Maria Lúcia Melo de Araújo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Lúcia Araújo
Deputada federal  Acre
Período 1967-1969, 1987-1991
Dados pessoais
Nascimento 17 de abril de 1935 (83 anos)
João Pessoa, PB
Alma mater Instituto Guanabara
Cônjuge José Augusto de Araújo
Partido MDB, PMDB
Profissão contabilista, professora

Maria Lúcia Melo de Araújo (João Pessoa, 17 de abril de 1935) é uma contabilista, professora e política brasileira que foi deputada federal pelo Acre.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Sebastião Lins de Melo e Lúcia Lins de Melo. Em 1954 concluiu o curso de técnico em contabilidade pelo Instituto Guanabara e em 1972 concluiu o curso de inglês na Cultura Inglesa.[1] Em 1962 seu esposo, José Augusto de Araújo, foi o primeiro governador do Acre eleito diretamente e assim Maria Lúcia Araújo acumulou o posto de primeira-dama com a presidência da Legião Brasileira de Assistência (LBA) no estado e assim permaneceu até que seu marido foi cassado pelo Regime Militar de 1964 através do Ato Institucional Número Um.

Filiada ao MDB foi eleita deputada federal exercendo o mandato até ser cassada pelo Ato Institucional Número Cinco em 30 de setembro de 1969[1] ficando sem direitos políticos até a promulgação da Lei da Anistia em 1979[2] pelo presidente João Figueiredo filiando-se ao PMDB no ano seguinte. Presidente da Fundação do Bem-Estar Social do Acre no governo Nabor Júnior (1983-1986) e em 1986[3] foi eleita deputada federal e participou da Assembleia Nacional Constituinte que elaborou a Constituição de 1988,[4] entretanto não se reelegeu em 1990.[3]

Prima dos políticos Flaviano Melo e José Melo.

Referências

  1. a b c «Câmara dos Deputados do Brasil: deputada Maria Lúcia Araújo». Consultado em 4 de junho de 2013 
  2. Lei nº 6.683 de 28 de agosto de 1979.
  3. a b «Tribunal Regional Eleitoral do Acre». Consultado em 4 de junho de 2013 
  4. «Presidência da República: Constituição de 1988». Consultado em 4 de junho de 2013