Paulo Roberto Nunes Guedes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Paulo Guedes redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Paulo Guedes (desambiguação).
Paulo Guedes
Paulo Guedes em 2018.
Nome completo Paulo Roberto Nunes Guedes
Nascimento 24 de agosto de 1949 (69 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Alma mater Universidade de Chicago
Ocupação Economista
Influências
Principais trabalhos

Paulo Roberto Nunes Guedes (Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1949) é um economista brasileiro. Mestre pela Universidade de Chicago, onde foi diplomado Ph.D. Atuou como professor na PUC-Rio, FGV, entre outros. É um dos fundadores do Banco Pactual, além de ter fundado e dirigido fundos de investimentos e empresas. Foi colunista dos jornais O Globo e Folha de S. Paulo e das revistas Época e Exame, além de ter sido um dos fundadores do Instituto Millenium, onde escreve regularmente.

Foi anunciado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para o Ministério da Economia, a ser criado com a fusão dos ministérios da Fazenda, do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.[1] Dentre seus posicionamentos políticos destacam-se a redução dos impostos, através de uma reforma tributária.

Carreira

Nascido no Rio de Janeiro, Paulo Guedes é filho de uma servidora do Instituto de Resseguros do Brasil e de um vendedor de material escolar, aposentados, e possui um irmão caçula, Gustavo Henrique Nunes Guedes.[2] Graduou-se na Faculdade de Economia da Universidade Federal de Minas Gerais e realizou mestrado na Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Em 1974, ingressou no Departamento de Economia da Universidade de Chicago, com auxílio de bolsa do CNPQ.[3] Por não ter tido sua pós-graduação brasileira reconhecida, obteve novo mestrado antes de ingressar no programa de doutoramento, concluído em 1978, numa instituição referência do pensamento econômico liberal.[4][5][3][6]

Também atuou como docente em regime parcial[3][7] na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), na FGV e no Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) no Rio de Janeiro. Durante a ditadura militar chilena, aceitou um cadeira de docência em tempo integral Universidade do Chile,[3][7] então sob intervenção militar.[2]

Foi diretor-técnico, sócio e docente do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC) na década de 1980, onde atuou por 16 anos.[8][9]

Em 1983, foi um dos quatro fundadores do Banco Pactual, onde atuou como chefe executivo e chefe estrategista.[9]

Foi sócio-fundador e diretor executivo da JGP Gestão de Recursos, onde era um dos responsáveis pela supervisão da gestão do Fundo JGP Hedge e pela estratégia das operações. Também tornou-se membro do conselho diretor da PDG Realty S.A Empreendimentos e Participações, da Abril Educação S.A. e da Localiza Rent a Car S.A.[10]

Foi um dos fundadores do think tank brasileiro Instituto Millenium, também foi sócio-fundador do grupo financeiro BR Investimentos, que se tornaria parte da Bozano Investimento.

Foi colunista dos jornais O Globo e Folha de S. Paulo e das revistas Época e Exame, abordando temas ligados ao mercado de capitais e gestão de recursos. Atualmente, publica regularmente artigos no site do Instituto Millenium.[9][11]

Política

Em novembro de 2017, Guedes foi anunciado pelo pré-candidato a Presidência da República Jair Bolsonaro como sua escolha para Ministro da Fazenda num eventual governo. O nome do economista foi bem recebido por parcela da mídia bem como por investidores e banqueiros por conta de seus posicionamentos liberais, com o índice da Bolsa de Valores tendo subido na ocasião do anúncio, embora o anúncio tenha sido visto também por parte da mídia e dos críticos do político como um subterfúgio do pré-candidato para contornar a imagem que tem de anti-liberal por conta de seu histórico de posicionamentos. O economista jamais foi filiado a partido político e a sua única atuação na política foi quando participou da elaboração do plano de governo do ex-ministro Guilherme Afif Domingos durante a campanha presidencial de 1989.[12][13][14][15][16][17]

Irregularidades

Em 2 de outubro de 2018, o Ministério Público Federal decidiu iniciar uma investigação, sob a alegação de que Guedes teria cometido irregulares na gestão de fundos de investimentos que receberam aportes de fundos de pensão de empresas estatais brasileiras investigadas pela Operação Greenfield.[18][19] Guedes nega as acusações e diz que a denúncia foi feita para confundir eleitor.[20]

Posicionamentos

O economista, de posições liberais no campo econômico, tem sido defensor da privatização das estatais brasileiras, da reforma tributária e da reforma da previdência. Defende isenção do IRPF para quem tem renda de até cinco salários mínimos e uma alíquota única de 20 por cento no Imposto de Renda Pessoa Física (IR) gerando redução deste imposto para as faixas que tem maior renda.[21][22][23]

Defende também a defesa de uma menor taxação sob os lucros de empresas (IRPJ e CSLL). Atualmente, é cobrado 34% (25% de IRPJ + 9% de CSLL). A ideia é reduzir de 34% para 15% e cobrar 15% sob as retiradas de lucro dos sócios para que assim as empresas tenham menos oneração e os empresários optem mais pelo reinvestimento em suas empresas.

Outra ideia é a substituição tributária do PIS, COFINS, IPI, IOF e outros, que somados em média representam entre 30 e 40 por cento nos produtos industrializados, por um imposto único em torno de 0,5% aplicado sob as movimentações financeiras.[24]

Além disso, em sua coluna no jornal O Globo, Guedes tem sido crítico da política brasileira atual e tem destacado a Operação Lava Jato como referência no combate a corrupção.[25][26]

Referências

  1. Ministério da Economia unificará Fazenda, Planejamento e Indústria
  2. a b Gaspar, Malu (setembro de 2018). «O fiador». revista piauí. Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  3. a b c d Mena, Fernanda (9 de outubro de 2018). «Economista de Bolsonaro, Paulo Guedes viveu mudança radical em Chicago». Folha de S.Paulo: A26. Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  4. «Nobel Laureates». The University of Chicago (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  5. Nasar, Sylvia (4 de novembro de 1993). «Nobels Pile Up for Chicago, but Is the Glory Gone?». The New York Times (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  6. DOE-RJ (31 de março de 2014). «BR Investimentos LTDA» 
  7. a b Oliveira, Joana (9 de outubro de 2018). «Plano econômico de Paulo Guedes, guru de Bolsonaro, depende de uma 'bala de prata' para funcionar». El País. Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  8. «Capítulo 10 – Depoimento de Paulo Guedes» (PDF). p. 99 
  9. a b c «Comunicado da Administração para a AGO de 08/04/2008». Localiza. Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  10. «Executive profile - Company Overview of Bozano Investimentos Gestão de Recursos Ltda» (em inglês). bloomberg.com. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  11. «Paulo Guedes - Instituto Millenium». institutomillenium.org.br. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  12. «Paulo Guedes, o liberal do militar». veja.abril.com.br. 2 de dezembro de 2017 
  13. Estadão Conteúdo (12 de fevereiro de 2018). «Economista propõe Plano Liberal para Bolsonaro». epocanegocios.globo.com. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  14. Bloomberg (2 de abril de 2018). «"Chicago Boy" ajuda a acalmar banqueiros receosos com Jair Bolsonaro». infomoney.com.br. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  15. Caleiro, João Pedro (30 de janeiro de 2018). «Paulo Guedes critica "patrulhamento" por conversar com Bolsonaro». exame.com.br 
  16. Scalzaretto, Natália (27 de novembro de 2017). «Bolsonaro diz que negocia com Paulo Guedes para economista ser ministro da Fazenda em eventual governo». Reuters BR. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  17. Fraga, Domingos (27 de novembro de 2017). «Bolsa sobe com anúncio de Paulo Guedes para Ministro da Fazenda de Bolsonaro». noticias.r7.com 
  18. «MPF apura se economista da campanha de Bolsonaro cometeu irregularidades na gestão de fundos de investimento». G1. 10 de outubro de 2018. Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  19. Brooks, Brad; Brito, Ricardo (15 de outubro de 2018). «Economic guru for Brazil's presidential front-runner faces fraud probe». Reuters (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2018. 
  20. Fabrini, Fábio (10 de Outubro de 2018). «Paulo Guedes nega fraudes e diz que investigação é para confundir eleitor». Folha de S. Paulo. Consultado em 11 de outubro de 2018. 
  21. https://oglobo.globo.com/brasil/proposta-sobre-imposto-gera-crise-na-campanha-de-bolsonaro-23084510
  22. «Mudança no imposto de renda que planeja economista de Bolsonaro pode agravar a desigualdade e a crise». El País. Consultado em 26 de outubro de 2018. 
  23. «Bolsonaro defende isenção de IR para até 5 salários mínimos e diz que não fará indicações políticas em ministérios». G1 
  24. «Paulo Guedes nega proposta de 'nova CPMF', mas estuda tributação única sobre transações financeiras». O Globo. 19 de setembro de 2018 
  25. Rizério, Lara (26 de novembro de 2017). «Quem é Paulo Guedes, o possível ministro da Fazenda se Bolsonaro for presidente». infomoney.com.br. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  26. Pierry, Flávia (26 de fevereiro de 2018). «'Privatiza tudo': Quem é e o que pensa o 'guru' de Bolsonaro para a economia». Brasília: Gazeta do Povo 

Ligações externas