Pedro Celestino da Silva Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pedro Celestino da Silva Filho
Deputado estadual de Goiás Goiás
Período 1951-1962
Deputado federal por Goiás Goiás
Período 1962-1969
Dados pessoais
Nome completo Pedro Celestino da Silva Filho
Nascimento 27 de outubro de 1915
Corumbaíba, Goiás
Morte 8 de agosto de 1996 (80 anos)
Goiânia, Goiás
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Mãe: Durvalina Naves da Silva
Pai: Pedro Celestino da Silva
Alma mater Universidade Federal de Goiás
Cônjuge Zuleica Borges Pereira Celestino
Partido PSD (1951-1966)
MDB (1966-1969)
Profissão Professor, jornalista, escritor e político

Pedro Celestino da Silva Filho (Corumbaíba, 27 de outubro de 1915Goiânia, 8 de agosto de 1996) foi um professor, jornalista, escritor e político goiano. Presidiu a Academia Goiana de Letras e a Assembleia Legislativa de Goiás.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Pedro Celestino da Silva e de Durvalina Naves da Silva, estudou no Juvenato Mariano do Rio de Janeiro e depois em Morrinhos, quando criança; cursou o ensino médio no Ginásio Anchieta de Bonfim de Goiás, vindo a concluir o magistério na Escola Normal de Morrinhos, cidade onde iniciou a carreira de professor no Grupo Escolar Pedro Nunes até 1942.[1]

Radicado em Morrinhos, foi ali escrevente substituto em cartório, secretário da prefeitura na gestão de Guilherme Xavier de Almeida, e casou-se em 1942 com Zuleica Borges Pereira Celestino, que também era professora, contabilista e advogada e com quem teve três filhos; ainda nessa cidade fundou o jornal O Liberal, que dirigiu de 1945 a 1954; em 1951 candidatou-se pelo PSD a uma vaga ao legislativo estadual, para a qual se elegeu.[1][2]

Mudando-se para Goiânia, estudou técnica comercial e formou-se em direito no ano de 1958 pela Universidade Federal de Goiás; em seu primeiro mandato tornou-se vice-presidente da Assembleia, sendo reeleito nos dois pleitos seguintes (1954 e 1958), ocasião em que presidiu a casa legislativa; em 1962 candidatou-se a deputado federal, sendo eleito pelo mesmo PSD ao qual era filiado até que, com o golpe militar de 1964, passou a integrar o partido oposicionista MDB, no sistema bipartidário instituído pela ditadura; reeleito em 1966, foi cassado em 1969 com o advento do AI-5.[2] Foi conselheiro do Tribunal de Contas de seu estado.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

Dentre os livros publicados por Celestino Filho estão:[1][2]

  • Ligeiros dados histórico-geográficos de Morrinhos (1941)
  • Rabiscos (poesias, 1942)
  • Seara de ideais (discursos, 1962)
  • O arroz na economia goiana (1963)
  • Cruzada do níquel (discursos, 1964)
  • Motivos sertanejos

Referências

  1. a b c d Bento Fleury (22 de abril de 2015). «O centenário de Pedro Celestino da Silva Filho, político e poeta». DM. Consultado em 24 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2020 
  2. a b c Bento Fleury. «Silva Filho, Pedro Celestino da». FGV. Consultado em 24 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2020