Polícia Militar de Pernambuco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Polícia Militar de Pernambuco
Brasão PMPE.PNG
Brasão da PMPE
País  Brasil
 Pernambuco
Estado Pernambuco
Corporação Polícia militar
Subordinação Governador do Estado de Pernambuco
Missão Polícia Militar
Sigla PMPE
Criação 11 de junho de 1825
Marcha Canção da PMPE
Cores vermelho, amarelo, azul, verde e preto
História
Guerras/batalhas Guerra do Paraguai
Revolução de 1932
Comando
Comandante Cel. PM José Roberto de Santana
Sede
Guarnição Recife
Página oficial Página Oficial

A Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública no Estado de Pernambuco. Ela é a Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil e é um órgão operativo da Secretaria de Defesa Social (SDS). Seus integrantes são denominados militares (Artigo 42 da Constituição brasileira de 1988, assim como os membros do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Pernambuco.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Polícia Militar de Pernambuco possui origem no Corpo de Polícia criado pelo Imperador D. Pedro I em 1825.(Decreto Imperial, de 11 de junho de 1825). Esse Corpo surgiu em decorrência da Confederação do Equador, movimento republicano revolucionário ocorrido em Pernambuco em 1824, e sufocado pelo Brigadeiro Lima e Silva, que atingiu as Províncias da Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte; cujos revolucionários foram derrotados e vários executados, dentre eles o pernambucano Frei Caneca. Esse Corpo de Polícia era composto de um efetivo inicial de trezentos e vinte homens, organizados em um estado-maior, uma companhia de cavalaria e duas de infantaria.

Seu primeiro quartel era sediado no Pátio do Paraíso, no Recife, onde hoje passa a Avenida Dantas Barreto. O primeiro comandante-geral foi o tenente-coronel do Exército, Antônio Maria da Silva Torres. Contudo, há documentação comprobatória da assunção no cargo de comandante em 18 de agosto de 1822, do Capitão José de Barros Falcão de Lacerda; bem como, de referência à existência de uma polícia, em um contrato datado de 23 de agosto de 1636, de Maurício de Nassau com a Companhia das Índias Ocidentais.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências