Dalmo Dallari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Dalmo Dallari
Dalmo Dallari
Dados pessoais
Nascimento 31 de dezembro de 1931
Serra Negra, SP, Brasil
Morte 8 de abril de 2022 (90 anos)
São Paulo, SP, Brasil
Alma mater Universidade de São Paulo
Prêmio(s) Prêmio Juca Pato (1980)
Profissão professor e jurista

Dalmo de Abreu Dallari (Serra Negra, 31 de dezembro de 1931São Paulo, 8 de abril de 2022)[1] foi um professor universitário e jurista brasileiro.

Professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, pela qual se formou e da qual foi diretor, foi um prolífico escritor na área do direito. Entre suas obras destaca-se Elementos de Teoria Geral do Estado.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Dalmo nasceu na cidade paulista de Serra Negra, em 1931. Seu pai era descendente de italianos e era dono de uma sapataria. A família se mudou para a capital paulista em 1947 para que os filhos homens pudessem estudar. Dalmo cresceu ouvindo o pai explicar as matérias de jornal para o povo humilde do campo, que era analfabeto. Sua liderança política entre a população da cidade influenciou muito a vida de Dalmo. Seu tio morreu na Revolução de 1932.[2]

O hábito da leitura veio da mãe, que era uma leitora assídua e admirava autores como Castro Alves e Álvares de Azevedo. Dalmo terminou o então curso clássico em Serra Negra e já estava disposto a cursar direito quando se mudou para São Paulo. Formou-se em direito pela Universidade de São Paulo em 1957. Foi aprovado, em 1963, no concurso para livre-docente em teoria geral do estado na USP, e no ano seguinte passou a integrar o corpo docente dessa universidade.[1][2] Aposentou-se da USP em 2001.

Após o golpe de 1964, passou a fazer oposição ao regime militar. A partir de 1972, ajudou a organizar a Comissão Pontifícia de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, ativa na defesa dos direitos humanos.[1]

Em 1974, venceu o concurso de títulos e provas para professor titular de teoria geral do estado. Foi diretor da Faculdade de Direito da USP de 1986 até 1990. Na sua gestão foi iniciada a construção do prédio anexo da Faculdade.[1]

Foi secretário dos Negócios Jurídicos da prefeitura de São Paulo de 1990 a 1992, na gestão da prefeita Luiza Erundina.[1]

Em 1996 tornou-se professor catedrático da UNESCO na cadeira de Educação para a Paz, Direitos Humanos e Democracia e Tolerância, criada na Universidade de São Paulo,[3] tendo participado de seu primeiro Congresso em 1998.

Em 2001, publicou obra pioneira acerca de perspectivas do Estado para o futuro, O Futuro do Estado, em que trata do conceito de Estado mundial, do mundo sem Estados, dos chamados Super-Estados e dos múltiplos Estados do Bem-Estar.

Morte[editar | editar código-fonte]

Dalmo morreu em 8 de abril de 2022, aos 90 anos, na capital paulista, por insuficiência respiratória.[4][5] Deixou esposa (Sueli Gandolfi Dallari, também jurista e professora na Faculdade de Saúde Pública),[6] 7 filhos, 13 netos e 2 bisnetos.[4][5] Do seu primeiro casamento, foi pai de Maria Paula Dallari Bucci e Pedro Dallari, também professores na USP.[4]

Artigos e obras[editar | editar código-fonte]

  • O município brasileiro. São Paulo: s.c.p., 1961.
  • Da atualização do Estado. São Paulo: s.c.p., 1963.
  • Elementos de teoria geral do Estado. 14ª ed. São Paulo: Saraiva, 1989.
  • O renascer do direito: direito e vida social; aplicação do direito, direito e política. São Paulo: José Bushatsky, 1976.
  • O pequeno exército paulista. São Paulo: Perspectiva, 1977.
  • O futuro do Estado. São Paulo: Moderna, 1980.
  • Que são direitos da pessoa. São Paulo: Brasiliense, 1981.
  • Que é participação política. São Paulo: Brasiliense, 1981.
  • Constituição e Constituinte. São Paulo: Saraiva, 1982.
  • O direito da criança ao respeito. São Paulo: Summus, 1986.
  • O Estado Federal. São Paulo: Ática, 1986.
  • Direito ambiental. Revista Politécnica. São Paulo, n. 204-205, jan./jun. 1992. p. 23-24.
  • A participação popular e suas conquistas. In: Cidadão constituinte: a saga das emendas populares. Coord. Carlos Michiles et al. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989. p. 378-388.
  • O Poder Judiciário e a filosofia jurídica na nova Constituição. In: Poder Judiciário e a nova Constituição. São Paulo: Lex, 1990. p. 9-23.
  • Direitos Humanos e Cidadania
  • O poder dos juízes, ed. Saraiva
  • Os Direitos da Mulher e da Cidadã por Olímpia de Gouges, ISBN-10: 8547210792 ISBN-13: 978-8547210793

Referências

  1. a b c d e «Dalmo de Abreu Dallari». Universidade de São Paulo. Consultado em 20 de abril de 2017 
  2. a b Circe Bonatelli (ed.). «O guia vivo dos direitos humanos». Espaço Aberto USP. Consultado em 9 de dezembro de 2014 
  3. UNESCO, International University Cooperation[ligação inativa]
  4. a b c «Jurista Dalmo Dallari morre em São Paulo aos 90 anos». G1. Consultado em 6 de abril de 2022 
  5. a b «Morre Dalmo de Abreu Dallari, aos 90 anos». JOTA Info. 8 de abril de 2022. Consultado em 11 de abril de 2022 
  6. «O Novo Diretor da Faculdade de Direito: Professor Doutor Dalmo de Abreu Dallari». Consultado em 6 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dalmo Dallari
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.