Iemereana-Cristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Iemereana-Cristo
Negus do Reino Zagué
Reinado século XII
Antecessor(a) Germa Seium
Sucessor(a) Harbé
 
Pai Germa Seium

Iemereana-Cristo[1] (Yemrehana Krestos), chamado Abraão por Francisco Álvares,[2] foi negus (rei) do Reino Zagué que reinou em período incerto no século XII.

Vida[editar | editar código-fonte]

Segundo Taddesse Tamrat, Iemereana era filho de Germa Seium, irmão de Tentauidim;[3] no entanto, o estudioso italiano Carlo Conti Rossini publicou em 1902 um documento que afirmava que foi o sucessor de Neacueto-Leabe e então sucedido por Ietbaraque.[4] De acordo com um manuscrito que Pero Pais e Manuel de Almeida viram em Axum (onde é chamado "Inra"), governou por 40 anos, um número suspeito e redondo.[5]

Taddesse Tamrat o descreve como negus mais próximo de um padre, observando que insistia em governar o país de acordo com os cânones apostólicos.[6] Stuart Munro-Hay especula que "a descrição de Abu Sale dos reis da Abissínia como sacerdotes poderia ter sido baseada em informações sobre esse governante que havia chegado ao Egito."[7] Francisco Álvares também registrou a tradição de que foi Iemereana quem iniciou a tradição de confinar os herdeiros rivais ao trono imperial em Amba Gexém.[8]

Iemereana é creditado com a construção de uma igreja de pedra construída no estilo axumita, que leva seu nome. Localizada a 20 quilômetros a nordeste de Lalibela, a Igreja de Iemereana-Cristo foi construída numa grande caverna voltada para nordeste, no lado oeste do Monte Abuná José. Até a construção de uma estrada em 2000, de acordo com David Phillipson, essa igreja só era alcançável após "a árdua jornada de um longo dia a pé ou de mula.[9]

Referências

  1. Silva 1992, p. 282.
  2. Beckingham 1961, p. 203.
  3. Tamrat 1972, p. 56n.
  4. Budge 1928, p. 277.
  5. Huntingford 1965, p. 8.
  6. Tamrat 1972, p. 61, nota 3.
  7. Munro-Hay 2002, p. 225.
  8. Beckingham 1961, capítulo 59.
  9. Phillipson 2009, p. 75ff.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beckingham, C. F.; Huntingford, G. W. B. (1961). The Prester John of the Indies: A True Relation of the Lands of Prester John, being the Narrative of the Portuguese Embassy to Ethiopia in 1520 written by Father Francisco Alvares. I. Cambrígia: Sociedade Hakluyt 
  • Budge, E. A. Wallis (1928). A history of Ethiopia, Nubia and Abyssinia Vol. I. Condado de Iorque do Norte: Methuen 
  • Huntingford, G. W. B. (1965). «The Wealth of Kings' and the End of the Zāguē Dynasty». Boletim da Escola de Estudos Orientais e Africanos. 28 
  • Munro-Hay, Stuart (2002). Ethiopia, the unknown land: a cultural and historical guide. Londres: I. B. Tauris 
  • Phillipson, David W. (2009). Ancient Churches of Ethiopia. New Haven: Imprensa da Universidade de Yale 
  • Silva, Alberto da Costa (1992). «10. Etiópia, a Alta». A Enxada e a Lança - A África Antes dos Portugueses. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira Participações S.A. ISBN 978-85-209-3947-5 
  • Tamrat, Taddesse (1972). Church and State in Ethiopia. Oxônia: Imprensa Clarendon. ISBN 0-19-821671-8