Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Comandos Anfibios.jpg

O Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido como Batalhão Tonelero, situado na cidade do Rio de Janeiro, é a unidade militar dos Comandos Anfíbios (COMANF), que são uma tropa de Forças Especiais do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.[1] São eles os Fuzileiros Navais especificamente preparados para o planejamento, condução e execução de Operações Especiais, Operações de Informações e Operações Psicológicas.

Finalidade[editar | editar código-fonte]

Esse batalhão tem a finalidade principal, por meio de Comandos Anfíbios, contribuir para a execução do poder naval, efetuando:

● Reconhecimento especial.

● Guerra não convencional.

● Ação direta.

● Incursão a alvo de alto valor (HVT).

● Resgate de reféns.

● Contra-terrorismo.

● Contra-insurgência.

● Defesa interna no exterior.

● Contra-narcóticos.

● Operações de inteligência.

● Operações clandestinas.

● Missões humanitárias.

● Assistência a forças de segurança.

Organização[editar | editar código-fonte]

O batalhão Tonelero é estruturado em:

  • 1ª Companhia de Reconhecimento
  • 2ª Companhia de Ação de Comandos
  • 3ª Companhia do Grupo Especial de Retomada e Resgate (GERR)
  • Companhia de Comando e Serviços (CCS)
  • Seção de Instrução de Operações Especiais (SIOpE)

Simbolos[editar | editar código-fonte]

Brevê[editar | editar código-fonte]

O símbolo identificativo dos Comandos Anfíbios é o seu brevê de aparência hostil com um crânio trespassado por um raio; significando a morte do inimigo e a velocidade e violência em suas ações, uma âncora; significando fidelidade à Marinha do Brasil e a capacidade de executar operações aquáticas, um par de asas; significando capacidade de operar por meios aéreos, e uma lápide azul; significando a escuridão, ambiente formidável para as atividades dos Comandos Anfíbios.

Gorro preto[editar | editar código-fonte]

Outro símbolo identificativo dos Comandos Anfíbios é o gorro preto que no caso dos militares do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil só os Comandos Anfíbios o utilizam.

Treinamentos do Batalhão[editar | editar código-fonte]

Militares do Batalhão Tonelero e do Bope em simulação de contra-terrorismo no MetrôRio para os Jogos Olímpicos de Verão de 2016.

Os militares do Batalhão Tonelero fazem todos os anos, treinamentos em diversos estados do Brasil,[2][3] e também no exterior buscando o aperfeiçoamento e exatidão de suas técnicas de combate e a capacitação para operar em diferentes ambientes e climas. E também realizam treinamentos em conjunto com departamentos e tropas especiais como o MARSOC e Sayeret Matkal.

Todos os anos militares do Batalhão Tonelero realizam cursos e estágios no Exército Brasileiro que complementam sua formação dentre os quais o Curso Básico de Paraquedista Militar, Curso de Precursor Paraquedista, Curso de Guerra na Selva, Estágio de Operações na Caatinga, Estágio de Operações no Pantanal, entre outros. No próprio batalhão realizam o Curso Expedito de Salto Livre (CEXSAL) e o Curso Expedito de Mergulho Autônomo (C-EXP-MAUT).

Militares do batalhão que falam a lingua inglesa, costumam ser designados para cursos no exterior, especializando-se em unidades como o "MARSOC" do (Marines/EUA) , "Sayeret Matkal" do (IDF / Israel), e "GIGN" da (Gendarmerie Nationale / França)

Missão de Paz no Haiti[editar | editar código-fonte]

Sob a égide das Nações Unidas, os Comandos Anfíbios tiveram um importante papel no combate as guerrilhas que assolavam o território haitiano e causavam grande instabilidade política no país. Em todo contingente de Fuzileiros Navais no Haiti há Comandos Anfíbios, isso ocorre desde 2004 quando o Brasil começou a enviar tropas para aquele país.

Armamentos Leves do Batalhão[editar | editar código-fonte]

Nome Origem Tipo
Taurus PT92  Brasil Pistola
Taurus PT 24/7  Brasil Pistola
COLT SCW  Estados Unidos Fuzil de assalto
Mark 18  Estados Unidos Carabina
Benelli M4  Itália Espingarda
Mossberg 590  EUA Espingarda
Parker Hale M85  Reino Unido Fuzil de precisão
PGM Ultima Ratio  França Fuzil de precisão
PGM Hécate II  França Fuzil Antimaterial
Heckler & Koch UMP  Alemanha Submetralhadora
FN Minimi  Bélgica Metralhadora
AT-4  Suécia Anti-veículo


Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.