Fernando de la Rúa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fernando de la Rúa
51Presidente da Argentina
Período 10 de dezembro de 1999
a 21 de dezembro de 2001
Vice-presidente Carlos Chacho Álvarez (1999-2000)
Nenhum (2000-2001)
Antecessor(a) Carlos Menem
Sucessor(a) Ramón Puerta (interino)
1º Prefeito de Buenos Aires Bandera de la Ciudad de Buenos Aires.svg
Período 6 de agosto de 1996
a 10 de dezembro de 1999
Antecessor(a) Jorge Domínguez
Sucessor(a) Enrique Olivera
Senador por Buenos Aires Bandera de la Ciudad de Buenos Aires.svg
Período 10 de dezembro de 1993
a 6 de agosto de 1996
Deputado por Buenos Aires Bandera de la Ciudad de Buenos Aires.svg
Período 10 de dezembro de 1991
a 10 de dezembro de 1993
Período 10 de dezembro de 1983
a 10 de dezembro de 1989
Período 25 de maio de 1973
a 24 de março de 1976
Dados pessoais
Nascimento 15 de setembro de 1937 (79 anos)
Córdoba, Argentina
Nacionalidade Argentina argentina
Cônjuge Inés Pertiné (1970-presente)
Partido União Cívica Radical
Profissão Advogado
Assinatura Assinatura de Fernando de la Rúa

Fernando de la Rúa BrunoGColIH • (Córdoba, 15 de setembro de 1937) é um advogado e político argentino da União Cívica Radical.[1] Foi o 51º presidente da Argentina, de 10 de dezembro de 1999 a 21 de dezembro de 2001, data em que renunciou após grandes manifestações consequentes da crise econômica gerada em seu governo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É Casado com Inés Pertiné, com quem teve três filhos: Agustina, Antonio e Fernando.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Fernando de la Rúa é filho de Antonio de la Rúa e Eleonor Bruno.[1] Ele frequentou a escola militar de Córdoba antes de ingressar na Universidade Nacional de Córdoba, onde se licenciou em direito.

Ativamente político desde jovem, de La Rua iniciou a sua carreira política em 1973, quando foi eleito senador em representação de Buenos Aires, a capital do país. Poucos meses depois, e apenas com 36 anos, concorreu à vice-presidência da Argentina, integrando a lista do candidato presidencial Ricardo Balbín.

Depois da instauração da democracia na Argentina em 1983, de la Rua foi eleito deputado e em 1989 voltou a concorrer para senador. Apesar de ter conquistado o lugar através do voto popular, acabou por não acender ao Senado devido à aliança formada pelo partido da Justiça e a UCEDE.

Em 1996, Fernando de La Rua tornou-se no primeiro presidente de câmara de Buenos Aires a ser eleito por voto popular. Manteve-se no cargo até 1998, altura em que decidiu candidatar-se, em representação da Aliança para o Trabalho, Justiça e Educação, às eleições presidências argentinas.

Presidência (1999-2001)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Crise econômica da Argentina
Presidente de la Rúa discursando em cadeia nacional.

De La Rua era membro do Partido Radical, que até então andara afastado do poder, e surgiu como uma alternativa a Carlos Menem, o então presidente, associado a diversos casos de corrupção envolvendo o ministro da fazenda Domingo Cavallo.[2]

O fato de também não ter ligações às forças armadas argentinas, responsáveis por um período de grande repressão no país, favoreceu-o e acabou por ganhar a eleição com quase metade dos votos.

De La Rua tomou posse como presidente a 10 de dezembro de 1999, substituindo Carlos Menem. Manteve-se no cargo apenas durante dois anos, até 21 de dezembro de 2001. Fernando de la Rua viu-se obrigado a renunciar ao cargo após a realização de uma série de manifestações de desagrado por parte da população e de terem ocorrido numerosos motins que resultaram em seu impeachment. O descontentamento popular foi motivado por uma terrível crise financeira que afetou a Argentina nessa época, sendo o confisco deflacionário iniciado pelo Governo Argentino de La Rua o estopim para a paralisação geral do setor varejista no País. No dia 6 de Janeiro de 2002, De La Rua acabou por ser substituído por Eduardo Duhalde.

Honrarias[editar | editar código-fonte]

A 14 de novembro de 2001, foi agraciado com o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal.[3]

Referências

  1. a b «Biografia y vida de Fernando de la Rúa» (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2012 
  2. Foucault, a Argentina e os abutres
  3. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Fernando de la Rúa". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 11 de abril de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.