Domingos Neto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Domingos Neto
Deputado federal do Ceará
Período 1 de fevereiro de 2011
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 29 de abril de 1988 (32 anos)
Fortaleza, Ceará
Prêmio(s) Medalha do Pacificador[1]
Partido PSB (2009-2013)
PROS (2013-2015)
PMB (2015-2016)
PSD (2016-presente)
Profissão Advogado

Domingos Gomes de Aguiar Neto (Fortaleza, 29 de abril de 1988) é um advogado e político brasileiro, atualmente deputado federal pelo Ceará.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Domingos Neto é filho do ex-vice-governador cearense Domingos Gomes de Aguiar Filho e da ex-prefeita de Tauá Patrícia Aguiar. Estudou o Ensino Fundamental no Colégio Militar de Fortaleza e também estudou no exterior (English School, Tecumesh High School, EUA; Business English, Eurocentres, London). Em 2015, se tornou Bacharel em Direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor), a tradicional profissão de sua família. Desde 2016, passou a estudar Mestrado em Administração Pública pela Escola de Administração de Brasília do Instituto de Direito Público (IDP) de Brasília.[2]

Foi filiado ao PSB de 2009 até 2013. Filiado ao PROS de 2013-2015, foi presidente do PROS Jovem e líder do partido na Câmara dos Deputados, presidente de duas comissões parlamentares.

Pelo PSB, concorreu pela primeira vez com apenas 22 anos para o cargo de deputado federal em 2010 e conseguiu ser o mais votado do Ceará e o 16º mais votado do Brasil ao obter 246.591 votos[3]. Em 2014, foi reeleito deputado federal pelo PROS com 185.226 votos, sendo o 4º mais votado do seu estado[4].

Entre 2013 e 2014, se licenciou do cargo de deputado para assumir a Secretaria Extraordinária da Copa da Prefeitura Municipal de Fortaleza após convite do prefeito Roberto Cláudio.[5]

Em novembro de 2015, ingressou no Partido da Mulher Brasileira (PMB).[6] Foi líder da bancada na Câmara dos Deputados.

Em março de 2016, anunciou seu ingresso no Partido Social Democrático (PSD).[7]

Em 17 de abril de 2016, Domingos Neto votou contra a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[8]

Foi favorável à PEC do Teto dos Gastos Públicos.[9] Em abril de 2017 votou a favor da Reforma Trabalhista.[9][10] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[9][11]. Em 2019, foi relator da Lei Orçamentária Anual, que aumentou em R$ 32 bilhões as despesas discricionárias para gastos com saúde, educação, infraestrutura e outras áreas. Também propôs o aumento do fundo eleitoral para R$ 2 bilhões. Os recursos excedentes viriam de uma reestimativa de lucro das estatais[12].

Referências

  1. «Boletim do Exército do Brasil de julho de 2019». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  2. «Conheça os Deputados». Consultado em 9 de março de 2017 
  3. «Eleições 2010 - Apuração: Acompanhe voto a voto - R7». noticias.r7.com. Consultado em 9 de março de 2017. Arquivado do original em 23 de abril de 2016 
  4. «Senador e deputados federais/estaduais eleitos: Apuração e resultado das Eleições 2014 CE (Fonte: TSE) - UOL Eleições 2014». UOL Eleições 2014. Consultado em 9 de março de 2017 
  5. «Perfil do Deputado - Domingos Neto - Deputado Federal». Domingos Neto - Deputado Federal. Consultado em 9 de março de 2017. Arquivado do original em 12 de março de 2017 
  6. «Domingos Neto assumirá diretório estadual do Partido da Mulher Brasileira». Consultado em 17 de novembro de 2015 
  7. «Líder do PROS leva bancada para o PHS». Consultado em 3 de março de 2016 
  8. «Deputados autorizam impeachment de Dilma, saiba quem votou a favor e contra». EBC. 17 de abril de 2016. Consultado em 5 de maio de 2016 
  9. a b c G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  10. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  11. Deutsche Welle; Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  12. «'Gordura' incluída por relator abriu brecha para aumento do fundo eleitoral - Política». Estadão. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]