Batalhão de Operações Policiais Especiais (PMERJ)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalhão de Operações Policiais Especiais
Batalhão de Operações Policiais Especiais COMPLETO.svg
Brasão
País  Brasil
Estado  Rio de Janeiro
Corporação Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro
Subordinação Comando de Operações Especiais (COE)
Missão Operações Especiais
Sigla BOPE
Criação 19 de janeiro de 1978 (38 anos)
Aniversários 19 de janeiro (criação)
Sede
Sede Rio de Janeiro
Bairro Laranjeiras
Endereço Rua Campo Belo, 150
Internet página oficial

Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) é uma força de operações especiais da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ).

História[editar | editar código-fonte]

Foi criado em 19 de janeiro de 1978, pelo Boletim da Polícia Militar n° 014 da mesma data como Núcleo da Companhia de Operações Especiais (NuCOE), através de um projeto elaborado e apresentado pelo capitão PM Paulo César de Amendola de Souza ao então comandante-geral da PMERJ, coronel Mário José Sotero de Menezes. Funcionando nas instalações do CFAP-31 de voluntários e subordinado operacionalmente ao chefe do Estado-Maior da PMERJ.[1]

Em 1980 passou a ter como simbolo a caveira trespassada por um punhal, ornado por duas garruchas cruzadas.

Pelo Boletim da PM n° 33, de 7 de abril de 1982, por resolução do comandante-geral, o NuCOE passou a funcionar nas instalações do Batalhão de Polícia de Choque, fazendo parte da orgânica daquela unidade e recebendo a designação de Companhia de Operações Especiais (COE).[1]

Em 27 de junho de 1984, através da publicação em Boletim da PM n° 120, a COE passou a ser denominada Núcleo de Companhia Independente de Operações Especiais (NuCIOE), funcionando nas instalações físicas do Regimento Marechal Caetano de Farias, ficando subordinado apenas administrativamente ao BPChq, retornando sua subordinação operacional ao chefe do EMG.[1]

Pelo decreto-lei n° 11.094 de 23 de março de 1988, foi criada a Companhia Independente de Operações Especiais (CIOE), com suas missões próprias em todo o Estado do Rio de Janeiro, que seriam determinadas pelo comandante-geral.[1]

Finalmente, pelo decreto n° 16.374 de 1 de março de 1991, deu-se a criação do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), ficando extinto a CIOE.

Em dezembro de 2000, ganhou instalações próprias, localizadas no morro do Pereirão, no bairro de Laranjeiras, na Zona Sul da capital fluminense.[1]

Atualmente, o emprego do BOPE em situações criticas ou missões especiais está regulado pela nota de instrução n°004/02 – EMG, estando a unidade subordinada administrativamente e operacionalmente ao Comando de Operações Especiais da PMERJ.[1]

Blindados[editar | editar código-fonte]

Policiais militares do BOPE e do Batalhão de Ações com Cães em treinamento de resgate de reféns.
Veículo do BOPE durante a ocupação do Complexo do Caju, na zona portuária do Rio de Janeiro, em 3 de março de 2013. Foto:Tânia Rêgo/ABr

Possui veículos blindados popularmente conhecidos como "caveirões", utilizados, principalmente, em operações onde há conflitos com narcotraficantes. Os blindados não possuem armamento próprio, sendo o seu poder de fogo constituído pelas armas da própria guarnição. O BOPE começou a utilizar os caveirões em 2003.

A principal finalidade dos veículos blindados é proteger a vida dos elementos da guarnição e romper as barreiras físicas utilizadas pelo narcotráfico. Os blindados são essenciais ainda no apoio ao resgate de unidades policiais encurraladas e na remoção de feridos dos cenários de confronto.

Ingresso no BOPE[editar | editar código-fonte]

Para ingressar no BOPE, o candidato deve ser policial militar da PMERJ há pelo menos dois anos, possuir excelente condicionamento físico, assim como ser aprovado nas avaliações física, médica e psicológica. São oferecidas duas modalidades de curso, para as duas atribuições da unidade:

  • Curso de Operações Especiais (COEsp), com duração de quatro meses, visando preparar o policial para intervenções em áreas de conflito e ao resgate de reféns
  • Curso de Ações Táticas (CAT), com duração de cinco semanas, que é uma síntese do curso de operações especiais

Filme[editar | editar código-fonte]

O filme "Tropa de Elite", do cineasta José Padilha, baseado no livro Elite da Tropa de autoria dos ex-integrantes do BOPE André Batista e Rodrigo Pimentel, em parceria com o antropólogo Luiz Eduardo Soares, inspirado nas ações do BOPE, estreou nos cinemas brasileiros em 12 de outubro de 2007.

Referências

  1. a b c d e f Site oficial do BOPE [ligação inativa] (em português) Boperj.org.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalhão de Operações Policiais Especiais (PMERJ)