Justiceiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Justiceiro, veja Justiceiro (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Foras da lei americanos do princípio do século XIX enforcados num estábulo por uma multidão em fúria por terem morto um ex-ajudante de xerife no Oklahoma.

Um justiceiro é alguém que, ocorrendo um crime, e tomado por sentimentos de injustiça em relação às ocorrências, decide agir à margem da lei, procurando punir os autores do crime. A essa situação, aplicam-se os termos autojustiça e vigilantismo. Em linguagem popular, designa-seː fazer justiça pelas próprias mãos. Os autores de tais actos podem ser civis ou agentes da autoridade (entre outros) e podem estar ou não ligados de alguma maneira à vítima ou vítimas desse crime (ou eles próprios serem vítimas do crime).

Acontecimentos desses ocorreram durante a Lei de Lynch nos Estados Unidos do século XIX e parte do século XX; nesses casos, foram multidões a encetar essas perseguições. Tal comportamento é considerado reprovável judicialmente (e, na maioria das sociedades, é considerado, também, um ato moralmente reprovável), portanto considerado um crime como outro qualquer, punível à luz do Direito. Não deve ser confundido com autodefesa e, não é de resto, uma transgressão muito comum.

Na Cultura[editar | editar código-fonte]

A ação dos justiceiros de certa forma se confunde como que o conhecido hisoriador Eric Hobsbawm define como "banditismo social" que não pode ser considerado como um mero delinquente, um fora da lei, é antes um líder capaz de incitar lutas armadas contra o poder estabelecido e as injustiças sociais a exemplo de "Lampião" no Brasil e do lendário Robin Hood, ambos citados pelo referido autor. [1] No Brasil, dois exemplos de extremos e opostos entre si são: o movimento social que se transformou na Guerra de Canudos iniciado por Antônio Conselheiro e o resultante no esquadrão da morte, uma organização paramilitar surgida no final dos anos 1960. Este último é um grupo que bem se adequa a definição usual de justiceiros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Justiceiros:[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Eric Hobsbawm. Bandidos. Ed. Paz e Terra, 2010, ISBN: 9788577531196
Ícone de esboço Este artigo sobre direito é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.