Polícia Militar do Estado do Pará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Polícia Militar do Pará
Brasão PMPA.PNG
Brasão da PMPA
País  Brasil
Pará Pará
Estado Pará
Subordinação Governador do Estado do Pará
Missão Defender o Povo Paraense
Sigla PMPA
Criação 1818
Aniversários 25 de setembro de 1897 (Patrono)

21 de abril de 1792 (Tiradentes). A partir de 10 de março de 1818 (Criação)

Patrono Coronel Antônio Sérgio
Dias Vieira da Fontoura
Marcha Canção da PMPA
Lema Polícia Militar do Pará: patrimônio do povo paraense
Grito de Guerra POLÍCIA MILITAR DO PARÁ - AMAZÔNIA!
Cores Azul, Vermelho e Branco
Mascote PM Zito
História
Guerras/batalhas Cabanagem, Guerra do Paraguay e Guerra de Canudos
Condecorações Medalha Tiradentes, Medalha Coronel Fontoura, Medalha General Ferreirra Coelho e Medalha Genenral Sotero de Menezes
Logística
Efetivo 16.000
Logística 1 Diretoria de Apoio Logístico - DAL
Logística 2 Almoxarifado Central - AC
Logística 3 Centro de Suprimento e Manutenção - CSM
Comando
Comandante Coronel PM José Dilson Melo Soares Júnior
Subcomandante Chefe do Estado-Maior: Coronel PM Marcelo Ronald Botelho de Souza
Sede
Guarnição Belém
Bairro Parque Guajará
Endereço Rodovia Augusto Montenegro, Km 09, 8401. Bairro Parque Guajará - Distrito de Icoaraci - Belém - Pará
Internet Página Oficial

A Polícia Militar do Pará ( PMPA ) tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública no Estado do Pará. Ela é Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema Estadual de Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Pará. Seus integrantes são denominados Militar Estaduais,[1] assim também são denominados os membros do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Pará.

Origem[editar | editar código-fonte]

A Polícia Militar do Estado do Pará (PMPA) é uma instituição militar de segurança pública, criada em 1818, no governo do Conde de Vila Flor. Ela então recebeu a denominação de Corpo de Polícia, sob o comando do Major Ajudante José Victorino de Amarante, do Corpo de Artilharia do Estado do Grão-Pará e Rio Negro. Anteriormente à criação do Corpo de Polícia, o Conde de Vila Flor, Antônio José de Souza Manuel de Menezes Sevarin de Noronha, criou em 1817 o Esquadrão de Cavalaria Miliciana, que teve como primeiro comandante o Major Joaquim Mariano de Oliveira Bello, tio materno do Duque de Caxias (a mãe do Duque de Caxias, a Senhora Mariana Cândida de Oliveira Bello, era irmã do major). Não se tem dados precisos se esta unidade hipo constitui posteriormente o Corpo de Polícia.

Atuação Bélica[editar | editar código-fonte]

A PMPA teve destacada participação em muitos momentos críticos na história do Estado do Pará e do Brasil. Entre tais movimentos bélicos se destacam: a Cabanagem; a Guerra do Paraguai; a Campanha de Canudos; o combate aos revolucionários tenentistas nos levantes de 1922, 1924, 1926 e 1930.

Na Guerra do Paraguai encaminhou duas tropas para combater em solo paraguaio, denominadas de 1º e 2º Corpo Paraense de Voluntários da Pátria.

Antonio Fontoura.

Na Campanha de Canudos, nos sertões da Bahia, enviou o Regimento Militar do Estado, uma força armada comandada pelo Coronel Sotero de Menezes e no subcomando o Tenente-coronel Antônio Sérgio Dias Vieira da Fontoura. Nesse episódio, no dia 25 de setembro de 1897, o Coronel Antônio Sérgio Dias Vieira da Fontoura consagrou-se no comando dos 1º e 2º Corpos do Regimento Militar do Estado, ao abrir caminho para vitória das forças expedicionárias contra Antônio Conselheiro e seus seguidores. A assunção do Comando dessa tropa por Fontoura deveu-se ao ferimento do su comandante o Coronel Sotero de Menezes.

Em 1900, o Coronel Fontoura assumiu o comando da corporação, tido como o seu segundo Comandante-geral e o herói de Canudos. Deixou o cargo em 1911 e em 1925 foi definido como o Patrono da Corporação.

Tradicionalmente se comemora em 25 de setembro o Dia da Força Pública, alusão ao combate de 25 de Setembro de 1897, no Arraial de Canudos. As comemorações alusivas a este dia na PMPA são marcadas pela entrega da medalha do mérito Coronel Fontoura, desfile de tropa, promoções militares, e por inúmeros outros eventos que estão dentro da "Semana da Polícia Militar do Pará" (corrida de rua, passseio ciclístico, prova hípica, noite cultural). Entre os eventos noturnos merece destaque os bailes: "Das Estrelas" (Oficiais) e "Das Divisas" (Praças), onde os círculos hierárquicos se confraternizam pelas promoções.

Uniforme do Corpo de Cavalaria do Pará - 1817.

Os períodos de 1920 a 1930 envolveram corporação nos esforços de combater os militares tenentistas; vindo em um desses combates a morrer um tenente da PM e o Capitão do Exército Augusto Assis de Vasconcelos (nome de uma avenida em Belém).

Com a vitória do movimento, na Revolução de 1930, a Força Pública do Estado foi extinta, sendo substituída em suas funções pela Guarda Civil; contudo dois anos depois o Interventor Magalhães Barata teve de acionar os ex-integrantes da Força Pública para conter o motim em que se encontravam os guardas-civis e os estudantes que aderiram ao movimento constitucionalista de 1932. Então a corporação, aos poucos, vai retomando a dinâmica e o espaço que lhe eram devidos. Assim, é criada a Companhia de Estabelecimento, embrião da reestruturação da Polícia Militar paraense.

Mais dois anos se passaram até que a polícia militar foi reativada e instalada no prédio que situado na Avenida Alcindo Cacela, esquina com Rua Fernando Guilhon, bairro da Cremação, em Belém.

No período de 1935 a 1964 a PMPA foi se consolidando no Estado como uma espécie de exército estadual e com o Golpe Militar de 1964 ganha relevância no sufocamento de greves e manifestações estudantis e de trabalhadores que lutavam contra o Regime Militar. Contudo, essa mesma polícia gozava de prestígio popular, pois em seus quartéis eram frequentes a participação do público em eventos militares, bem como existiu no final da década de 60 e anos 70 um corpo infantil de militares, denominados de "Guarda-Mirim".

Comandantes-Gerais(3)[editar | editar código-fonte]

O maior posto hierárquico na PMPA é o de Coronel PM, requisito para ser indicado pelo Governador do Estado para as duas funções mais importantes no Alto Comando da corporação: Comandante-Geral e Chefe do Estado-Maior.

A função de Comandante-Geral existe desde 1895, quando exerceu tal função o Coronel do Exército José Sotero de Menezes, sendo sucedido pelo Coronel PM Antônio Sérgio Dias Vieira da Fontoura (1900-1911).

Com essa denominação temos um total de 53 Oficiais que comandaram a PMPA, desde 1895 até 2016 (em andamento), conforme consta no Almanaque de Oficiais da PMPA, versão 2016 (versão digital, constante do Museu Digital da PMPA)

1 - JOSÉ SOTÉRO DE MENEZES

Tenente - Coronel de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 07 de fevereiro de 1895.

Exoneração: Decreto de 09 de outubro de 1900.

2 - ANTONIO SÉRGIO DIAS VIEIRA DA FONTOURA

Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto De 09 De Outubro De 1900.

Exoneração: Decreto De 01 De Agosto De 1911.

3 - SATURNINO DE BARROS E AROUCK

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 21 de agosto de 1911,

Exoneração: Decreto de 08 de setembro de 1915.

4 - JOÃO BATISTA CEARENCE CILENO

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 27 de janeiro de 1916.

Exoneração: Decreto de 01 de novembro de 1919.

5 - LUIZ LÔBO

Tenente - Coronel de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 01 de novembro de 1919.

Exoneração: Decreto de 09 de julho de 1923.

6 - RAIMUNDO FURTADO DE LEÃO

Tenente - Coronel de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 10 de julho de 1923.

Exoneração: Decreto de 16 de abril de 1926.

7 - ALBERTO ODORICO DE MESQUITA

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 16 de Abril de 1926.

Exoneração: Decreto de 06 de novembro de 1930 - Extinta Força.

8 - JOSÉ MANOEL FERREIRA COÊLHO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 04 de maio de 1935.

Exoneração: Decreto de 14 de dezembro de 1938.

9 - CÉSAR ROMULO SILVEIRA JUNIOR

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 09 de janeiro de 1939.

Exoneração: Decreto de 14 de janeiro de 1942.

10 - MÁRIO DA SILVA MACHADO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 28 de janeiro de 1942

Exoneração: Decreto de 18 de maio de 1942.

11 - PAULO FRANCISCO TORRES

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 29 de maio de 1942.

Exoneração: Decreto de 06 de janeiro de 1943.

12 - LUIZ GEOLÁS DE MOURO CARVALHO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 21 de março de 1943.

Exoneração: Decreto de 29 de fevereiro de 1944.

13 - NEY RODRIGUES PEIXOTO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 29 de fevereiro de 1944.

Exoneração: Decreto de 06 de novembro de 1945.

14 - MÁRIO LIBÓRIO PEREIRAtenente-Coronel de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 06 de novembro de 1945.

Exoneração: Decreto de 09 de fevereiro de 1946.

15 - NEY RODRIGUES PEIXOTO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 19 de março de 1946.

exoneração: Decreto de 16 de novembro de 1946.

16 - CINÉSIO PAULO DE CARVALHO

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 18 de novembro de 1946.

exoneração: Decreto de 21 de junho de 1947.

17 - FERNANDO RODRIGUES PEIXOTO

Major de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 01 de julho de 1947.

Exoneração: Decreto de 17 de julho de 1950.

18 - CINÉSIO PAULO DE CARVALHO

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 18 de julho de 1950.

Exoneração: Decreto de 26 de janeiro de 1951.

19 - MANOEL CORDEIRO NETO

Major de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 27 de janeiro de 1951.

20 - GERALDO DALTRO DA SILVEIRA

Major de Artilharia do Exército.

Nomeação: Decreto de 24 de fevereiro de 1951.

Exoneração: Decreto de 31 de maio de 1951.

21 - MILTON LISBOA

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 31 de maio de 1951.

Exoneração: Decreto de 01 de março de 1956.

22 - MANOEL MAURÍCIO FERREIRA

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 06 de março de 1956.

Exoneração: Decreto de 10 de julho de 1956.

23 - JURANDYR TORRES DE LIMA

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 10 de julho de 1956.

Exoneração: Decreto de 14 de agosto de 1956.

24 - MARAVALHO NARCISO BELO

Capitão de Infantaria da Força Aérea Brasileira.

Nomeação: Decreto de 14 de agosto de 1956.

Exoneração: decreto de 08 de dezembro de 1957.

25 - MÁRIO BARRIGA GUIMARÃES

Tenente - Coronel de Infantaria da PM.

Nomeação: Decreto de 08 de dezembro de 1957.

Exonerado: Decreto de 29 de maio de 1958.

26 - IRAN DE JESUS LOUREIRO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 29 de maio de 1958.

Exoneração: Decreto de 19 de janeiro de 1961.

27 - JOSÉ GUILHERME DE SEQUEIRA CARDOSO -

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 18 de abril de 1961.

Exoneração: Decreto de 12 de março de 1963.

28 - IRAN DE JESUS LOUREIRO

Capitão de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 13 de agosto de 1963.

Exoneração: Decreto de 15 de junho de 1964.

29 - EVILÁSIO PEREIRA

Tenente - Coronel de Cavalaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 10 de julho de 1964.

Exoneração: Decreto de 31 de janeiro de 1966.

30 - ANTÔNIO CALVIS MOREIRA

Major de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 04 de fevereiro de 1966.

Exoneração: Decreto de 07 de abril de 1969.

31 - HÉLIO JESUS FONSECA

Coronel da Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 07 de abril de 1969.

Exoneração: Decreto de março de 1970.

32 - DOUGLAS FARIAS DE SOUZA

Tenente - Coronel de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 03 de agosto de 1970.

Exoneração: Decreto de 31 de março de 1975.

33 - CARLOS ALBERTO MOREIRA

Major de Infantaria do Exército.

Nomeação: Decreto de 31 de março de 1975 faleceu em pleno.

Exercício do cargo, no dia 29 de janeiro de 1977.

34 - SIMEÃO SILVA

Cel PM de 04 de fevereiro de 1977.

Nomeação: Decreto nº 9.991, de 31.01.77, foi designado para.

Assumir interinamente o comando da PMPA.

Exoneração: decreto de 12 de abril de 1977.

35 - JOUBERT SIQUEIRA

Tenente - Coronel da Arma de Artilharia do Exército

Nomeação: Decreto de 05 de abril de 1977.

Exoneração: Decreto de 03 de abril de 1979.

36 - GERALDO DE ARRUDA PENTEADO

Tenente - Coronel da Arma de Artilharia do Exército.

Nomeação: Decreto de 03 de abril de 1979.

Exoneração: Decreto de 03 de fevereiro de 1981.

37 - ELADYR NOGUEIRA LIMA - Coronel PM.

Nomeação: Portaria Governamental nº 488, de 03 de fevereiro de 1981.

Exoneração: Portaria n. º 540, de 24 de abril de 1982.

O Coronel PM Eladyr Nogueira Lima assumiu o comando da corporação no período em que o processo de reabertura democrática se iniciava.

Entre as preocupações do comando da PM àquela época estava a possibilidade do ingresso de mulheres na fileira da corporação, o que se efetivou no comando seguinte.

Também, nesse período, a Polícia Militar iniciava a organização dos CPA (Comando de Policiamento de Área) que depois veio a dar lugar ao CPC (Comando de Policiamento da Capital) e CPI (Comando de Policiamento do Interior).

38 - ARTAGNAN BARBOSA DE AMORIM SOBRINHO

Coronel de Arma de Artilharia do Exército.

Nomeação: Decreto de 24 de abril de 1981.

Exoneração: Decreto de 21 de fevereiro de 1983.

39 - MÁRIO NAZARENO LOPES ROCHA

Coronel PM.

Nomeação: portaria Governamental nº 918 de 28 de fevereiro de 1983

Exoneração: portaria Governamental nº 1.053 de 04 abril de 1983.

40 - FRANCISCO RIBEIRO MACHADO - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 04 de abril de 1983.

Exoneração: Decreto de 20 de março de 1987.

41 - AILTON CARVALHO GUIMARÃES - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 20 de março de 1987.

Exoneração: Decreto de 28 de agosto de 1989.

42 - RAIMUNDO NONATO BARBOSA LIMA - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 28 de agosto de 1989.

Exoneração: Decreto de 16 de março de 1991.

43 - CLETO JOSÉ BASTOS DA FONSECA - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 16 de março de 1991.

Exoneração: Decreto de 30 de dezembro de 1994.

O Coronel PM Cleto José Bastos da Fonseca foi um incentivador da pesquisa institucional do historiador Dantas de Feitosa que publicou em 1994 o livro intitulado "Antecedentes Históricos da Polícia Militar do Pará", editado pela Princeps.

Teve como subcomandante o Coronel PM Heitor dos Santos Watrin Júnior, Oficial Superior tido como rígido por muitos de seus integrantes.

Após deixar o cargo de Comandante Geral, foi eleito vereador de Belém.

44 - FABIANO JOSÉ DINIZ LOPES - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 01 de janeiro de 1995.

Exoneração: Decreto de 11 de janeiro de 1999.

O Coronel PM Fabiano Lopes era comandante do CPM e do Batalhão de Choque antes de assumir o comando da corporação. Os primeiros anos de seu Comando foram marcados pela readequação administrativa da corporação e pela moralidade, havendo o controle das contas administrativas e contenção de despesas, equilibrando a economia da corporação. Teve também destacada ênfase na promoção de diversos cursos para as praças da corporação com regularidade na oferta do CFSD, CFC, e CFS.

Lamentavelmente, no seu comando ocorreu o conflito em Eldorado dos Carajás (17.04.1996), cujo confronto entre Policiais Militares das tropas de Marabá e Parauapebas com resultou na morte de 19 sem-terras que estavam bloqueando a PM 150.

45 - FAUSTINO ANTONIO GONÇALVES NETO - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 11 de janeiro de 1999.

Exoneração: Decreto de 30 de maio de 2000.

46 - MAURO LUIZ CALANDRINI FERNANDES - Coronel PM.

Nomeação:Decreto de 30 de maio de 2000

Exoneração: Decreto de 01 de janeiro de 2003

47 - JOÃO PAULO VIEIRA DA SILVA - Coronel PM.

Nomeação: Decreto de 01 de janeiro de 2003

Exoneração: decreto de 28 dezembro de 2006.

A Polícia Militar do Pará, no período de 2003-2006, teve como Comandante Geral o Coronel PM R/R João Paulo Vieira da Silva.

A sua última função antes de assumir o Comando da PM era de Chefe da Casa Militar da Governadoria do Estado. A peculiaridade na assunção do Comando da PM foi a de ter sido convocado da Reserva Remunerada para tal função.

É natural de Belém, nascido a 19/07/1949 e tinha 53 anos quando assumiu o Comando da PM.

Nomeação:

Exoneração:

Teve como SubComandante Geral o Coronel PM Lameira.

48 - LUIZ CLÁUDIO RUFFEIL RODRIGUES - Coronel PM

Nomeação: Decreto de 01 de janeiro de 2007

Exoneração: Decreto de 13 de Janeiro de 2009.

O Comando da Polícia Militar no período de janeiro/2007 a janeiro/2009 foi exercido pelo Coronel PM Luiz Cláudio Ruffeil Rodrigues.

Sua última função antes de assumir o Comando da PM foi a de Comandante do CPR-I (Santarém).

É natual de Belém, nascido a 17/04/61, tinha 46 anos de idade quando assumiu o Comando da PM.

Nomeação: 01/01/2007

Exoneração: 09/01/2009

O seu comando foi marcado por grande investimento na área da formação com inúmeros policiais militar fazendo curso fora do Estado. Teve como SubComandante o Coronel PM Luiz Dário da Silva Teixeira, Oficial Superior tido como rígido e turrão por muitos da tropa.

49 - LUIZ DÁRIO DA SILVA TEIXEIRA - Coronel PM

Nomeação: Decreto de 13 de janeiro de 2009

Exoneração: Decreto de 23 de Março de 2010.

No período de 09/01/2009 a 22/03/2010, a Polícia Militar do Pará teve como Comandante Geral o Coronel PM Luiz Dário da Silva Teixeira. Sua última função antes de assumir o Comando da corporação foi a de SubComandante Geral.

Era natural de Belém-PA, nascido a 11/09/60 e falecido ainda em 2010.

Quando assumiu o Comando da PM tinha 48 anos de idade. À época da assunção do Comando era possuidor do curso de Bacharel em Direito.

Teve como SubComandante Geral o Coronel PM Augusto Emanuel Cardoso Leitão, que o sucedeu no comando da PM.

O seu comando foi marcado pela tentativa de controle administrativo e operacional da corporação, tendo sido iniciado e ativado o SIGPOL (Sistema de Gestão da Polícia Militar do Pará), plataforma que abrangia apenas os sistemas de protocolo e pessoal, tendo à frente do desenvolvimento o CITEL - Centro de Informática e Telecomunicações da PMPA, cuja Chefia era exercida pelo então Tenente-Coronel PM Waldomiro Seráphico de Assis Carvalho Neto e como subchefe o Major PM Odiney.

O SIGPOL, aos poucos foi substituindo as antigas Fichas Disciplinares dos quarteis e o módulo protocolo facilitou a tramitação dos documentos entre as unidades policiais militares. Houve no seu comando atropelos administrativos quanto ao pagamento de professores que ministraram aulas nos cursos de formação e aperfeiçoamento, os quais só receberam o pagamento de horas-aulas nos comandos posteriores, após os processos de reconhecimento de dívidas.

50 - AUGUSTO EMANUEL CARDOSO LEITÃO - Coronel PM

Nomeação: Decreto de 23 de Março de 2010

Exoneração: Decreto de 30 de Dezembro de 2010.

Durante o ano de 2011, o Coronel PM Emanuel Cardoso Leitão foi Comandante Geral da PM. Sua última função antes de assumir o Comando foi a de Sub-Comandante Geral.

É natural de Belém, nascido a 23/01/59, possuindo 51 anos de idade quando assumiu o Comando da corporação.

Nomeação:22/03/2010

Exoneração: dez/2010

Teve como SubComandante o Coronel PM Edvaldo José Cunha Sarmanho.

No Comando do Coronel PM Leitão, a Polícia Militar ofertou pela primeira vez cursos de formação de praças através da modalidade EaD semi-presencial, a saber o Curso Especial de Formação de Sargentos PM - CEFS PM e o Curso Especial de Aperfeiçoamento de Sargentos - CEAS PM, e desta forma resolveu o problema da demanda reprimida em relação à oferta de vagas para o CAS - Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos.

51 - MÁRIO ALFREDO SOUZA SOLANO - Coronel PM

Nomeação: Decreto de 30 de Dezembro de 2010.

Exoneração: Decreto de 03 de Janeiro de 2012.

Foi Comandante Geral da PMPA, no período de janeiro/2011 a janeiro/2012, o Coronel PM Mário Alfredo Souza Solano. Sua última função antes de assumir o Comando da corporação foi a de Chefe do Estado Maior Estratégico - EME.

O Comando do Cel PM Solano foi marcado pelo controle financeiro e orçamentário, tendo ao final do mesmo registrado um superavit nas contas da PM, com a retomada no pagamento dos fornecedores que ficaram a receber posteriormente em DEA - Despesas de Exercícios Anteriores. O 2º BPM abrigou o evento "Casa Cor Pará", tendo o edifício sido reformado pelas empresas promotoras do evento, havendo um desacordo entre elas e o comando da PM, pois as mesmas queriam indenizações pelos serviços prestados no mesmo, não havendo dotação orçamentária para isso elas retiraram todos os revestimentos, louças e objetos utilizados no evento. O evento de 21/04/2011 foi realizado no Hangar Centro de Convenções da Amazônia e pela primeira vez transmitido via satélite em todo o portal da PM, ocasião em que a PM lançou o seu vídeo institucional.

Nomeação: jan/2011

Exoneração: 06/01/2012.

É natural de Belém, nascido a  24/02/62. Assumiu o Comando da PM com 48 anos de idade. À época era formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará.

Teve como SubComandante o Coronel PM Carlos Augusto.

52- DANIEL BORGES MENDES - CEL PM Coronel PM

Nomeação: Decreto de 03 de Janeiro de 2012.

Exoneração: Decreto de 01 de janeiro de 2015

Durante o período de janeiro/2012 a dezembro/2014 foi Comandante Geral da PM o Coronel PM Daniel Borges Mendes. Sua última função antes de assumir o Comando da corporação foi a de Comandante do Policiamento da Capital - CPC. No início do seu comando houve uma paralisação das praças da PMPA, com grande repercussão na imprensa, principalmente pelo fechamento da BR-316 pelo efetivo do 6º BPM (Ananindeua), resultando na abertura de inúmeros processos administrativas e inquéritos policiais militares que foram frustrados por uma lei de anistia que pós fim aos mesmos. O seu comando foi marcado pela revisão de algumas leis, entre as quais a LOB (Lei de Organização Básica) da PMPA que foi alterada em vários artigos, num dos quais criou o Museu da Polícia Militar e o Aquivo Geral da PMPA, órgãos de memória ligados à Ajudância Geral.

Nomeação: Decreto de 03/01/2012.

É natural de Belém, nascido a 16/12/63, assumiu o Comando da PM aos 48 anos de idade.

Exoneração: em 1º/01/2015.

Teve como SubComandantes os Coronéis Walci, Cunha e Hilton, este último foi Chefe do EMG, uma vez que a nova Lei de Organização Básica extinguiu a função de SubComandante Geral, ficando o Chefe do EMG como substituto legal do Comandante-Geral.

53- ROBERTO LUIZ DE FREITAS CAMPOS – Coronel PM

Nomeação: Decreto de 01 de janeiro de 2015

Exoneração: Decreto de 18 de maio de 2017

2017. BG 095 DE 19 MAIO DE 2017

O comando do Coronel PM Roberto Luiz de Freitas Campos foi marcado pela aprovação da nova lei de promoção de praças, ficando garantido ao Soldado, após 06 anos, ser promovido à graduação de Cabo PM e, este, após 06 anos, consecutivamente, ser promovido à graduação de 3º Sargento. Assim, ficaram extintos definitivamente os cursos de formação de Cabos e de formação de Sargentos. Após a promoção à graduação de 3º Sargento PM, o policial militar deverá cursar o CAGS - Curso de Adaptação à Graduação de Sargentos. Não foi registrado em seu comando nenhuma movimentação grevista na tropa da PMPA. A PM no seu comando teve mudança da sede do Comando Geral da PMPA que saiu do prédio da Avenida Almirante Barroso, esquina com

. Sua última função antes de assumir o Comando da corporação foi a de Comandante do Policiamento da Capital - CPC.

Nomeação:

Decreto de 1º de janeiro de 2015. Publicado no DOE Nº 32.798, de 01/01/2015, publicado no BG nº 001, de 02/01/2015.

Teve como Chefe do Estado-Maior Geral o Coronel PM Lázaro Saraiva de Brito Júnior.

Exoneração: Decreto de 18/05/2017, publicado no BG nº 095, de 19/05/2017.

É natural de Belém, nascido a 30/01/70, assumiu o Comando da PM aos 44 anos de idade.

Possui os seguintes cursos:

1991 - CFO PM; Montanha

1992 – Controle de Distúrbio Civil (PMSP); Policiamento em Praças Desportivas;

1994 – Policiamento Montado;

1997 – Segurança de Dignitários;

2001 – CAO; Times Táticos I e II; Negociação e Resgate de Refém; Gerenciamento de Conflitos;

2002 -Officer Survival Advanced – Curso de Tática de Explosivos; Dynamic Tatical Immobilization – Curso de Dinâmica de Imobilização; Resgate de Reféns de Alto Risco – Curso de Resgate de Reféns e Operações Especiais de Alto Risco; Especialização de Táticas Especiais; Officer Survival – Tática e Explosivos; Paraquedismo-Formação de Paraquedista;

2003 – II Curso de Instrutor de Pistola .40 e Carabina .30 – Método Giraldi;

2005 – Piloto Privado de Helicópteros;

2006 – Prático de Habilitação na Aeronave AS350 – Esquilo; Piloto Privado de Avião Monomotor;

2009 – CSP; Tática Policiais Avançadas I – Força Tática.

Principais acontecimentos do seu Comando:

Foram transmutados os cursos de Formação de Soldados, Formação de Cabos, Formação de Sargentos, num único curso denominado de Curso de Formação de Praças (CFP), no qual o cidadão ingressa na corporação e após 06 (seis) anos de interstício como Soldado PM (excluindo-se o tempo de Aluno do CFSD ou do CFP) é promovido a Cabo PM. Em seguida, cumprindo-se o interstício de 06 anos o Cabo é promovido a 3º Sargento PM.

Decorre dessa promoção a necessidade de se revisar conhecimentos adquiridos quando do ingresso na corporação pelo CFP. Assim, surgiu o CAGS (Curso de Adaptação à Graduação de Sargentos) e, finalmente, encerrando a carreira das praças, os sargentos devem fazer o Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS), atividade discente de longa data e que possibilita ao 2º Sargento PM seguir carreira até chegar à graduação de SubTenente, passando pela graduação de 1º Sargento PM.

No ano de 2016, pela primeira vez foi ofertada vaga para o CFP, cuja prova foi realizada em 30/07/2016, para um total de duas mil vagas para todo o Estado do Pará, os quais incluiram no ano seguinte.

54- HILTON CELSON BENIGNO DE SOUZA – Coronel PM

Nomeação: Decreto de 18 de Maio de 2017

Exoneração:

O comando do Coronel PM Hilton está sendo marcado pelo incremento das ações operacionais de policiamento ostensivo e pela retomada da formação com o ingressos de novos soldados que estão no CFAP fazendo o CFP, com formatura prevista para o primeiro semestre de 2018.

A Academia de Polícia Militar recebeu, também, novos cadetes e uma turma do CADO, este último dentro de um ano estarão formados.

O seu comando tem a responsabilidade de comemorar os 200 anos da corporação, cujos eventos estão sob a coordenação do CEL PM SILVEIRA.

Antes de assumir o comando geral da PM, o Cel PM Hilton era Secretário Adjunto de Gestão Operacional na SEGUP, é formado em Direito e possui os cursos de Preparação de Instrutores e Curso de Administração de Ensino.

O Coronel Hilton possuía 47 anos de idade ao assumir o comando da corporação.

Interiorização[editar | editar código-fonte]

Em que pese a visão de que a prioridade nos anos de 1980 era a defesa do Estado, a corporação não se furtou a aturar e espraiar sua atuação pelo interior do Estado. Assim, de apenas 3 unidades militaress: BD (Batalhão de Destacamento), BG (Batalhão de Guardas) e EPMont (Esquadrão de Cavalaria), a corporação executa a interiorização de sua tropa. Nascem assim os demais Batalhões: 3º BPM (Santarém); 4º BPM (Marabá); 5º BPM (Castanhal); 6º BPM (Choque / Patam); 7º BPM (Redenção) etc.

As necessidades do período (1970-1980) giravam em torno da maior presença da PM no campo, acometido por crescentes conflitos fundiários, consequência direta da grande leva de migrantes que atenderam ao chamado do governo federal de ocupar a região, bem como a atração proporcionada pelos grandes projetos: construção da hidrelétrica de Tucuruí, instalação de empresas mineradoras: ALBRAS-ALUNORTE, exploração de bauxita, manganês, projeto Grande Carajás, além da atratividade do maior garimpo a cáu aberto do mundo "Serra Pelada".

PM-Box[editar | editar código-fonte]

Paralelo ao processo de interiorização da segurança pública, a PM dos anos 80 incrementou o seu efetivo com o ingresso das mulheress em seus quadros e com a instalação de uma nova forma de policiamento: o PM-BOX. No ao de 1980, com a visita de um grupo de oficiais ao Japão, o Tenente-coronel Rocha trouxe a ideia de implantar o sistema de Kobans. Assim, foi criado o sistema de PM-BOX, cabines de fibras, com rádio HT e alojamento; onde os policiais militares prestavam serviço.

O Sistema de PM-Box tornou-se um modelo de policiamento e ao longo dos anos de 1990 iniciou-se a implantação do policiamento comunitário, através do Projeto POVO (policiamento ostensivo volante); o qual no início do século XXI transmutou os PM-Box em Posto Avançado de Polícia Comunitária (PAPC) e Destacamento Especial de Polícia Comunitária (DEPC). E os anos de 1990-2010 demarcaram a mudança de paradigmas da PMPA, onde o policiamento comunitário foi ganhando destaque como também o policiamento especializado e de missões especiais.

Eldourado dos Carajás[editar | editar código-fonte]

Triste episódio que marcou a corporação foi o conflito armado com o movimento dos trabalhadores sem terra, em Eldorado dos Carajás, em 1996, com saldo de dezenove trabalhadores mortos e vários policiais feridos; dentre os quais, um perdeu a visão. Contudo, esse episódio desencadeou modificações substanciais na estrutura da PMPA, pois estimulou a criação do Comando de Missões Especiais, grande comando militar estadual que congrega todas as tropas de intervenção como o Batalhão de Choque, a Cavalaria, o Canil e a Companhia de Operações Especiais, dentre outras OPMs.

A atuação do CME está pautada na necessidade que o Estado e a Polícia Militar tem em possuir uma tropa de intervenção que ao mesmo tempo em que concentre alto poder dissuasório, tenha também controle total sobre suas ações tanto nas ações de tropa devidamente comandandas, como indvidualmente os seus integrantes devem possuir características que estejam acima da média no que concerne ao equilíbrio emocional, auto-controle, agressividade controlada, iniciativa, poder de concentração e decisão, vigor físico e cultura intelectual.

As tropas de Missões Especiais da PM do Pará estão entre as melhores do Brasil, principalmente quando o assunto é o cumprimento de mandados de reintegração de posse rurais e urbanas, pois a tropas agem em conjunto, de maneira coordenada e primam pela resolução pacífica dos conflitos.

A qualificação profissional fez surgir na PMPA inúmeros cursos que qualificam seus componentes para a atuação em missões especiais: Curso de Ações de Choque, Curso de Operações de Choque, Curso de Intervenções em Movimentos Sociais, Curso de Tropa Montada, Curso de Cinotecnia, Curso de Adestramento Básico d Cães, Curso de Assalto Tático, Curso de Ações Táticas Especiais, Curso de Força Tática, Curos Operacional de Rotam, entre outros.

Reestruturação[editar | editar código-fonte]

A nova reestruturação da PMPA se deu em 2014, quando a Lei de Organização Básica passou por revisões na Assembleia Legislativa e o efetivo previsto passou de 13mil para 30mil policiais militares e novas unidades foram criadas como a UREAB (Unidade de Reabilitação), o SAR (Serviço de Assistência Religiosa), o Museu e o Arquivo Geral da PM entre outras.

As reformas recentes na legislação da PMPA permitiram que o ingresso para a carreira de Oficial PM tivesse como requisito a formação superior em qualquer área do conhecimento, bem como a carreira melhor estruturada permite que o Soldado PM seja promovido a Cabo PM após 06 (seis) anos de serviço como Soldado PM e, consequentemente, o Cabo PM possa ser promovido a 3º Sargento após mais seis anos de serviço na graduação de Cabo.

A carreira das praças tem início com o ingresso, por concurso público, no Curso de Formação de Praças - CFP e, para os Oficiais, no CFO (Cursso de Formação de Oficiais PM) Há também os cursos de Habilitação a Oficiais - CHO e o Curso de Adaptação de Oficiais (CADO).

Esportes[editar | editar código-fonte]

A corporação tem no esporte um dos pilares de sustentação do espírito de corpo, cooperação, integração e unidade, uma vez que nas práticas desportivas tais atributos são cultuados e valorizados.

Conforme sustenta GAUDÊNCIO (2016):

A participação dos militares na difusão dos esportes, no início do século XX, na capital paraense, é percebida nos clubes suburbanos e seus festivais, assim como nos Clubes considerados elegantes.

Inicialmente, até a década de 1920, o discurso estava mais voltado para uma representação das elites locais. Com o decorrer dos anos, a participação das camadas populares nas práticas desportivas levou o esporte a ser pensado como uma forma de “adestramento” para defesa da nação. Essa ideia ficou mais fortalecida no Brasil a partir dos anos de 1920 a 1930 (Museu Digital da PMPA, 2016) .

Entre as diversas manifestações esportivas se destacam "A Corrida Coronel Fontoura" ou como antes era denominada "Volta da Cidade", evento que congrega a quase cinquenta anos os corredores de rua na capital do estado do Pará. As provas de corrida representam para os militares estaduais uma forma de demonstração de congraçamento e espírito esportivo, ligando diversas gerações de policiais militares. Dentre os policiais militares que se destacaram no esporte está o Capitão PM Abelardo, maior corredor da PM, o qual estudou Educação Física e foi Professor da Escola Superior de Educação Fisica (ESEF), campus da Universidade do Estado do Pará.

Cultura[editar | editar código-fonte]

A corporação possui uma Banda de Música composta por cerca de 60 músicos, dos quais uma parte é do quadro de combatentes que foram designados para compor a banda haja vista as habilidades possuídas pelos mesmos. A banda de música da PM do Pará chegou a ser regida pelo maestro Ettore Bosio.

Ainda na música merece destaque a figura do 2º Tenente PM RR Aurino Quirino Gonçalves, nascido em Igarapé-Miri, o consagrado músico e compositor de carimbó conhecido pelo nome artístico de "Pinduca". O músico paraense serviu na banda de música da PM, no quartel do 2º BPM, de onde atuava nos finais de semana nas tocatas pelos coretos da cidade, bem como fazia shows na capital e interior do estado.

Pinduca ingressou na PM como Soldado e percorreu todas as graduações das praças, vindo a galgar o oficialato no quadro de especialistas (músico). A trajetória de Pinduca como músico e compositor de carimbó foi responsável pela popularização midiática desse ritmo musical e dança, pois Pinduca incorporou ao "conjunto musical" os elementos modernos da guitarra e da bateria. Assim, Pinduca foi o inventor do carimbó moderno contrastando com a opção dos mais tradicionais conjuntos de carimbó que tinham no cantor "Verequete" a sua maior expressão. Imediatamente a mídia criou uma oposição entre o carimbó moderno e o carimbó tradicional, tendo a frente desse suposto antagonismo de um lado Pinduca e do outro o Verequete.

A carreira musical de Pinduca em Belém se deu na banda Orlando Pereira, na qual se tocava todos os ritmos, inclusive o carimbó. Mas, esse ritmo musical não era bem aceito nos bailes das elites e, inclusive, em muitos clubes de subúrbio o ritmo não era bem visto. Contudo, a teimosia de Pinduca com o carimbó e a inovação pela utilização de instrumentos modernos, aliados ao entusiasmo ao falar do ritmo, com um visual extravagante marcado por um chapelão todo enfeitado fizeram de Pinduca a expressão do carimbó moderno e, desta feita, a mídia e a opinião pública o elegeram como "o Rei do Cabimbó".

Consagrado pela mídia e reconhecido até por seus opositores Pinduca seguir a passos firmes na consolidação do carimbó moderno e conheceu todo o Brasil fazendo shows, tendo feito diversos shows internacionais, sendo indicado como "Embaixador da ONU" para a cultura. Essa carreira dura mais de 40 anos e Pinduca ainda fala com entusiasmo pela música paraense, em especial pelo carimbó, dizendo enfaticamente que "tem espaço pra todo mundo. O Pará é de todos os ritmos" (Pinduca, entrevista cedida ao Museu da PMPA em 05/05/2017).

Os concursos de vestibular, principalmente os realizados entre os anos de 1960-1970 foram marcados por uma música de Pinduca, a Marcha do Vestibular"

"Alô, alô papai

Alô mamãe

Poe a vitrola pra tocar

Pode soltar foguete

Que eu passei no vestibular".

Um outro aspecto da cultura paraense abordado em suas músicas é o "Carapirá", um pássaro que come sardinha sem mastigar, mas também é o catador de restos de alimentos, de frutas, verduras e legumes que no Centro de Abastecimentos (CEASA) executam tal atividade, são denominados de "carapirás".

Para conhecer um pouco do Pinduca pode ser consultados inúmeros vídeos existentes em canais de rede social, entre os quais, os seguintes:

https://www.youtube.com/watch?v=akqZlUJ-ecI

https://www.youtube.com/watch?v=5rLft_4hKqA

https://www.youtube.com/watch?v=isrBB8KXBYc

https://www.youtube.com/watch?v=kOonkY-6wz0

https://www.youtube.com/watch?v=RDsTih2qN3o

https://www.youtube.com/watch?v=RDsTih2qN3o

https://www.youtube.com/watch?v=k7LLYbRUkBY

https://www.youtube.com/watch?v=B6I6Bz_u4Vk

https://www.youtube.com/watch?v=D05_p_2AlE4

https://www.youtube.com/watch?v=kTBKKd-uwz4

https://www.youtube.com/watch?v=6vrOenDNCvc

https://www.youtube.com/watch?v=n7FJiUOvsc8


Denominações[editar | editar código-fonte]

Estrutura Operacional[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento da Capital 1 (CPC 1) - Belém[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento da Capital 2 (CPC 2) - Belém[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento da Região Metropolitana (CPRM) - Ananindeua[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Especializado (CPE) - Belém[editar | editar código-fonte]

Comando de Missões Especiais (CME) - Belém[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Ambiental (CPA)[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional I (CPR I) - Santarém[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional II (CPR II) - Marabá[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional III (CPR III) - Castanhal[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional IV (CPR IV) - Tucuruí[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional V (CPR V) - Redenção[editar | editar código-fonte]

22° Batalhão de Polícia Militar - Conceição do Araguaia

30º Companhia independente de Polícia Militar - Santana do Araguaia

Comando de Policiamento Regional VI (CPR VI) - Paragominas[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional VII (CPR VII) - Capanema[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional VIII (CPR VIII) - Altamira[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional IX (CPR IX) - Abaetetuba[editar | editar código-fonte]

Comando de Policiamento Regional X (CPR X) - Itaituba[editar | editar código-fonte]

15° Batalhão de Polícia Militar - Itaituba
7ª Cia Ind de Polícia Militar - Novo Progresso

17ª Cia Ind de Polícia Militar - Rurópolis


Predefinição:Comando de Policiamento Regional XI (Cpr XI) Predefinição:Salvaterra 8° Batalhão de Polícia Militar - Soure | style="width: 50%;text-align: left; vertical-align: top; " | 20ª Cia Ind de Polícia Militar -Muaná

Comando de Policiamento Regional XII (CPR XII) - Breves[editar | editar código-fonte]