Guarda Civil Metropolitana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guarda Civil Metropolitana
País  Brasil
Estado  São Paulo
Corporação Guarda Civil Metropolitana
Subordinação Prefeito Municipal
Missão Proteção dos bens, serviços e instalações municipais, proteção a vida, entre outras atividades.
Denominação Guarda Civil Metropolitana
Sigla GCM
Criação 15 de setembro de 1986 (36 anos)
Aniversários 15 de setembro
Comando
Inspetor Superintendente Agapito Marques
Sede
Página oficial www.gcm.sp.gov.br

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) é uma instituição de segurança pública do município de São Paulo, no estado do São Paulo, no Brasil.[1]

A instituição é do tipo guarda civil municipal,[2] sendo componente do sistema de segurança pública municipal de São Paulo,[3] dando suporte complementar às ações do Comando de Policiamento Metropolitano da Polícia Militar do Estado de São Paulo e do Departamento de Polícia Judiciária da Capital da Polícia Civil do Estado de São Paulo.[4]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O município de São Paulo já teve experiência de uma guarda civil ligada ao sistema de segurança territorial. Esta, denominada Guarda Civil do Estado de São Paulo, foi criada em 1926 e existiu até 1970, quando foi integrada a recém-criada Polícia Militar do Estado de São Paulo.[1]

A moderna GCM foi criada somente em 15 de setembro de 1986, através da lei municipal nº 10.115, na gestão do prefeito Jânio da Silva Quadros.[5] Seu primeiro efetivo próprio, de 150 guardas já em 1986, foi formado por concurso que exigia ensino secundário completo — exigência atípica às forças de segurança, que, à época, cobravam unicamente grau primário completo para ingresso.[6]

Programas especializados[editar | editar código-fonte]

Guardas em serviço na , em 2015.

A GCM mantém os seguintes programas de ação especializada:[7]

  • Proteção Escolar;
  • Proteção Ambiental / Guarda Ambiental;
  • Proteção ao Patrimônio Público;
  • Proteção aos Agente Públicos;
  • Proteção às Pessoas em Situação de Risco;
  • Controle do Espaço Público e Fiscalização do Comércio Ambulante.

Mantém também a Banda e Coral da GCM,[8] além ds projetos sociais "crianças sob nossa Guarda", "Projeto Luz" e "uma idéia sobre rodas".[9]

Órgãos[editar | editar código-fonte]

Os órgãos de comando e operações da GCM são:[10]

  • Comando Geral da Guarda Civil Metropolitana;
  • Subcomando da Guarda Civil Metropolitana;
  • Superintendência de Operações - SOP;
  • Superintendência de Planejamento - SUPLAN;
  • Superintendência de Ações Ambientais e Especializadas - SAE;
  • Comando Operacional 1 (Centro) - COP 1;
  • Comando Operacional 2 (Leste) - COP 2;
  • Comando Operacional 3 (Norte) - COP 3;
  • Comando Operacional 4 (Oeste-Centro) - COP 4;
  • Comando Operacional 5 (Sul) - COP 5;
  • Central de Telecomunicações e de Videomonitoramento – CETEL;
  • Cerimonial e Comunicação – CERCOM.

Referências

  1. a b Pessoa, Wellington Lima. (2010). Guarda Municipal na Constituição Federal como agente de transito e o Estatuto do Desarmamento. [S.l.]: Instituição Toledo de Ensino 
  2. Elias, Evian; Jábali Junior, Paulo. (2013). Formação da Guarda Civil Metropolitana face ao papel do município na segurança (PDF). São Paulo: Escola de Administração de Empresas de São Paulo 
  3. Oliveira, Ivair Antonio Cantelli de. (2016). A Atuação da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo no contexto da Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PDF). Niterói: Universidade Federal Fluminense 
  4. «Operação Brás». Prefeitura de São Paulo. 18 de dezembro de 2018 
  5. «Lei municipal nº 10.115/1986» (PDF). Prefeitura de São Paulo. 16 de setembro de 1986 
  6. «GCM completa 30 anos». Câmara de São Paulo. 2016 
  7. Apresentação GCM. Prefeitura de São Paulo. 18 de novembro de 2020.
  8. Banda e Coral da GCM. Prefeitura de São Paulo. 19 de novembro de 2020.
  9. Projetos Sociais. Prefeitura de São Paulo. 24 de novembro de 2020.
  10. Quem é Quem - Guarda Civil Metropolitana. Prefeitura de São Paulo. 5 de janeiro de 2022.