Coca-Cola Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Coca-Cola Brasil
thumb
Razão social Coca-Cola Indústrias Ltda.
Empresa de capital fechado
Slogan Para todos
Atividade Bebidas
Gênero Subsidiária
Fundação 18 de abril de 1942 (78 anos)
Sede Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro,  Brasil
Área(s) servida(s) Em todo o Brasil
Proprietário(s) The Coca-Cola Company
Presidente Henrique Braun
Produtos Refrigerantes
Sucos
Água mineral
Energéticos
Chás
Bebidas esportivas
Website oficial www.cocacolabrasil.com.br
Quiosque da Coca-Cola na orla da Praia de Copacabana, Rio de Janeiro

Coca-Cola Brasil faz parte da The Coca-Cola Company. O Sistema Coca-Cola Brasil tem uma engarrafadora própria, a Recofarma Indústrias do Amazonas Ltda., e 39 fábricas ao todo. A Coca-Cola Brasil coordena as empresas de franquias e as estratégias nacionais e regionais de marketing, trabalhando como consultoria exclusiva do Sistema Coca-Cola Brasil. O sistema atua em nove segmentos — refrigerantes, sucos, lácteos, bebidas vegetais, água, águas especiais, água de coco, bebidas esportivas e chás — com uma linha de mais de 200 produtos, entre sabores regulares e versões sem açúcar ou de baixa caloria. É composto por nove grupos de fabricantes franqueados, o Instituto Coca-Cola Brasil, mais Verde Campo e a parceria com Leão Alimentos e Bebidas. O Sistema Coca-Cola Brasil emprega diretamente 57,1 mil funcionários.

No Brasil a Coca-Cola chega em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial. A empresa fabrica no Recife, em Pernambuco, seus primeiros refrigerantes em solo brasileiro, visando atender às Forças Armadas dos Estados Unidos, que utilizavam a cidade como base militar.[1] Em 1942 é instalada no Rio de Janeiro a primeira fábrica própria. A Coca-Cola inaugura sua primeira filial no país em 1943, em São Paulo. Em 1945 a segunda fábrica carioca é aberta. Neste ano o sistema de franquia é iniciado no país. De 1957 a 1962 o concentrado, que antes era importado, começa a ser produzido no Rio de Janeiro. No fim da década de 1960, The Coca-Cola Company contava com mais de 20 fábricas engarrafadoras autorizadas e franqueadas. Nos anos 80 eram 36 franqueadas.

Em 1990 a fábrica Recofarma começa a produzir o concentrado para fazer a bebida. A fábrica engarrafadora Recofarma Indústrias do Amazonas produz e distribui concentrados e bases de bebidas para a fabricação de diferentes produtos.

O crescimento no volume de vendas no ano de 2006 é de 10%, chegando a 6,7 bilhões de litros comercializados. O Sistema Coca-Cola Brasil registra crescimento por dez trimestres consecutivos, atingindo no terceiro trimestre de 2006 vendas 11% superior ao do mesmo período de 2005. O volume global comercializado pela Coca-Cola cresce 5% e o da América Latina, 7%. O Brasil se destaca no desempenho mundial, ao lado de China, Rússia, Argentina, Turquia e partes da Europa, da África e do Oriente Médio. Em 2011, a companhia consolida seu crescimento no mercado brasileiro, avançando 1% no volume de vendas, com 10,7 bilhões de litros vendidos. Em 2012 a empresa anunciou que iria investir R$ 14 bilhões até 2016 com construções de novas fábricas no país.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos no Brasil[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1940, o Brasil entra no cenário da Segunda Guerra Mundial.

  • 1941 – O governo brasileiro autoriza secretamente aos norte-americanos a utilizarem bases aéreas e navais situadas no país para garantir a defesa do continente americano. No dia 26 de julho é publicado no Diário Oficial da União o Decreto Lei número 3.462, de 25 de julho de 1941, uma das primeiras medidas que autorizava a empresa Panair do Brasil a construir, melhorar e aparelhar os aeroportos do Nordeste brasileiro.[3] Desta forma, aviões militares americanos passam a voar para o Brasil com maior frequência, reforçando as bases estratégicas estabelecidas no país. Neste contexto, a Coca-Cola chega em um primeiro momento trazida pelos próprios soldados. Posteriormente, é produzida na Fábrica de Água Mineral Santa Clara no Recife, em Pernambuco. Depois são instaladas minifábricas na capital pernambucana e em Natal, no Rio Grande do Norte , visando atender às tropas. Na época, a política adotada pela empresa em relação à Segunda Guerra Mundial era a de apoiar seus combatentes, oferecendo seus produtos onde quer que estivessem a um preço simbólico de 5 centavos de dólar o copo.[4]
  • 1942 – No dia 18 de abril é inaugurada a primeira fábrica própria da Coca-Cola no Brasil, localizada no bairro de São Cristóvão, no Estado do Rio.[5] Até então, a comercialização da Coca-Cola no país era exclusiva para os soldados americanos. A partir desta data tem início a venda para o mercado brasileiro. Começa a produção de embalagens em vidro com 185ml.
  • 1943 – No dia 6 de janeiro estreia o programa Um milhão de melodias na Rádio Nacional, transmitido às quintas-feiras em horário nobre. O programa é o primeiro a ser patrocinado pela Coca-Cola no Brasil.[6] No dia 28 de janeiro o então presidente americano Franklin Delano Roosevelt vem ao Brasil se encontrar com o presidente Getúlio Vargas, acertando assim o envio de tropas do exército brasileiro para a Segunda Guerra.[7][8] No mesmo ano é inaugurada a primeira filial da Coca-Cola na cidade de São Paulo.
  • 1944 – No dia 1º de setembro é publicada no Diário Oficial da União a autorização para The Coca-Cola Export Sales Company iniciar as atividades no Brasil.[9]
  • 1945 – Em Porto Alegre , no Rio Grande do Sul , a Coca-Cola firma contrato com a então Industrial de Refrescos, passando esta a ser a primeira empresa franqueada da marca no Brasil. A Industrial de Refrescos tinha exclusividade para a produção e comercialização dos produtos da marca Coca-Cola na região Sul. No mesmo ano é inaugurada a segunda fábrica carioca da Coca-Cola, com modernos equipamentos para a época, que eram capazes de produzir até 150 garrafas por minuto.
  • 1946 – É lançado no Brasil o primeiro slogan feito exclusivamente para o mercado brasileiro, Isto sim é da pontinha! “É da pontinha” foi uma expressão popular (gíria) utilizada no Brasil nas décadas de 1930 e 1940, que tinha o significado de algo agradável: “é da pontinha”, “é bom”. Anteriormente, os slogans eram traduções de campanhas americanas do produto.
  • 1948 – Durante o ano são estabelecidas mais quatro franquias que passam a produzir Coca-Cola.[10]

Décadas de 1950 e 1960[editar | editar código-fonte]

CVI Coca-Cola. Regional em Santa Maria, Rio Grande do Sul
Sede da Coca-Cola Brasil na Praia de Botafogo, no Rio de Janeiro

A década de 1950 começa com a Copa do Mundo de Futebol sendo realizada no Brasil, com placas publicitárias ilustradas espalhadas pelo Estádio do Maracanã.[11][12]

  • 1952 – É lançado o slogan da Coca-Cola Isso faz um bem. Até então a empresa vinha enfrentando problemas no mercado brasileiro, pois o refrigerante não era bem visto pelo público. Diversos boatos sobre procedência e malefícios à saúde faziam parte das rodas de conversas. O Guaraná Champagne Antarctica era o refrigerante de maior aceitação entre os brasileiros naquela época. Dados de 1954 mostram que o refrigerante tinha 46% de preferência do público.
  • 1953 – A Coca-Cola se empenha em desmistificar a imagem do refrigerante. A empresa lança cartazes que comparavam a água utilizada na fabricação da bebida a dos límpidos e cristalinos rios da Amazônia brasileira.
  • 1954 – É apresentado o primeiro cartaz de Natal da Coca-Cola Brasil trazendo Papai Noel com o slogan Isso faz um bem.
  • 1955 – A Coca-Cola lança o primeiro comercial da marca para a televisão brasileira, intitulado Coca-Cola faz um bem. O comercial tinha como tema o samba e Carmem Miranda. O locutor Carlos Henrique anuncia o comercial que é protagonizado pela cantora e atriz Doris Monteiro.[13]
  • 1957 – A Coca-Cola faz em parceria com o jornal Última Hora o concurso Tamborim de Ouro com um desfile extra realizado antes do carnaval carioca. As escolas desfilavam com o tema Coca-Cola[14] e o evento acontecia na Praça VII, hoje Praça Barão de Drummond, no Rio de Janeiro . A partir deste ano, os concentrados para a fabricação do xarope, até então importados dos Estados Unidos , passam a ser fabricados na matriz do Rio de Janeiro.
  • 1959 – A empresa promove a venda à domicílio em São Paulo, implantando o conceito de vasilhame retornável em embalagem de vidro de 760ml, conhecida como tamanho família.[15] Até então, a maior freguesia da Coca-Cola estava em bares, sorveterias, casas de doces e restaurantes. No final do ano, a Coca-Cola lança garrafas de 290ml.
  • 1962 – O concentrado da Coca-Cola passa a ser produzido na fábrica do Rio de Janeiro.
  • 1967Caetano Veloso lança a canção Alegria, Alegria, que cita a Coca-Cola no verso "Eu tomo uma Coca-Cola, Ela pensa em casamento".[16] Alegria, Alegria não é uma propaganda do refrigerante Coca-Cola. No final da década de 1960 , o Brasil contava com 20 fábricas de Coca-Cola espalhadas pelo país.[17]

Décadas de 1970 e 1980[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970 são abertas mais 15 fábricas da Coca-Cola no Brasil. Começam a ser distribuídas as máquinas de post-mix, que possibilitam uma ampliação da rede de fornecedores devido à economia de espaço, atingindo lanchonetes, cinemas, clubes e diversos pontos de venda.[18][19] O slogan da época, Isso é que é, exaltava a natureza e a paz.

  • 1979 – Surgem os slogans Dá mais vida e Abra um sorriso, associando a marca à felicidade e aos bons momentos.
  • 1981 – A Coca-Cola é lançada em embalagem de lata.[20]
  • 1982 – Chega ao mercado brasileiro a Diet Coke.[21][22][23]
  • 1985 – O refrigerante Coca-Cola é retirado do mercado e surge a New Coke. O fato foi desaprovado pelos consumidores.[24][25]
  • 1986 – Os 100 anos da Coca-Cola são comemorados no Brasil e em todo o mundo.[10]
  • 1987 – Coca-Cola patrocina a Copa União, o maior contrato esportivo feito por uma empresa privada no país até então. Mais quatro novas fábricas entram em operação neste ano. Uma nova campanha mundial é lançada, com a canção Águas de Março de Tom Jobim.[10][26]
  • 1988 – É lançada a Coca-Cola em embalagem sem retorno e a tampa com rosca em metal. São relançadas garrafas colecionáveis em miniaturas.[10][27][28]

Décadas de 1990 e 2000[editar | editar código-fonte]

  • 1990 – A Coca-Cola patrocina todas as categorias da Seleção Brasileira de Futebol. O concentrado da Coca-Cola passa a ser fabricado em Manaus e distribuído para as fábricas em todo o Brasil.[10] São lançadas a Big Coke (2 litros), a embalagem de 1,25 litro e a lata de alumínio 100% reciclável.[29]
  • 1991 – A Coca-Cola é lançada em embalagem PET descartável.[20]
  • 1992 – A Coca-Cola completa 50 anos no Brasil. Em comemoração à data, promove a exposição Coca-Cola 50 Anos com Arte, reunindo 25 obras de artistas plásticos e fotógrafos brasileiros. As mostras aconteceram no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ).[30][31] É inaugurada a maior fábrica da Coca-Cola na América Latina, na cidade de Jundiaí em São Paulo. São lançadas as Coke Machines (máquinas para vender refrigerantes em lata).[32]
  • 1993 – A Coca-Cola passa a apoiar em todo o planeta o Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias. No mesmo ano, os ursos polares desenvolvidos em animação 3D aparecem pela primeira vez na campanha Sempre Coca-Cola, no comercial chamado Northern Lights.[33][34][35]
  • 1995 – A Coca-Cola lança no Brasil a primeira lata com o tema Papai Noel. Também é lançada, em caráter regional, a primeira lata de Coca-Cola na cor azul, edição especial para o Festival de Parintins que acontece no Amazonas.[36][37][38]
  • 1997 – A Coca-Cola passa a ter o seu produto em forma light, inaugurando este segmento no Brasil.[10][39]
  • 1999 – Surge a embalagem PET de 2,5 litros.
  • 2001 – É relançada no mercado brasileiro a garrafa contour de 237ml.[40][41]
  • 2003 – A Coca-Cola firma com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) patrocínio a equipes olímpicas, entre elas ginástica artística e judô , visando à preparação para os Jogos Olímpicos de 2004 em Atenas.[42]
  • 2005 – No dia 21 de fevereiro é lançada a Coca-Cola em minilata de 250ml. Em junho chega ao mercado a garrafa de vidro de 200ml.
  • 2006 – A Coca-Cola compra a Del Valle.[43]
  • 2007 – A Coca-Cola Zero é lançada.[44] A emissora de televisão MTV apresenta em parceria com a Coca-Cola o programa musical Estúdio Coca-Cola.[45] A Coca-Cola compra a Leão.[46]
  • 2009 – A Coca-Cola lança para todos os seus produtos um novo tamanho de tampas de garrafas PET, chamado xtra-lok mini, com quatro milímetros a menos que as tampas do padrão antigo. Com este novo tamanho, a companhia estimou que até 2012 o total de resina economizada equivalesse à mesma quantidade necessária para produzir 120 milhões de garrafas PET de 2 litros.[47]

Décadas de 2010 e 2020[editar | editar código-fonte]

  • 2010 – É lançada a Coca-Cola Light Plus, versão da Coca-Cola Light (sem açúcar) enriquecida com vitaminas.[48] Em 25 de março é apresentada a primeira garrafa feita a partir de cana-de-açúcar, batizada PlantBottle.[49][50] No mesmo mês a Coca-Cola adotou o Largo Glênio Peres e a Praça XV, pontos tradicionais do Centro Histórico de Porto Alegre.[51] Em 16 de abril, em Maceió, Alagoas, a Coca-Cola abre a primeira fábrica verde da América Latina, com iluminação natural, recursos para diminuir a liberação de CO² na atmosfera e um sistema de uso eficiente da água.[52]
  • 2015 – É inaugurada a fábrica da Coca-Cola em Itabirito, Minas Gerais, uma das maiores do mundo.
  • 2016 – A Coca-Cola começa a produzir e vender refrigerantes nos sabores Vanilla (baunilha) e Cherry (cereja).[53] A Coca-Cola compra a empresa mineira Verde Campo e a Ades.[54][55] Em 1º de setembro, Henrique Braun assume a presidência da Coca-Cola Brasil.[56]
  • 2017 – A fábrica de Jundiaí, em São Paulo, é a maior do mundo em volume de produção.[57]
  • 2018 – Em 19 de janeiro é anunciada a meta, a ser alcançada até 2030, de coletar e reciclar uma embalagem para cada garrafa ou lata de bebida vendida pela companhia. Para isso, a Coca-Cola Brasil trabalhará com parceiros, incluindo cooperativas de reciclagem, e investirá em embalagens retornáveis. É uma meta mundial de The Coca-Cola Company coletar e reciclar até 2030 o equivalente a 100% das suas embalagens que chegam ao mercado. Também até 2030, 50% de todo o PET utilizado pela companhia será rPet (resina reciclada). Outro objetivo global da empresa é usar 100% de embalagens recicláveis até 2025.[58] É lançada a nova marca institucional. Se antes era usada a tipografia da bebida mais icônica, agora há uma nova fonte rodeada por imagens de produtos que representam a variedade de opções.[59]
  • 2019 – No dia 25 de junho é inaugurada uma nova fábrica em Duque de Caxias, no Estado do Rio.[60] O Instituto Coca-Cola Brasil, voltado para o desenvolvimento de comunidades de baixa renda, completa 20 anos.[61]
  • 2020 – O Sistema Coca-Cola Brasil é o maior produtor de bebidas não alcoólicas do país. A partir das garrafas de vidro com 185ml de Coca-Cola, a companhia ampliou seu portfólio e hoje tem mais de 200 produtos de nove segmentos, em opções com baixas calorias ou sem açúcar, e em diferentes tamanhos de embalagens. O Sistema Coca-Cola Brasil é composto por nove grupos de fabricantes franqueados, o Instituto Coca-Cola Brasil, mais Verde Campo e a parceria com Leão Alimentos e Bebidas. Em setembro, o CEO da Coca-Cola Brasil, Henrique Braun, assume o comando da empresa na América Latina.[62][63]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Linha do tempo: conheça a história da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. 24 de maio de 2016. Consultado em 4 de abril de 2017 
  2. «Coca-Cola prevê investir R$ 14 bilhões no Brasil até 2016». Folha de S.Paulo. 30 de março de 2012. Consultado em 14 de junho de 2012 
  3. Diário Oficial da União. «Decreto-lei n. 3462 de 25 de julho de 1941». Consultado em 9 de novembro de 2020 
  4. «Linha do tempo: conheça a história da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. 24 de maio de 2016. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  5. «Almanaque Folha Cotidiano». Folha de S.Paulo. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  6. BRAGA & COHEN, Kadu & Marina (22 de dezembro de 2017). «Sete curiosidades sobre os 75 anos da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  7. CORRÊA DO LAGO, Pedro (4 de junho de 2013). «A dedicatória de Roosevelt para Getúlio Vargas». Piauí. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  8. SCHOSSLER, Alexandre (6 de maio de 2015). «Brasil relutou até entrar na Guerra ao lado dos Aliados». DW.com. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  9. «Decreto nº 16.393, de 22 de Agosto de 1944 - DEC-16393-1944-08-22 - 16393/44 :: Legislação::Decreto 16393/1944 (Federal - Brasil) ::». www.lexml.gov.br. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  10. a b c d e f «O timeline da indústria de refrigerantes». Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (Abir). Consultado em 9 de novembro de 2020. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2006 
  11. HEPBURN, Matthew (16 de fevereiro de 2018). «Linha do tempo: a história da Coca-Cola na Copa do Mundo da FIFA». Coca-Cola Journey. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  12. «Coca-Cola se veste para a Copa no Brasil». Meio & Mensagem. 13 de maio de 2013. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  13. CARDOSO, Tom (23 de setembro de 2011). «A bossa de Doris». Valor. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  14. MEDEIROS, Alexandre (2 de agosto de 2016). «Samba, suor e Coca-Cola». Rádio Arquibancada. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  15. REIS JR., Dalmir. «Coca-Cola (Família) - Anos 50». Propagandas Históricas. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  16. VELOSO, Caetano (1967). «Alegria, Alegria». Letras.mus.br. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  17. «Linha do tempo: conheça a história da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. 24 de maio de 2016. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  18. BRAGA & COHEN, Kadu & Marina (22 de dezembro de 2017). «Sete curiosidades sobre os 75 anos da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  19. G.LAB (8 de dezembro de 2017). «Coca-Cola Brasil comemora 75 anos com livro criado por Agência O Globo em parceria com WMcCann». O Globo. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  20. a b «História: linha do tempo». Renosa. Consultado em 10 de novembro de 2020. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2010 
  21. «Crônicas da Coca-Cola: um negócio global». Coca-Cola Journey. 12 de abril de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  22. «Conheça os 130 anos da evolução do logotipo da Coca-Cola». Coca-Cola Journey. 12 de maio de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  23. Coca-Cola Brasil (30 de junho de 2017). «Coca-Cola Brasil adota estratégia para atender consumidores em constante mudança». O Globo. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  24. The Coca-Cola Company (13 de novembro de 2012). «O dia em que a nossa fórmula mudou: a verdadeira história da New Coke». Coca-Cola Journey. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  25. SHAW, Lucas (21 de maio de 2019). «Fracasso épico da Coca-Cola, "New Coke" está de volta — graças à Netflix». Exame. Bloomberg. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  26. MALTA, Pedro Paulo (25 de janeiro de 2017). «Tom Jobim, 90 anos: as memórias do maestro no Cedoc Funarte». Funarte. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  27. Folha Online (27 de agosto de 2003). «Coca-Cola relança garrafas em miniatura, mas agora com glitter». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  28. Uol Start (8 de agosto de 2017). «Afinal, o que tinha dentro da minigarrafinha de Coca-Cola?». Uol. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  29. «História da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  30. Itaú Cultural (3 de junho de 1992). «Coca-Cola 50 Anos com Arte (1992 : São Paulo, SP)». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  31. Itaú Cultural (30 de abril de 1992). «Coca-Cola 50 Anos com Arte (1992 : Rio de Janeiro, RJ)». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  32. MISSIAGGIA, Mariana (16 de maio de 2016). «De atum a flores, vending machines conquistam novos empreendedores». Diário do Comércio. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  33. PEZZOTTI, Renato (14 de dezembro de 2018). «Coca-Cola vende versão de pelúcia de urso polar dos anúncios por R$ 30». economia.uol.com.br. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  34. The Coca-Cola Company (31 de outubro de 2018). «Dez curiosidades sobre os mascotes mais fofos e populares da Coca-Cola: os ursos polares». Coca-Cola Journey. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  35. The Coca-Cola Company (30 de outubro de 2018). «Ícones da Coca-Cola, ursos polares completam 25 anos de animação». Coca-Cola Journey. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  36. SOUZA, Marina (1 de julho de 2012). «Marcas internacionais mudam de cor para agradar dois bois, em Parintins». G1. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  37. SIMON, Cris (25 de agosto de 2010). «Coca-Cola - edições especiais Parintins». Exame. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  38. FREIRE, Ricardo (1999). «A Coca-Cola azul e outros baratos de Parintins». Viaje na Viagem. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  39. Folha de S.Paulo Cotidiano (8 de junho de 1997). «Coca diet será tirada do mercado». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  40. FUTEMA, Fabiana (13 de fevereiro de 2001). «Coca-Cola relança garrafa original da companhia criada em 1913». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  41. Coca-Cola Brasil (24 de maio de 2016). «Linha do tempo: conheça a história da Coca-Cola Brasil». Coca-Cola Journey. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  42. Monitor Mercantil (10 de março de 2003). «Coca-Cola patrocinará atletas brasileiros em Atenas 2004». Consultado em 11 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2020 
  43. «Femsa e Coca-Cola compram Del Valle». Valor. 20 de dezembro de 2006. Consultado em 21 de julho de 2020 
  44. RIBEIRO, Fabiana (13 de fevereiro de 2008). «Vendas da Coca-Cola crescem 16% em 2007». O Globo. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  45. ROMANINI, Juliane. «Assista e relembre 7 grandes parcerias musicais do Estúdio Coca-Cola». Guia da Semana (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2020 
  46. «Coca-Cola compra Matte Leão». O Globo. 21 de março de 2007. Consultado em 21 de julho de 2020 
  47. Instituto Ventura (8 de setembro de 2009). «Empresa lança embalagem PET com menos resina de petróleo». Consultado em 11 de novembro de 2020 
  48. CIGANA, Caio (5 de janeiro de 2010). «Coca Light dá lugar a versão vitaminada». GZH. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  49. «Coca-Cola Brasil lança garrafa "PlantBottle" | Brasil Alimentos». Brasil Alimentos. 5 de abril de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  50. Coca-Cola Brasil (24 de junho de 2016). «Embalagens: como minimizamos o nosso impacto desde a concepção até o descarte final». Coca-Cola Journey. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  51. «Coca-Cola vai adotar parte do Centro Histórico de Porto Alegre». Jornal do Comércio. 24 de março de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  52. SÁ, Sylvia de (20 de abril de 2010). «Coca-Cola abre 1ª fábrica verde da América Latina no Brasil». Exame. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  53. «Lançada no Brasil edição limitada de Coca-Cola sabor baunilha e cereja». G1. 29 de junho de 2016 
  54. «Marca Verde Campo, de Lavras, é vendida à gigante Coca-Cola em novo modelo de negócio». Hoje em Dia. Consultado em 21 de julho de 2020 
  55. «Por que a Coca-Colacomprou a AdeS». Época Negócios. Consultado em 21 de julho de 2020 
  56. «Henrique Braun assumirá comando da Coca-Cola no Brasil». VEJA. 25 de maio de 2016. Consultado em 21 de julho de 2020 
  57. FERNANDES, Yuri (14 de dezembro de 2017). «Fãs dos artistas que participam da nova campanha de música conhecem a maior fábrica de Coca-Cola do mundo». Coca-Cola Journey 
  58. «The Coca-Cola Company anuncia novo plano global para ajudar a criar um mundo sem resíduos». Coca-Cola Journey. 19 de janeiro de 2018. Consultado em 21 de julho de 2020 
  59. MORETT, Ana Carolina (10 de dezembro de 2018). «Por dentro da nova logomarca: Marina Peixoto, diretora de Comunicação, comenta os caminhos da Coca-Cola Brasil rumo a uma 'empresa total de bebidas'». Coca-Cola Journey. Consultado em 21 de julho de 2020 
  60. «Coca-Cola inaugura fábrica em Duque de Caxias». O Dia. 26 de junho de 2019. Consultado em 21 de julho de 2020 
  61. COHEN, Marina (29 de agosto de 2019). «Instituto Coca-Cola Brasil faz 20 anos com a missão de gerar impacto social em escala pelo Brasil». Coca-Cola Journey. Consultado em 21 de julho de 2020 
  62. PACETE, Luiz Gustavo (2 de setembro de 2020). «Henrique Braun assume a Coca-Cola na América Latina». Meio & Mensagem. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  63. «Henrique Braun assume comando da Coca-Cola América Latina». EmbalagemMarca. 2 de setembro de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]