Luiz Fernando Faria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Luiz Fernando Ramos Faria (Santos Dumont, 12 de setembro de 1957) é um político e engenheiro brasileiro, filiado ao Partido Progressista (PP). É deputado federal pelo estado de Minas Gerais. É vice-presidente Nacional do Partido Progressista e vice-presidente Estadual em Minas Gerais do Partido Progressista, integra a diretoria da Fundação Milton Campos para Pesquisas e Estudos Políticos e é Coordenador da Bancada Federal Mineira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 26 anos assumiu a presidência do Grupo São Luiz, empresa de sua família. Presidiu por 10 anos o Sindicato Rural de Santos Dumont, acumulando experiência principalmente no setor agropecuário e da classe dos trabalhadores rurais. Em 1994 candidatou-se a deputado estadual, buscando representar a classe agropecuária e os pequenos e médios municípios. Em 1998 foi reeleito com mais de 47 mil votos, sendo o 15º deputado estadual mais votado de Minas Gerais. Foi relator da CPI do Preço do Leite, na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, cujo relatório ajudou a quebrar cartel no setor. Em 2002 foi reeleito para seu terceiro mandato, com uma votação acima dos 65 mil votos.

Em 2006, candidatou-se a deputado federal, foi eleito com 88.610 mil votos.

Na Câmara dos Deputados, foi vice-líder da Bancada do Partido Progressista, presidiu a Comissão de Minas e Energia. Relator do PL 5939/2009, que criou a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Administração de Petróleo e Gás Natural S.A. - Pré-Sal Petróleo S/A, criada para administrar a exploração de petróleo e gás natural na camada pré sal. Foi Vice-presidente da área de Mineração da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Infraestrutura Nacional.

Em 2010 foi reeleito deputado federal, obtendo 105.413 votos. Assumiu novamente em 2011 a Presidência da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. Integrante da Subcomissão Permanente do Marco Regulatório da Mineração no Brasil e membro da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público.

Foi reeleito para o seu terceiro mandato de deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019), com 117.542 votos, pelo Partido Progressista. Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[1] Posteriormente, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[1] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[1] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então Presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[1][2]

Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Lava Jato

De acordo com a Polícia Federal, os deputados José Otávio Germano (PP-RS) e Luiz Fernando Ramos Farias (PP-MG) agiram em favor da contratação empresa Fidens Engenharia para atuar em obras do Comperj, no Rio de Janeiro, e da Refinaria Premium I, no Maranhão, da Petrobras. Para viabilizar a contratação da companhia pela estatal, os parlamentares pagaram propina de R$ 200.000 em espécie no hotel Fasano, no Rio de Janeiro, para Paulo Roberto Costa, então diretor de abastecimento da Petrobras e delator do escândalo do Petrolão.[3]

Em 30 de março de 2016 foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) pelos crimes de corrupção passiva e ocultação de bens no âmbito da Operação Lava Jato.[4]

Em decisão do STF em abril de 2018, Luiz Fernando Faria foi absolvido das acusações por falta de provas. [5]

Por unanimidade, Supremo Tribunal Federal rejeitou denúncia da PGR, inocentando os parlamentares Luiz Fernando Faria e José Otávio Germano das acusações.[6]

Referências

  1. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  2. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  3. Thiago Bronzatto (20 de agosto de 2015). «PF fecha cerco a deputados do PP na Lava Jato em primeiro relatório enviado ao STF». Exame. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  4. Carolina Oms e Leticia Casado (30 de março de 2016). «MPF denuncia sete políticos do PP por corrupção na Lava-Jato». Valor Econômico. Consultado em 31 de março de 2016 
  5. Calgaro, Fernanda (14 de abril de 2018). «STF rejeita denúncia contra deputados José Otávio Germano e Luiz Fernando Faria». Globo - Portal G1. Consultado em 18 de junho de 2018 
  6. «Por unanimidade, STF rejeita denúncia contra deputados do PP na Lava Jato». Congresso em Foco. 17 de abril de 2018. Consultado em 18 de junho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]