Arthur do Val

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Arthur do Val
Deputado Estadual de São Paulo
Período 15 de março de 2019
até 20 de abril de 2022
Dados pessoais
Nascimento 21 de agosto de 1986 (35 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Partido DEM (2018–2019)
Patriota (2020–2022)
PODE (2022)
UNIÃO (2022–presente)
Ocupação youtuber e político

Arthur Moledo do Val (São Paulo, 21 de agosto de 1986)[1] é um youtuber, empresário e ex-político brasileiro,[2][3] filiado ao União Brasil (UNIÃO),[4] ex-ativista do Movimento Brasil Livre[5] e ex-deputado estadual de São Paulo, tendo sido eleito pelo Democratas (DEM) e exercido o cargo de 2019 a 2022, quando renunciou.

Arthur se autodeclara um defensor de ideias liberais e usa de seu canal do YouTube MamãeFalei para difundir tal ideologia entre seus seguidores, ocupando relevante espaço na direita liberal[6][7] do país. Em abril de 2022, o canal contava com 2,7 milhões de inscritos.[8]

Foi eleito deputado estadual nas eleições gerais de 2018 como o segundo mais votado, com 478 mil votos, ficando apenas atrás de Janaina Paschoal.[9] Inicialmente apoiou o político de direita e então presidente do Brasil Jair Bolsonaro, mas em meados de 2019 retirou seu apoio e adotou posturas mais duras contra Bolsonaro.[10][11] Foi candidato à prefeitura da cidade de São Paulo pelo Patriota em 2020 e terminando a eleição (primeiro turno) em quinto lugar com uma soma de 522 mil votos.

Em 2022, lançou-se como pré-candidato ao governo de São Paulo pelo Podemos, mas desistiu da candidatura e se desfiliou do partido após o vazamento de áudios de sua autoria sobre refugiadas ucranianas durante a invasão russa. No dia 20 de abril, renunciou ao cargo de deputado estadual após o Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo aprovar, por unanimidade, a abertura de processo por quebra de decoro parlamentar.[12] Em 17 de maio, o plenário da Assembleia Legislativa decidiu pela cassação do mandato, tornando Arthur do Val inelegível por oito anos.[13] No mesmo ano, foi convidado pela produção da RecordTV para participar da próxima edição do reality show A Fazenda.[14]


Biografia[editar | editar código-fonte]

Arthur é o mais velho de três filhos homens do casal Manoel Costa do Val Filho e Elza Moledo de Souza, divorciados desde 2003.[15] Seu pai tem uma empresa de sucata de aço em Guarulhos aberta na época em que Arthur nasceu, e onde trabalhou antes de se tornar youtuber.[16] Frequentou a faculdade de Engenharia Química no Instituto Mauá de Tecnologia[1] mas não se formou.[17]

No final do ano de 2015, Arthur criou um canal no YouTube chamado "Mamãe Falei" para expor suas ideias e vídeos que fazia na rua. O canal alcançou notoriedade rapidamente.[1] Segundo Arthur, o YouTube reúne usuários dispostos a gastar tempo assistindo a vídeos longos — os dele costumam ter até dez minutos —, o que, em tese, favorece a construção de narrativas mais elaboradas sobre a atualidade política.[17] Segundo diz, o seu estilo polêmico o ajudou a projetá-lo, mas hoje o atrapalha, pois prejudica a imagem de seriedade que quer criar, além de comprometer a receita que poderia fazer com seu conteúdo no YouTube. Os seus primeiros vídeos traziam considerações de inspiração liberal sobre impostos, multas e direitos trabalhistas.[17]

Entre junho e julho de 2016, Arthur conheceu os coordenadores do MBL, passando a produzir conteúdos relacionados à ideologia do grupo.[18]

No mesmo período, aconteciam manifestações a favor da permanência no cargo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como Ministro da Casa Civil.[19] Arthur aproveitou a oportunidade para pôr em pauta um dos principais pontos de seu trabalho: a crítica à militância política cega. O vídeo foi bem recebido pelo público e foi o ponto de partida para sua carreira ativista.[20] O formato de vídeos em que ele ia a manifestações políticas (sobretudo de esquerda) e questionava manifestantes sobre pautas defendidas, na tentativa de expor incoerências, trouxe crescimento ao canal.[21] O canal alcançou notoriedade rapidamente, se associando a grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL) e, juntamente com o movimento, recebendo o Prêmio Boletim da Liberdade, do jornal homônimo, em 2017; internautas assinantes do jornal participaram da eleição dos vencedores.[22]

Em 19 de novembro de 2019, foi expulso do partido Democratas. De acordo com o diretório estadual da sigla, a decisão foi tomada por unanimidade pela Comissão Executiva Estadual que considerou os atos do parlamentar incompatíveis com as deliberações do partido.[23] Posteriormente em fevereiro de 2020, filiou-se ao Patriota.[24]

Em setembro de 2020, o The Intercept divulgou áudios nos quais Arthur teria feito falsas acusações para retirar um desafeto político do programa Pânico, da rádio Jovem Pan. Nas mensagens, ele afirma que inventou que Felipe Ferreira, ex-militante do Movimento Brasil Livre (MBL),[25] foi o responsável por um ataque à sede do MBL ocorrido em 2016.[26] Arthur também pediu para que se troque um dos participantes por André Marinho, filho do empresário carioca Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro no Senado e imitador do presidente.[25] Em um vídeo publicado em seu canal Mamãefalei, Arthur disse que Felipe Ferreira "é meu amigo hoje", e afirmou que ambos sabem quem ordenou os ataques. Arthur também disse que o fato não foi inventado, mostrando imagens dos ataques no vídeo e declarando que foi feito um boletim de ocorrência.[27]:0:16—0:56

Candidato a prefeito de São Paulo[editar | editar código-fonte]

A candidatura à prefeitura da cidade de São Paulo de Arthur foi oficializada em 7 de setembro de 2020.[28] Participou de protestos[29][30] e focou em suas redes sociais.[31] No dia 15 de novembro, data da votação do 1° turno, Arthur terminou na quinta colocação entre os candidatos, com 522 210 votos. O resultado, entretanto, não fez com que conseguisse ir ao segundo turno, encerrando assim sua campanha.[32]

Pré-candidatura ao governo de SP[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2022, Arthur do Val se filiou ao Podemos, que pretendia lançar sua candidatura ao governo de São Paulo.[33] Contudo, após o vazamento de seus áudios sexistas sobre ucranianas, retirou a candidatura no dia 5 de março de 2022.[34] Pediu a desfiliação do Podemos no dia 8 de março de 2022.[35]

Advertências[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2019, integrantes do Conselho de Ética votaram por cinco votos a dois pela aplicação de advertência a Arthur do Val, a denúncia apresentada foi em função de uma fala dele em plenário utilizando uma palavra de baixo calão para se referir aos deputados presentes a uma sessão em plenário.[36]

Em fevereiro de 2022, o Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) decidiu advertir Arthur do Val por quebra de decoro parlamentar no processo em que um assessor parlamentar dele assinou o ponto sem trabalhar. O relator do caso – deputado Wellington Moura (Republicanos) – afirmou que o então chefe de gabinete Marcelo Aguiar de Castro estava no Chile no período de 11 a 14 de julho de 2019 para resolver problemas pessoais e, mesmo assim, assinou o ponto de trabalho como se tivesse prestado serviço à Alesp.[37]

Viagem à fronteira da Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Fila de refugiados ucranianos a caminho da Russia (2022), em aúdio vazado, Arthur comenta que "Elas são fáceis, porque elas são pobres" e que "são gold diggers(…)" uma gíria do inglês para "mulheres interesseiras"[38]

Arthur do Val e Renan Santos gravaram um vídeo no aeroporto de Frankfurt viajando para a fronteira da Eslováquia com a Ucrânia para cobrir a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022. Também criticaram a neutralidade de Jair Bolsonaro e Lula perante a guerra.[39][40] A dupla foi criticada na internet, inclusive pelo Senador da República, Flávio Bolsonaro. Eles afirmaram ter pago a viagem de ida com o próprio dinheiro.[41] Em live, Arthur apareceu com dois voluntários de um movimento civil que oferece ajuda humanitária para os ucranianos e afirmou que já arrecadou R$ 115 mil para ajudar na guerra. De acordo com ele, parte do dinheiro será usado para comprar suprimentos que serão doados aos voluntários, e outra parte irá para o Exército da Ucrânia. Arthur afirmou já ter feito contato com o embaixador ucraniano na Eslováquia.[42]

Áudios misóginos sobre ucranianas[editar | editar código-fonte]

Em um furo jornalístico de Gustavo Zucchi, publicado no dia 4 de março pelo colunista do Metrópoles Igor Gadelha,[43] foram vazados áudios de Arthur, nos quais ele fez diversos comentários misóginos, dizendo, por exemplo, que ucranianas "são fáceis porque são pobres", e que a fila de refugiados teria mais mulheres bonitas do que a "melhor balada do Brasil". Arthur alega ainda que Renan Santos viajava pelos países europeus "só pra pegar loira".[44]

O fato foi amplamente noticiado em diversos jornais[45][46][47][48] e teve repercussão internacional.[49] Diversos políticos pediram a cassação do mandato de Arthur e repudiaram o ocorrido.[50][51][52][53] Deputados da Alesp disseram que acionariam o Conselho de Ética.[54][55] No dia seguinte, Arthur do Val confirmou a autoria dos áudios, dizendo que estava errado, que aquele não era seu pensamento e que sua fala "foi um erro, em momento de empolgação".[56][57] Logo depois, publicou em seu canal um pedido de desculpas,[58][59] e anunciou que estaria retirando sua candidatura ao governo de São Paulo.[34] Seu partido, o Podemos, abriu procedimento disciplinar interno para apurar as falas.[60] Em entrevista para a Folha de São Paulo, Arthur disse que decidiu se afastar do MBL.[61] No dia 8 de março de 2022, desfiliou-se do Podemos[62] e declarou, em carta dirigida à Assembleia Legislativa de São Paulo, que não se candidataria à reeleição para deputado estadual.[63]

Violação de direito internacional[editar | editar código-fonte]

Arthur pode ter de responder por produzir armas incendiárias e interferir num conflito fora do Brasil. Os deputados Emídio de Souza e Paulo Fiorilo acionaram o MP para investigar se Arthur do Val teria violado normas de Direito Internacional ao dizer que fabricou coquetel molotov na Ucrânia. Os deputados afirmaram que há indícios de violação de convenções diplomáticas internacionais ratificadas pelo Brasil.[64] Para o advogado Tarciso Dal Maso, consultor legislativo do Senado para Relações Internacionais e Defesa, a fabricação de coquetéis molotov por parte de um parlamentar brasileiro configura uma violação do Protocolo 3 da Convenção de 1980 sobre Armas Convencionais da qual o Brasil é signatário. O advogado Leonardo Magalhães Avelar mencionou ainda um quarto tipo de questionamento jurídico: “trata-se da situação de um parlamentar brasileiro, um representante do Estado brasileiro, portanto, tomando posição ativa numa guerra contra a posição nacional já manifestada pelo país na Organização das Nações Unidas e eventuais outras instâncias diplomáticas”.[65]

Abertura de processo, renúncia e cassação[editar | editar código-fonte]

Em 18 de abril de 2022, o Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou, por unanimidade, a abertura de processo contra Arthur do Val por quebra de decoro parlamentar. Foram protocoladas vinte e uma representações pedindo a cassação de seu mandato em decorrência das frases sexistas contra refugiadas ucranianas.[66]

Dois dias depois, ele renunciou ao mandato de deputado estadual.[12]

Apesar da renúncia, o processo teve seguimento e foi decidido em 17 de maio pelo plenário da Assembleia Legislativa, que aprovou a aplicação da penalidade de perda de mandato a Arthur do Val, por unanimidade, tornando-o inelegível por oito anos.[67]

Abordagens e importunações[editar | editar código-fonte]

Arthur é notório por abordar personalidades e fazer comentários críticos em seu canal do YouTube. Algumas dessas abordagens geraram críticas e processos:

Importunação de menores de idade[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2016, Arthur foi ao "programa de entrevistas" Pânico no Rádio para justificar suas recentes ações em viagens pelo Paraná, estado que então protagonizava uma onda de ocupações nacional dos estudantes mobilizados contra a MP 746, PEC 55 (anteriormente 241) e também contra a lei da mordaça. Arthur e Renan Santos, um dos líderes do MBL, tentaram entrar no Colégio Estadual do Paraná. Esta tentativa acabou expondo adolescentes a situações vexatórias e degradantes e Arthur passou a ser investigado por atentado violento ao pudor pela Delegacia da Mulher daquela localidade. Na escada do colégio, Arthur tentou gravar um vídeo com uma estudante de 17 anos. Ela apresentou queixa na delegacia da Mulher alegando ter "sido violentada sexualmente".[68][69][70] Em 17 de junho de 2017, o MP arquivou o inquérito sob o argumento de falta de provas porque uma testemunha não foi localizada e outra disse que Arthur havia passado a mão na nádega, e não na cintura da vítima, configurando divergência entre os depoimentos. Após o arquivamento, Arthur do Val protocolou em 15 de maio de 2018, quando a vítima já era maior de idade, uma ação com pedido de indenização, cobrando da jovem o valor de 15 mil reais por falsa acusação de crime de estupro. O caso, no entanto, foi arquivado.[71]

Ciro Gomes[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2018, durante a gravação de um de seus vídeos no Fórum da Liberdade, Arthur abordou o então pré-candidato à presidência Ciro Gomes,[72][73][74] indagando-lhe sobre uma declaração em que o político teria dito que iria "receber a turma do Moro na bala"[75] (em referência ao ex-ministro da justiça Sergio Moro). Após isso ele foi agredido na cabeça com um tapa de Ciro; Arthur ironizou o ex-governador perguntando “Você acha que eu sou a Patrícia Pillar pra você bater?", Arthur continuou: “é um frouxo mesmo. Frouxo! Aí, o Ciro Gomes, me bateu na cabeça. Tá achando que cê tá no Nordeste ô Ciro, que cê é coronelzão lá?”. Thais Bilenky, escrevendo para o jornal Folha de S.Paulo, considerou que, no ato, Ciro teria "encostado" no pescoço do ativista, alegando não ser possível medir a intensidade do suposto tapa; Ciro comentou o acontecido à Folha dizendo "'Tu acha' que se eu tivesse batido não tinha uma marquinha não? Do jeito que eu sou? Eu falei 'deixa de ser um merda, rapaz' e saí de perto".[76]

Comentários sobre Padre Júlio Lancelloti[editar | editar código-fonte]

Em 1º de outubro de 2020, Arthur foi condenado pela Justiça Eleitoral por ataques ao padre Júlio Lancellotti após solicitação do Ministério Público Eleitoral. Foi constatado que Arthur "passou a produzir propaganda eleitoral antecipada e vedada em que, seguidamente, calunia, difama e injuria o Padre Júlio Renato Lancellotti, objetivando tornar-se mais conhecido do eleitorado, ao criar polêmica em relação à figura publica do referido padre". Arthur respondeu dizendo que "Ele [Júlio Lancelotti] é nocivo e minha proposta é totalmente diferente em relação à dele. Eles atacam minha pessoa, tentam me desqualificar mas, se você não pode fazer uma crítica política, aí é uma ditadura. Em nenhum momento da minha vida fiz ameaça ou incitação à violência e não incentivei outra pessoa a fazer contra o padre ou contra qualquer outra pessoa".[77]

Posições políticas[editar | editar código-fonte]

Arthur se considera liberal. Apoiou durante um tempo o aborto apenas em gestações que põem em risco a vida da mãe ou são o resultado de um estupro, casos em que a legislação brasileira atual permite às mulheres interromperem a gravidez. Mas posteriormente assumiu que cometeu erros de julgamento e informação, esclarecendo em um vídeo e desde então, não voltando a se posicionar sobre o assunto. Atualmente, seus pontos de vista têm sido criticados por setores da esquerda política devido ao seu posicionamento pró-capitalismo.[78] Ele também é a favor de privatizações e criticou o sistemas de cotas raciais, defendendo cotas sociais. Em 2015, ele assumiu abertamente ser a favor da pena de morte e da redução da maioridade penal com certas restrições.[79]

Posições políticas de Arthur Moledo do Val
Sim Revogação do Estatuto do Desarmamento[80] Sim Privatização[81] Sim Imprensa livre[82] Sim Fortalecimento Militar[82] Não Black blocs[83] Não Subsídios ao transporte público[carece de fontes?]
Sim Escola Sem Partido[82] Sim Reforma tributária[84] Sim Revogação das leis inúteis[82] Sim Liberdade religiosa[8] Não Reforma agrária[8] Não Ocupação de locais públicos e privados[85]
Sim Regularização da terceirização[86] Sim Reforma política[8] Sim Democracia[87] Não Intervenção militar[8] Não Cotas raciais[88] Não Regulamentação estatal[89]
Sim Projeto de cotas sociais[88] Sim Legalização da maconha[90] Sim PEC 241[8] Não CLT e FGTS[89] Não Aumento salarial de parlamentares[91] Não Meia-entrada para estudantes[92]

Atuação política[editar | editar código-fonte]

Projetos de lei[editar | editar código-fonte]

Entre seus projetos de lei, estão:

Membro de comissões[editar | editar código-fonte]

  • CPI - Fake News - Eleições 2018, comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Ato 06/2020, do Presidente da Assembleia, mediante Requerimento nº 290/2019, com a finalidade de "investigar os casos das Fake News (Notícias Falsas) que surgiram durante as eleições de 2018, no Estado de São Paulo";
  • CPI - Violência Sexual Contra Estudantes de Ensino Superior, comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Ato 03/2020, do Presidente da Assembleia, mediante Requerimento nº 287/2019, com a finalidade de "apurar denúncias de violência sexual praticada contra estudantes de instituições de ensino superior no Estado de São Paulo, no último ano".

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Partido Candidato a Votos Resultado
2018 Eleições Gerais no Brasil DEM Deputado estadual 478 280 Eleito
2020 Eleição Municipal de São Paulo Patriota Prefeito 522 210 Não Eleito

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Assembleia Legislativa de São Paulo - Arthur do Val» 
  2. «Kataguiri e Arthur do Val começam pré-campanha com partido quase definido». Boletim da Liberdade. 16 de março de 2018 
  3. «Arthur Mamãe Falei é eleito deputado estadual em São Paulo». HuffPost Brasil. 7 de outubro de 2018 
  4. «Arthur do Val se filia ao União Brasil menos de um mês depois de deixar o Podemos por escândalo de áudios vazados». G1. 29 de março de 2022. Consultado em 29 de março de 2022 
  5. «Arthur do Val anuncia saída do MBL: 'Não é justo que paguem por um erro meu'». O Globo. 8 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  6. Matheus Lara (15 de novembro de 2020). Estadão, ed. «Com 'lacração' à direita, Arthur do Val incendeia redes nas eleições». Consultado em 13 de outubro de 2021 
  7. Carolina Freitas - Valor (5 de outubro de 2020). O Globo, ed. «Arthur do Val aposta no digital para atrair bolsonaristas». Consultado em 13 de outubro de 2021 
  8. a b c d e f «Mamaefalei». YouTube. Consultado em 20 de abril de 2022 
  9. Leite, Fabio (8 de outubro de 2018). «Bolsonaristas batem recorde de votação na Câmara e Assembleia em SP». "... o mais votado em 2014, o ativista de direita Arthur do Val (DEM), conhecido como Mamãe , foi o segundo mais votado, com 470 mil votos.". O Estado de S. Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  10. Guilherme Caetano (7 de junho de 2021). O Globo, ed. «MBL deve puxar debandada do 'Patriotas' com chegada de Bolsonaro». Consultado em 13 de outubro de 2021 
  11. Redação CL (26 de outubro de 2020). Catraca Livre, ed. «Eleições 2020: o que você precisa saber sobre Arthur do Val». Consultado em 13 de outubro de 2021 
  12. a b G1 (20 de abril de 2022). G1.com, ed. «Arthur do Val renuncia ao cargo de deputado estadual após aprovar abertura de processo». Consultado em 20 de abril de 2022 
  13. «Arthur do Val é cassado por falas machistas e fica inelegível por 8 anos». Uol. 17 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022 
  14. «Arthur do Val, o Mamãe Falei, é convidado para 'A Fazenda', diz colunista». Isto É. 10 de agosto de 2022. Consultado em 10 de agosto de 2022 
  15. «1ª Instância - Capital do Diário de Justiça do Estado de São Paulo (DJSP)». Diário de Justiça do Estado de São Paulo. 13 de fevereiro de 2019. Consultado em 14 de abril de 2020 
  16. Franco, Marcella (6 de março de 2019). «'Moleque capeta', youtuber chega à Assembleia de SP como político-celebridade». São Paulo: Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de abril de 2020 
  17. a b c Bernardo, Esteves. «O algoritmo da ágora - A política dos extremos no YouTube». piauí. Consultado em 14 de abril de 2020 
  18. «Nomeação de Lula como ministro da Casa Civil gera protestos pelo país». 00h13min00seg. 17 de março de 2016 
  19. «Nomeação de Lula como ministro da Casa Civil gera protestos pelo país». Hora 1. 17 de março de 2016 
  20. «'Ou é guerra, ou é a política', diz Arthur do Val, do 'Mamãe Falei', ao defender que liberais lutem na política». Boletim da Liberdade. 7 de maio de 2017 
  21. Galbier, Francine (13 de novembro de 2017). «Em entrevista exclusiva, Arthur do Val anuncia candidatura a deputado estadual em 2018». O Diário Nacional. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  22. «MBL e Arthur do Val ganham o Prêmio Boletim da Liberdade 2017». Boletim da Liberdade. 15 de dezembro de 2017. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  23. «Deputado estadual Mamãe Falei é expulso do DEM». G1. Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  24. «Cúpula do MBL migra para Patriota, e Arthur do Val vai disputar Prefeitura de SP». Estado de Minas. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  25. a b Paulo Victor Ribeiro, Leandro Demori (28 de setembro de 2020). «'Eu inventei aqui'». The Intercept. Consultado em 28 de outubro de 2020 
  26. Hupsel Filho, Valmar (13 de dezembro de 2016). «Veículo do MBL é depredado na porta da sede». Estadão. Consultado em 28 de outubro de 2020 
  27. Mamãefalei (4 de outubro de 2020). Marcelo Tas, Vera Magalhães e Break Dance. Consultado em 28 de outubro de 2020 – via YouTube 
  28. Lara, Walace (7 de setembro de 2020). «Patriota oficializa candidatura de Arthur do Val à Prefeitura de São Paulo». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  29. «Arthur do Val faz protesto contra 'indústria da multa' ao lado de radar na Zona Sul de SP». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  30. Guedes, Phillipe (13 de novembro de 2020). «Arthur do Val diz que não pretende ampliar o programa 'Ruas Abertas' em SP para não tornar a cidade 'menos carrocrata'». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  31. Freitas, Carolina (5 de outubro de 2020). «Arthur do Val aposta no digital para atrair bolsonaristas». Valor Econômico. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  32. «Eleições municipais 2020: siga a apuração com os resultados em tempo real». BBC News Brasil. Consultado em 16 de novembro de 2020 . No campo "Cidade ou município", digitar "São Paulo, SP" e confirmar.
  33. «Podemos filia Arthur do Val para lançá-lo ao governo de SP e desagrada ala que queria apoio a Rodrigo Garcia». O Globo. 19 de janeiro de 2022. Consultado em 5 de março de 2022 
  34. a b «Após divulgação de áudios machistas, Arthur do Val retira candidatura ao governo de SP». O Globo. 5 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022 
  35. «Arthur do Val, o Mamãe Falei, pede a desfiliação ao Podemos». Metrópoles. 8 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  36. «Conselho de Ética da Assembleia». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 12 de abril de 2022 
  37. «Deputado Arthur do Val é advertido pelo Conselho de Ética da Alesp em caso de assessor que assinou ponto sem trabalhar». G1. 17 de fevereiro de 2022. Consultado em 12 de abril de 2022 
  38. «Áudios vazados de Arthur do Val: "Dá para limpar o c* das ucranianas com a língua"». Pragmatismo Político. 4 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  39. «Arthur do Val diz que irá para a Ucrânia acompanhar guerra». Poder 360. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 2 de março de 2022. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2022 
  40. Lucas Neiva (28 de fevereiro de 2022). «Deputado Arthur do Val viaja para Ucrânia para ver "in loco" conflito com a Rússia». Congresso em Foco. Consultado em 2 de março de 2022. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2022 
  41. João Perassolo, Artur Rodrigues (28 de fevereiro de 2022). «MBL se opõe a Bolsonaro, decide ir à Ucrânia e reforça guerra eleitoral». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de março de 2022. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2022 
  42. Mônica Bergamo (1 de março de 2022). «Arthur do Val diz que arrecadou R$ 115 mil para ajudar a Ucrânia». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de março de 2022. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2022 
  43. @igorgadelham (4 de março de 2022). «Furo do @gustzucchi» (Tweet). Consultado em 4 de março de 2022 – via Twitter 
  44. «Em áudio, Mamãe Falei diz que ucranianas "são fáceis, pois são pobres"». Metrópoles. 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022 
  45. «Em áudios, Arthur do Val diz que mulher ucraniana é 'fácil porque é pobre'». UOL. Consultado em 4 de março de 2022 
  46. «Mônica Bergamo: MBL analisa áudios atribuídos a Arthur do Val que dizem que ucranianas são fáceis porque são pobres; ouça». Folha de S.Paulo. 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022 
  47. Trindade, Naira. «Em meio à guerra, Mamãe Falei manda áudio sobre as mulheres da Ucrânia: '"são fáceis porque são pobres"; ouça os áudios». O Globo. Consultado em 5 de março de 2022 
  48. «"São fáceis porque são pobres", diz Mamãe Falei sobre ucranianas». IstoÉ Dinheiro. 4 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022 
  49. «Áudio sexista de Arthur do Val choca a imprensa internacional». Revista Veja. 6 de março de 2022. Consultado em 7 de março de 2022 
  50. «Ex-embaixatriz da Ucrânia pede cassação de Arthur do Val após áudio sexista». UOL Notícias. Consultado em 5 de março de 2022 
  51. «MBL analisa áudios atribuídos a Arthur do Val com comentários sexistas sobre mulheres ucranianas; Moro diz lamentar». G1. Consultado em 4 de março de 2022 
  52. Lucena, Leonardo (4 de março de 2022). «Boulos sobre Mamãe Falei: 'ir a um país em guerra para assediar mulheres desesperadas é nojento demais'». Brasil 247. Consultado em 5 de março de 2022 
  53. «Doria critica áudio de Mamãe Falei sobre ucranianas: "Vergonhoso"». Metrópoles. 5 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022 
  54. «Deputados do PT vão acionar Conselho de Ética da Alesp contra Arthur do Val por áudio sobre refugiadas». Estadão. Consultado em 5 de março de 2022 
  55. «Painel: Deputados de esquerda e direita vão acionar Conselho de Ética contra Arthur do Val». Folha de S.Paulo. 4 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022 
  56. «Arthur do Val reconhece áudios como dele: 'Tá errado o que eu falei, não é isso que eu penso, o que falei foi um erro, em momento de empolgação'». G1. Consultado em 5 de março de 2022 
  57. «"Erro em um momento de empolgação", diz Arthur do Val sobre áudios sexistas». UOL Notícias. Consultado em 5 de março de 2022 
  58. «'Fui um moleque', diz Arthur do Val do áudio sobre ucranianas». R7.com. 5 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022 
  59. Mamaefalei. «Pedido De Desculpas». Consultado em 5 de março de 2022 
  60. «Podemos abre procedimento disciplinar contra deputado Arthur do Val». Agência Brasil. 5 de março de 2022. Consultado em 7 de março de 2022 
  61. «Arthur do Val decide se afastar do MBL, se diz chateado com Moro e vê cassação como exagero». Folha de S.Paulo. 7 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022. Cópia arquivada em 3 de junho de 2022 
  62. «Podemos desfilia Arthur do Val, que anuncia saída do MBL». CNN. 8 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  63. «Em carta a colegas da Alesp, Arthur do Val diz que não vai concorrer a novo mandato como deputado». G1. 8 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  64. Rodrigues, Rodrigo (10 de março de 2022). «Deputados acionam MP para investigar se Arthur do Val violou direito internacional ao dizer que fabricou coquetel molotov na Ucrânia». G1. Consultado em 10 de março de 2022 
  65. Mendonça, Ricardo (9 de março de 2022). «Arthur do Val violou direito internacional ao fazer coquetel molotov na Ucrânia». Valor Econômico. Consultado em 10 de março de 2022 
  66. «Conselho de Ética da Alesp aprova por unanimidade abertura de processo que pode gerar cassação de Arthur do Val». G1. 18 de abril de 2022. Consultado em 20 de abril de 2022 
  67. «Alesp aprova cassação de Arthur do Val, que perde os direitos políticos por oito anos; é o 1º mandato cassado em 23 anos». G1. 17 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022 
  68. «'Jamais encostei', diz Arthur do Val sobre jovem que o denunciou no Paraná». noticias.uol.com.br. Consultado em 10 de março de 2022 
  69. «MBL ataca secundaristas com machismo e abusos». Jornalistas Livres. 28 de outubro de 2018. Consultado em 4 de março de 2022 
  70. Lemos, Nina (14 de setembro de 2021). «Piada com estupro e assédios: machismo sempre fez parte do DNA do MBL». UOL. Consultado em 4 de março de 2022 
  71. «'Sempre soube quem ele é', diz jovem que denunciou Arthur do Val no Paraná». UOL Notícias. 8 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  72. Rodrigues, Renato (10 de abril de 2018). «Ciro Gomes agride repórter ativista». Papo TV. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  73. Galbier, Francine (9 de abril de 2018). «Ciro Gomes agride Arthur do "Mamãe Falei"». O Diário Nacional. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  74. «Ciro Gomes agride homem que o questiona sobre sua ameaça de receber a bala 'a turma de Moro'». AM News. 11 de junho de 2018. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  75. Fernandes, Leticia (26 de março de 2017). «Ciro Gomes diz que, se Moro tentar prendê-lo, receberá 'turma' do juiz 'na bala'». O Globo 
  76. Bilenky, Thais (9 de abril de 2018). «Ciro e blogueiro ligado ao MBL se desentendem em fórum». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  77. «Arthur do Val é condenado pela Justiça Eleitoral após atacar padre Júlio Lancellotti». Brasil de Fato. Consultado em 26 de outubro de 2020 
  78. «Catraca Livre sobre MamãeFalei». site do CatracaLivre. Consultado em 11 de junho de 2018 
  79. Mamaefalei (3 de julho de 2015), Maioridade Penal - Pena de Morte, consultado em 4 de julho de 2018 
  80. Moledo do Val, Arthur (11 de junho de 2016). «Desarmamento Civil». mamaefalei. Consultado em 6 de junho de 2018 
  81. «Governo usará receita de privatizações para atingir meta de superávit». Estado de São Paulo. 13 de junho de 2013. Consultado em 13 de junho de 2013 
  82. a b c d «Moledo em candidatura.Apoia». Maio de 2018. Consultado em 11 de junho de 2018 
  83. «Manifestação - PEC - 13/12 - Paulista - Black Blocks Fiesp». YouTube. Consultado em 22 de outubro de 2017 
  84. «Moledo em candidatura.Apoia». Apoia. Maio de 2018. Consultado em 11 de junho de 2018 
  85. «Ocupação de Escola - PtI». YouTube. Consultado em 22 de outubro de 2017 
  86. «Terceirização». YouTube. Consultado em 19 de junho de 2018 
  87. «Final - Fórum Liberdade e Democracia - 22/10/2016». YouTube. Consultado em 22 de outubro de 2016 
  88. a b «Cotas em Universidades e suas falhas!». YouTube. Consultado em 22 de outubro de 2016 
  89. a b «FGTS é roubo!». YouTube. Consultado em 22 de outubro de 2017 
  90. «Maconha - Proibir é o caminho?». YouTube. Consultado em 29 de abril de 2019 
  91. «Aumento de Salários - ALESP - Deputados Estaduais e Servidores». YouTube. Consultado em 22 de outubro de 2017 
  92. a b «Deputados de São Paulo aprovam fim da meia-entrada». EXAME. 28 de outubro de 2021. Consultado em 10 de março de 2022 
  93. «Governo de SP veta projeto que acabava com meia-entrada». Veja São Paulo. 30 de outubro de 2021. Consultado em 10 de março de 2022