Polícia Militar do Estado de Goiás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Polícia Militar do Estado de Goiás
Brasão PMGO mini.PNG
Logo da PMGO
País  Brasil
 Goiás
Estado Goiás
Subordinação Secretaria Estadual de Segurança
Missão Polícia Militar
Sigla PMGO
Criação 28 de julho de 1858
Patrono Tiradentes
Marcha Canção da PMGO
Lema Patrimônio dos Goianos
Sede
Guarnição Goiânia
Internet

A Polícia Militar de Goiás (PMGO) tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública no Estado de Goiás. Ela é Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil. Seus integrantes são denominados Militares dos Estados,[1] assim como os membros do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 28 de julho de 1858, o então presidente da província de Goyaz, Dr. Januário da Gama Cerqueira, sancionou a Resolução nº 13, criando a Força Policial de Goyaz, com ação limitada à capital da província (Vila Boa), Arraia e Palma, fixando seu efetivo em um tenente (João Pereira de Abreu), dois alferes (Aquiles Cardoso de Almeida e Antônio Xavier Nunes da Silva), dois sargentos, um furriel e quarenta e um soldados.

Com a criação da força policial, vários civis foram contratados para o policiamento local. Sem qualquer instrução, com disciplina precária, eles não possuíam qualquer garantia e só recebiam do governo uma pequena diária e ajuda de custo. Usavam como arma apenas um pedaço roliço de madeira (tipo cassetete), que representava o símbolo do poder da Justiça e podiam ser indicados na hora de efetuar uma prisão ou diligência, ou defender alguém de uma agressão. Sem fardamento, nem armas privativas, eles passavam posteriormente a ser escolhidos pelas demonstrações de coragem e por critérios estabelecidos pelos próprios delegados.

Para sediar a Força Policial foi adquirida pela fazenda Provincial, em junho de 1863, uma área de 724m², comprados dos herdeiros do finado coronel João Nunes da Silva, destinada à construção do primeiro Quartel da Força Policial de Goyaz, que abrigou o Comando da Corporação de 1863 a 1936, e atualmente é a sede do 6º BPM na cidade de Goiás.

Os anos se passaram e a força policial começou a ter uma participação ampliada de todas casualidades que surgiram na região centro-oeste. Em 1865, o Paraguai invadiu o Mato Grosso, tendo assim uma guerra entre as províncias, a participação dos recrutas goianos, nesta guerra, foi importantíssima, apesar de não terem enfrentado os invasores paraguaios. Eles eram encarregados do fornecimento de víveres às tropas estabelecidas às margens do Rio Coxim, além de abastecer os diversos acampamentos distribuídos ao sul e ao norte de Mato Grosso.

Novas propostas foram surgindo, em 1893, foi criada a Banda de Música, no comando do major honorário do Exército João Maria Berquó e sob a direção do alferes da Guarda Nacional Joaquim Santana Marques, seu primeiro regente, que comandava uma banda formada, em grande parte, por integrante da antiga Banda de Música da Guarda Nacional e por Músicos de cidades vizinhas como Jaraguá, Pirenópolis e Corumbá. Por volta de 1898, a direção da Banda de Música passou para o Mestre Braz de Arruda, substituído algum tempo depois por seu discípulo João Rodrigues de Araújo, o Mestre Araújo, que permaneceu no cargo até 1933.

A Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889 inicia uma nova fase política que dá maior autonomia aos Estados e, consequentemente, às policias, que tiveram de se amoldar às necessidades impostas pelo novo regime e pela nova constituição. Com o aumento da produção econômica de Goiás, nas primeiras décadas do século XX, tudo se transformou e em consequência dessas mudanças a Polícia goiana, antes denominada Força Policial de Goyaz, foi totalmente reestruturada passando a ser chamada Polícia Militar do Estado de Goiás.

Estrutura Operacional[editar | editar código-fonte]

Recentemente, foi elaborado um estudo aprofundado da descentralização de Comandos que resultou a aprovação da nova metodologia de comando na corporação e foi decretado de imediato a descentralização do Comando de Policiamento do Interior e da Capital. Os antigos CPI e CPM se dividiram em Comandos Regionais. A descentralização em Regionais permite que a Política do Comando Geral da Polícia Militar seja transmitida com maior agilidade, e os problemas sejam detectados e administrados de acordo com as necessidades, tratando especificamente e prioritariamente cada situação na medida exata e com as providências necessárias e atuantes.

Comandos Regionais de Polícia Militar[editar | editar código-fonte]

Comandos Regionais de Polícia Militar
  • 1º Comando Regional de Polícia Militar - Goiânia;
  • 2º Comando Regional de Polícia Militar - Aparecida de Goiânia;
  • 3º Comando Regional de Polícia Militar - Anápolis;
  • 4º Comando Regional de Polícia Militar - Goiás;
  • 5º Comando Regional de Polícia Militar - Luziânia;
  • 6º Comando Regional de Polícia Militar - Itumbiara;
  • 7º Comando Regional de Polícia Militar - Iporá;
  • 8º Comando Regional de Polícia Militar - Rio Verde;
  • 9º Comando Regional de Polícia Militar - Catalão;
  • 10º Comando Regional de Polícia Militar - Ceres;
  • 11º Comando Regional de Polícia Militar - Formosa;
  • 12º Comando Regional de Polícia Militar - Porangatu;
  • 13º Comando Regional de Polícia Militar - Posse;
  • 14º Comando Regional de Polícia Militar - Jataí.

Unidades Especializadas[editar | editar código-fonte]

Unidades de Apoio Administrativo[editar | editar código-fonte]

Colégios da Polícia Militar de Goiás (CPMG)[editar | editar código-fonte]

Veículos[editar | editar código-fonte]

Helicóptero Agusta AW119 Koala, adquirido em 2010.

Aeronaves[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DUARTE; Paulo de Queiróz; O Comando de Osório; 1981.
  • ALENCAR; Vicente Peixoto; Capacete vazio.
  • CUNHA NETO; Oscar; Rio Verde; Apontamentos para sua História - p. 271; 1993.
  • Histórico da PMGO; O Anhanguera - p. 07; 2005.

Referências