Eduardo Alberto Duhalde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde Julho de 2012)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Eduardo Alberto Duhalde
Eduardo Alberto Duhalde
53° Presidente da Argentina Argentina
Período 1 de janeiro de 2002
até 25 de maio de 2003
Vice-presidente Nenhum
Antecessor(a) Eduardo Camaño (interino)
Sucessor(a) Néstor Kirchner
Vice-presidente da Argentina Argentina
Período 8 de julho de 1989
até 10 de dezembro de 1991
Presidente Carlos Menem
Antecessor(a) Victor Martínez Hipolito
Sucessor(a) Carlos Ruckauf
Governador de Buenos Aires Bandera de la Provincia de Buenos Aires.svg
Período 10 de dezembro de 1991
até 10 de dezembro de 1999
Antecessor(a) Antonio Cafiero
Sucessor(a) Carlos Ruckauf
Vida
Nascimento 5 de outubro de 1941 (74 anos)
Lomas de Zamora, Argentina
Dados pessoais
Cônjuge Hilda González "Chiche" de Duhalde
Partido Partido Justicialista
Profissão advogado

Eduardo Alberto Duhalde Maldonado (Lomas de Zamora, 5 de outubro de 1941) é um advogado argentino, membro do Partido Justicialista.

Ocupou a vice-presidência da Argentina durante o primeiro mandato de Carlos Saúl Menem, renunciando ao posto para assumir o governo da Província de Buenos Aires. Foi presidente interino da Argentina de 1 de janeiro de 2002 até a posse de Néstor Kirchner, em 25 de maio de 2003.

Foi derrotado por Fernando de la Rúa nas eleições presidenciais de 1999, com 39% dos votos. Eleito para o senado em outubro de 2001, teve expressiva votação. Buscou recuperar a confiança externa perdida quando o antigo ministro da fazenda, Domingo Cavallo, instaurou o "corralito", em novembro de 2001.

Diante dos protestos que se multiplicaram pelo país em 2002, antecipou em seis meses a eleição presidencial, no qual foi eleito Néstor Kirchner, ao qual deu seu completo apoio na época.


Precedido por
Eduardo Camaño
Interino
Presidente da Argentina
2002 - 2003
Sucedido por
Néstor Kirchner