da população são-carlense ou carlopolitana, tem registrado queixas sobre as dimensões que o evento estaria tomando.

Porém, no evento de 2010 houve mais ou menos 250 ocorrências de atendimento, quando que o evento possui quase 40 mil pessoas. A polícia militar de São Carlos viu como baixo o número, vendo que é um evento de grande porte.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências