Manuel Abranches de Soveral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manuel Abranches de Soveral
Nascimento 1953 (66 anos)
Vila Nova de Gaia
Cidadania Portugal
Ocupação jornalista, escritor

Manuel Abranches de Soveral (Vila Nova de Gaia, Mafamude, 1953) é um escritor, investigador, jornalista, professor e editor português.

Formado em Direito e pós-graduado em Comunicação, jornalista profissional desde 1974[1], é director do Centro de Formação de Jornalistas do Porto desde 1993 e professor de Comunicação no Instituto Multimédia. Foi nomeadamente editor de Política e Economia e redactor-principal do jornal «O Comércio do Porto», onde trabalhou de 1978 a 1993, chefe de Redacção da revista «O Tripeiro» (1981-1984), e redactor e chefe da Delegação (Porto) do semanário «O Diabo» (1978-1980), mantendo ainda colaboração em vários jornais e revistas. Deu formação ao quadro redactorial e colaborou no lançamento do «Savana», o primeiro jornal privado de Moçambique (1993), numa iniciativa da Oikos.[2] Colabora na revista cultural «Nova Águia», lançada em 2008, cujo Conselho de Direcção integra.[3]

Investigador na área da História e Genealogia, com vasta obra publicada em livros e em revistas da especialidade, é sócio correspondente do Instituto Português de Heráldica. Tem-se também dedicado à edição e ao design gráfico, editando alguns livros, jornais e outros produtos de Comunicação.[4]

Em Outubro de 2008 publicou o seu primeiro romance, intitulado «a Praça».[5]

Participou no 2º Congresso dos Jornalistas Portugueses, em 1986, do qual saiu a decisão de criar no Porto um curso superior de Comunicação, projecto em que colaborou.[6]

Nos anos 80 tomou várias posições públicas em defesa da Regionalização do país, sendo nessa década fundador e director do Fórum Portucalense e durante alguns meses assessor de Imprensa do Gabinete Técnico para a Regionalização, tendo para o efeito sido requisitado ao jornal onde trabalhava pelo Ministério da Administração Interna.[7] Foi ainda director (1995-2001) da Real Associação do Porto e é membro do seu Conselho Consultivo.[8]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Além dos incontáveis artigos publicados na Imprensa e das obras de investigação editadas na NET, é autor das seguintes obras:

  • «CRISTÓVÃO MENDES DE CARVALHO História de um alto magistrado quinhentista e de sua família», in «Fragmenta Historica» – Revista do Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, nº 5, 2017, pág. 11 a 105;
  • «Nos 170 anos da Patuleia e nos 200 de Teixeira de Vasconcellos», 2016;
  • «Um caso setecentista de fraude e falsificação genealógica», 2016;
  • «História genealógica dos Correa Manoel de Aboim. Administradores da capela de S. Lourenço de Óbidos (1319), senhores do palácio dos Aboim (Lisboa), viscondes de Idanha e Vila Boim», 2014, Caminhos Romanos, ISBN 979-989-8379-38-2;
  • «Ferreira Pinto Brandão, de Paços de Ferreira, Cête e Mouriz - uma família de militares e padres» (inclui uma Reflexão sobre a origem dos Brandão), 2012;
  • «Reflexões sobre a origem dos Rocha, dos Aguiã, dos Calheiros e dos Jácome», 2011, in Revista «Raizes & Memórias», nº 29, Dezembro de 2012, 47 páginas (da 149 à 196);
  • «Ensaio sobre a origem dos Proença», 2010;
  • «a Praça», romance, Outubro de 2008, ISBN 978-972-97430-9-2;
  • «Ensaio sobre a origem dos Resende / Sodré», 2008. Separata da revista ««Armas e Troféus», IX série, Janeiro / Dezembro de 2008. 75 páginas. Em co-autoria com Manuel Lamas de Mendonça;
  • «Ensaio sobre a origem medieval dos Boto» - introdução ao livro «Donas-Boto de S. João da Pesqueira. Origens e novos ramos», 2005, de Albano Chaves, ISBN 972-97430-8-8;
  • «Os Furtado de Mendonça portugueses. Ensaio sobre a sua verdadeira origem». Porto 2004. Em co-autoria com Manuel Lamas de Mendonça, ISBN 972-97430-7-X;
  • «Ascendências Visienses. Ensaio genealógico sobre a nobreza de Viseu. Séculos XIV a XVII», Porto 2004, dois volumes, ISBN 972-97430-6-1;
  • «Machado de Vila Pouca de Aguiar». Porto 2000, ISBN 972-97430-2-9;
  • «Mello e Souza. Descendência legítima na comarca de Viseu», 1998. Separata da revista «Armas e Troféus», VIII série, Tomo II, Janeiro-Dezembro de 1998;
  • «Sangue Real». Porto 1998, ISBN 972-97430-1-0;
  • «Meirelles Barretto de Moraes, de Cête e Mouriz», in revista «Raizes & Memórias», nº 14, Outubro de 1998;
  • «Portocarreros do Palácio da Bandeirinha». Porto 1997, ISBN 972-97430-0-2;
  • «Estado de Coma. Correspondência aberta», Porto 1995. Em co-autoria com Diogo Pacheco de Amorim, João Afonso Machado e Rui Marrana;
  • «Quinta do Maravedi. Subsídios para a sua História». Gaia 1994;
  • «Porto Projecto Cidade Nova», Porto 1985. Edição da Câmara Municipal do Porto / GPU;
  • «Os Soveral Tavares. Subsídios para a sua Genealogia», Porto 1985, em co-autoria com Luís de Soveral Varella;
  • «António Augusto Teixeira de Vasconcellos. O Homem e a Obra». Estudo introdutório à reedição do romance «O Prato de Arroz Doce» pela colecção Cem Anos de Literatura em Língua Portuguesa. Civilização Editora, 1983;
  • «A descendência desconhecida de Cristóvão Soares de Albergaria, 3º morgado de Tonda», in revista «Beira Alta», Vol. XLI, Fasc. 2, 1982;
  • «Origens e desencontros do Jornalismo português», in revista «O Tripeiro», Março de 1982.

Referências