Igreja Presbiteriana de Campinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Igreja Presbiteriana de Campinas, na sua forma jurídica atual, surgiu em 1903. Essa data assinala, na história da Igreja Presbiteriana do Brasil, a ocorrência de um cisma e conseqüente formação da Igreja Presbiteriana Independente.

Da Igreja de Campinas, então existentes, a maioria passou para a Independente, acompanhando o Rev. Bento Ferraz, que era professor no Ginásio do Estado e que, depois de afastado do pastorado, voltara a ele, nesta cidade, sem contudo regularizar sua situação perante o Presbitério de Minas Gerais. O pastor titular, desde 1894, era o Rev. Flamínio Rodrigues, que, por razões pessoais, na ocasião do cisma estava numa fazenda em Descalvado. Retornando a Campinas, e sabendo da decisão da Assembleia Geral da Igreja, de aderir ao movimento independente, contestou a validade de tal assembleia, pois que o Rev. Bento Ferraz, não sendo o pastor titular, não tinha autoridade para fazer convocação alguma. Flamínio fez a contestação pela imprensa local, e ao mesmo tempo, convocou os que não fossem separatistas a que comparecessem no prédio do antigo Colégio Internacional, então desocupado. A primeira reunião se deu a 9 de agosto. Estava formada a Igreja Presbiteriana de Campinas, com sete membros. Houve pleito judicial pela posse do templo, da Rua Luzitana.

O Rev. Flamínio Rodrigues continuou no pastorado até 1905, quando foi substituído pelo Rev. Herculano Gouvêa. Só mais tarde, no pastorado do Rev. Zacarias de Miranda, é que foi adquirido o terreno perto do Mercado, e, no pastorado do Rev. Miguel Rizzo, construído o templo naquele local. Mas, nada disso teria sido possível, sem a Igreja da Rua Luzitana.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Igreja Presbiteriana de Campinas conta em sua história com diversos períodos.

O primeiro período da sua existência oficialmente reconhecida é o de julho de 1870 a julho de 1903. O segundo período é o que abrange o novo começo, em 9 de agosto de 1903, vem até à presente data.

Primeiros semeadores[editar | editar código-fonte]

Não há informações detalhadas sobre os primeiros trabalhos evangélicos em Campinas. Os primeiros nomes de que se tem registro são os do Rev. Kidder (em 1839) e do Rev. Fletcher (em 1855). Kidder era agente da Sociedade Bíblica Americana. De 1860 a 1870 estiveram em Campinas e realizaram algum trabalho evangélico na cidade e região os seguintes servos de Deus: Ashbel Green Simonton (1860), F.J.C. Schneider (1862), Emanuel N. Pires (1866-1867), Thomas C. Carter (1867; morreu de tísica no mesmo ano), George Nash Morton (1868-1892) e Eduardo Lane (1869-1892). A Morton se deve o estabelecimento em Campinas da sede da Missão do Sul do Brasil. E Morton e Lane fundaram o Colégio Internacional, em 1869. Morton e Lane têm os seus nomes em ruas da cidade de Campinas. Nesse período houve a Guerra de Secessão, nos Estados Unidos, com a derrota dos Confederados (do sul). Muitos sulistas emigraram para o Brasil e numerosas famílias se instalaram na região de Campinas (Americana e Santa Bárbara d'Oeste). Vieram alguns ministros para atendê-los pastoralmente. É inegável a importância da presença deles para o desenvolvimento da obra evangélica na região de Campinas.

1870 a 1903[editar | editar código-fonte]

A julgar por um relatório do Rev. Chamberlain, em outubro de 1870 a Igreja Presbiteriana de Campinas já estava organizada, e o Rev.George Nash Morton era o seu pastor. Na verdade, Morton cuidava mais do Colégio Internacional, e o maior atendimento pastoral era dado pelo Rev. Eduardo Lane. Este foi também quem possibilitou a construção do edifício do Colégio Internacional (em 1874, à Rua Dr. Quirino) e do primeiro templo presbiteriano da cidade (em 1878, à Rua Luzitana). Ambos os edifícios são hoje inexistentes. Após a morte do Rev. Eduardo Lane, vitimado pela febre amarela, o Colégio Internacional foi transferido para Lavras, MG.

Logo teve início uma fase muito difícil, em que a epidemia de febre amarela grassava e fazia as suas vítimas, ceifando inclusive a preciosa vida do Rev. Eduardo Lane. Para a causa do Evangelho surgiram outras dificuldades que afetaram as relações entre os missionários e alguns líderes brasileiros. Nesse período extraordinariamente difícil exerceu o pastorado da Igreja Presbiteriana de Campinas o Rev. Flamínio Rodrigues. Este ministro continuou pastoreando o pequenino rebanho que permaneceu depois da cisão que deu origem à Igreja Presbiteriana Independente.

1903 a 1993[editar | editar código-fonte]

Os remanescentes do presbiterianinismo oriundo da obra estabelecida em 1870 e ligada ao movimento iniciado com a vinda de Simonton em 1859, foram desalojados do seu templo e passaram a reunir-se no Colégio Internacional, sob o pastorado do Rev. Flamínio Rodrigues. No pastorado do Rev. Zacarias de Miranda (1909-1912), foi adquirido o terreno da Rua Bernardino de Campos,792, e foi construído um salão de cultos, utilizado pela Igreja até o ano de 1925. O templo da Rua Bernardino de Campos, 792, foi construído durante o pastorado do Rev. Miguel Rizzo Jr. e começou a ser usado pela Igreja em 1925.

Do longo pastorado do Rev. José Borges dos Santos Jr.(1926 - 1941), anotamos aqui estes fatos: l. Realizaram-se campanhas evangelísticas com pregadores como o ex-padre Gióia Martins e os reverendos George Ridout, Motta Sobrinho e Valério Silva. 2. Houve expansão da obra com pontos de pregação ou trabalhos filiais em Jacuba, Bonfim, Asilo, Areião, Vila Almeida e a Colônia de Hansenianos de Pirapitingüi-Ponte Preta. 3. Foi feita a aquisição do terreno em que está o Edifício de Educação Religiosa, e foi construída a primeira etapa, a parte térrea, o que exigiu grande esforço de todos. 4.Registram-se desse período nomes de"leigos"muito consagrados, como os do casal Cesira e Joaquim Aymoré Marques na Vila Marieta; os das irmãs Cesira Marques, Ana Luíza F. Borges, Amélia Kerr Nogueira, Maria Eulália Ferraz, Licínia Nogueira de Souza, Lucy Kohn, Aurora Kerr, entre outras, da Sociedade Auxiliadora Feminina; o da irmã Maria Eulália Ferraz, com sua extraordinária participação numa campanha evangelística, quando ela fez, pessoal e individualmente, nove mil convites; e o nome de Tiago Florêncio do Carmo, que, entendido em construção, prestou grande ajuda à obra de construção do Edifício de Educação Religiosa. No também longo pastorado do Rev. Américo (1944 - 1958), teve início a publicação do Boletim Domincal; concluiu-se a construção do Edifício de Educação Religiosa (1948); desenvolveram-se os trabalhos dos homens e dos jovens, além da SAF, mais antiga; houve grande ênfase à evangelização, ressaltando-se os trabalhos da "Sociedade de Evangelização"e da "Banda Evangelizadora"criada por David Battaglin, e numerosas conferências. A lista de conferencistas daquele período é longa, de pregadores nacionais e estrangeiros, dos quais registramos aqui os seguintes: Stanley Jones, T. Z. Koo, John A. Mackay, Edwin Orr (avivalista da ênfase à "plena submissão"ao Senhor), Toyohiko Kogowa; pastores brasileiros; e "leigos", dentre os quais Flamínio Fávero, Camilo Ashcar e Osny Silveira. À lista de pontos de pregação ou trabalhos filiais dada acima, acrescentam-se Bosque, Seminário, Novo Campos Elísios, Vila Prost de Souza e Itatiba. Em 1955 foi adquirido o terreno anexo ao Edifício de Educação Religiosa - uma área de 1534 m2. Nesse período fundou-se a Escola Erasmo Braga.

No pastorado do Rev. Marcelino Pires Carvalho (1858 e1959), o ponto marcante foi a organização da Igreja Presbiteriana de Jardim Guanabara. No pastorado do Rev.Nathanael de Almeida Leitão foi construída a casa pastoral (Av. Andrade Neves, 1717). Durante o pastorado do Rev. Odayr Olivetti (1966 e 1967) foi reaberto o Ponto de Pregação de Jardim Proença (1966) e foi iniciada a construção da primeira etapa do templo naquele bairro; foram feitas as primeiras incursões evangelísticas em Jardim Eulina e Jardim Nova Europa; foi adquirido terreno em Santa Bárbara d' Oeste (parte da gleba em que se instalou e funciona o Acampamento Presbiteriano); foi dada bolsa de estudos para ajudar um jovem que estudava no Instituto Palavra da Vida. Aquele jovem veio a ser o Rev. Oduvaldo M. Pereira, ministro presbiteriano, com especialização no exterior para o trabalho cristão com crianças. Do longo e profícuo pastorado dos reverendos Júlio Andrade Ferreira e Carlos Aranha Neto (ambos, de 1968 a 1974; o Rev. Carlos, até 1990), registramos o seguinte apanhado: Foi feita revisão do rol; com o desenvolvimento da cidade, desenvolveu-se também a Obra dos bairros, e foram organizadas as igrejas Ebenezer (na Vila Industrial), em 1964, Hortolândia e São Bernardo (Bethel), ambas em 1965. Em 1970 foram adquiridos terrenos em Sousas e em Jardim Paranapanema, e neste foram construídas salas para os cultos e para a Escola Dominical. Em 1971 foi concluído o templo de Jardim Proença. Em 1972, à lista de trabalhos nos bairros e distritos somam-se os de Sousas (fechando-se o de Joaquim Egídio) e Jardim Paranapanema (e mais um Ponto de Pregação mantido pela Congregação de Vila Marieta).

Em 1972, constatada a necessidade de reforma total do templo da Bernardino de Campos com Ernesto Kulmann, o Conselho optou pela construção de um novo templo - o atual, à Rua General Osório, 619, no terreno que já pertencia à Igreja Presbiteriana de Campinas. O Edifício de Educação Religiosa passou a sediar todos os trabalhos da Igreja,os cultos inclusive, a partir de 12 de março de 1972. O templo atual foi consagrado ao Senhor em 09 de agosto de 1974.

De 1975 em diante, a Obra continuou a desenvolver-se. Iniciaram-se os trabalhos na Vila Formosa, Jardim Garcia, Matão e Jardim Esmeraldina. Surgiram novas modalidades de trabalho, como os Grupos Familiares (de estudo bíblico e oração) e o Encontro de Casais - com grande contribuição positiva, mas dando lugar a algumas dificuldades que interromperam o ritmo de crescimento numérico da Igreja. No segundo pastorado do Rev. Odayr Olivetti, iniciado em janeiro de 1991, Deus concedeu à Igreja a bênção da pacificação geral e da retomada do crescimento espiritual, e mesmo numérico, em ritmo sóbrio, havendo-se realizado uma atualização não exaustiva mas realista do Rol de Comungantes. Em 1991 foi recebida de volta como Congregação a Igreja de Vila Marieta, dissolvida pelo Presbitério por falta de adequada sustentação; foi adquirido um terreno em Matão; foram iniciados trabalhos de Escola Dominical Pioneira e evangelização numa residência de família em Jardim Rosolém (fins de 1991); foi executada uma custosa e completa reforma da parte interna do Edifício de Educação Religiosa (do térreo ao 3º pavimento). Em 1992, foi iniciada a construção de templo e salas em Matão; foi novamente organizada a Igreja de Vila Marieta, que recobrou o impulso para o progresso, no Senhor; foi criada (na sede) uma Comissão de Recepção a visitantes que tem prestado valioso serviço cristão. Em 1993 (primeiro semestre): deu-se prosseguimento à construção em Matão, concluindo-se as partes essenciais; alugou-se excelente casa em Jardim Rosolém, para a realização dos trabalhos; iniciaram-se em Sousas dois trabalhos de atendimento a carentes: Um com meninas adolescentes (artesanato profissional; orientação moral e espiritual; merenda); outro, ao ar livre, com meninos adolescentes (evangelização, orientação moral e espiritual, merenda); foram organizadas as igrejas de Jardim Paranapanema (fevereiro) e de Jardim Garcia (junho).

Igrejas organizadas pela IPC e suas filhas[editar | editar código-fonte]

  • Jardim Guanabara (1959) que organizou as igrejas de:
Jardim Licínia (1970), Barão Geraldo (1982), Paulínia, Parque Taquaral (1982), Jardim Conceição (1988), Jardim Santa Mônica, Valinhos (1983).
  • Ebenezer (1964)
  • Novo Campos Elísios (1964)
  • São Bernardo (Bethel) (1965)
  • Hortolândia (antiga Jacuba) (1965)
  • Jardim Proença (1976)
  • Jardim Nova Europa
  • Jardim Flamboyant
Ação conjunta da Igreja Presbiteriana de Campinas, Central, com a Igreja Presbiteriana de Jardim Guanabara e filha desta, Nova Jerusalém (1989)
  • Vila Marieta, organização (1980), reorganização (1992)
  • Jardim Paranapanema (1993)
  • Jardim Garcia (1993)
  • Souzas (1996)
  • Jardim Esmeraldina (2006)
  • Parque Industrial (2013)
  • Bairro Matão (2015)

Todas as igrejas de Campinas, mais as de Hortolândia, Itatiba e Valinhos, são filhas ou netas da IPCAMP.

Primeiro rol de membros[editar | editar código-fonte]

Há no arquivo da Igreja uma antiga caderneta (adquirida na "Casa Mascotte, de Campinas"). Praticamente a mesma relação é registrada à mão três vezes. As duas primeiras foram canceladas com X. Na sequência do livro há outras relações. A primeira relação, nas páginas 2 a 7, traz o título: "Rol dos membros em plena communha (sic) da Egreja Presb. de Campinas". Nela estão registrados os nomes, os endereços (a lápis) e a forma de recepção dos membros. Nas páginas 8 a 18, a segunda relação inclui as datas de recepção a partir do nº 14 (Sr. Sebastião Pinheiro…29.VII.1904"). O título, nas páginas 8 e 9, diz: "1918 - Rol dos membros Professos da Egreja Presbyteriana - Campinas". Na pág. 19 temos estes dizeres, escritos à mão, com lápis azul, pelo Rev.Miguel Rizzo Jr. e por ele assinados: "1919 -Rol feito em janeiro de 1919 - (a) Miguel N. Rizzo Junior". Nesta terceira relação, certamente mais correta, o registro da data de recepção começa igualmente com o nº 14 (Sr. Sebastião Pinheiro). Infere-se que os nomes anteriores são das pessoas que permaneceram com a igreja mãe na cidade na cisão de 1903. São os seguintes: "l D.Eduarda Vogel, 2 D. Joaquina Augusta dos Santos, 3 D. Adelisa Ferraz Alves, 4 D. Adelina Guidi, 5 D. Adelaide de Souza Ferraz, 6 D. Francisca de Souza Pinheiro, 7 D. Maria Luiza de Jesus, 8 D. Silvana Fonseca Closel, 9 Sr. Alexander Sim, 10 D. Anna Sim, 11 D. Eugenia Sim, 12 D. Anna Sim Caldas, 13 D. Anna Maia Pinheiro".(Segundo outras fontes, somente os 8 primeiros nomes compunham o gupo de remanescentes do período anterior)

Lista de pastores da igreja[editar | editar código-fonte]

  1. Rev. Flamínio Rodrigues: 1903 - 1904
  2. Rev. Herculano Gouvêia: 1905-1908 (registro antigo: Gouvea)
  3. Rev. Zacarias de Miranda: 1909- 1912
  4. Rev. Henrique Vogel: 1912 - 1914
  5. Rev. Galdino Moreira: 1914 - 1915
  6. Rev. Erasmo Baga: 1916
  7. Rev. Miguel Rizzo Jr.: 1917 - 1925
  8. Rev. José Borges dos Santos Jr.: 1926 - 1941
  9. Rev. Benedito Alves (Pastor Auxiliar): 1934 - 1936
  10. Rev. Norivaldo Nicácio (Pastor Auxiliar): 1935 - 1941
  11. Rev. Teodomiro Emerick: 1942
  12. Rev. Ernesto Alves Filho: 1943
  13. Rev. Américo Justiniano Ribeiro: 1944- 1958
  14. Rev. Eliseu Narciso (Pastor Auxiliar): 1949
  15. Rev. Jorge Goulart (Pastor Substituto): 1950 - 1951
  16. Rev. Ademar de Oliveira Godoy (Pastor Auxiliar): 1956 - 1957
  17. Rev. Marcelino Pires de Carvalho: 1958 - 1959
  18. Rev. Nathanael de Almeida Leitão: 1960 - 1964
  19. Rev. Osmundo Afonso Miranda: 1964 - 1965
  20. Rev. Odayr Olivetti: 1966 - 1967
  21. Rev. Carlos Aranha Neto: 1968 - 1990
  22. Rev. Júlio Andrade Ferreira: 1968 - 1974
  23. Rev. Hiroyto de Oliveira Azevedo (Pastor Auxiliar): 1978 -1980
  24. Rev. Osvaldo Abrahan Chamorro Vergara (Pastor Auxiliar): 1980 - 1981
  25. Rev. Geziel Antônio dos Santos (Pastor Auxiliar): 1982 - 1984
  26. Rev. José Marcos Más de Mello (Pastor Auxiliar): 1983- 1986
  27. Rev. Alex Costa de Oliveira (Pastor Auxiliar): 1986 - 1989
  28. Rev. João Wesley Lopes de Arruda (Pastor Auxiliar): 1986 -1992
  29. Rev. Jupiaci Carneiro Gomes (Pastor Auxiliar): 1987 - 1989
  30. Rev. João Batista Mota (Pastor Missionário - JMN): início em 1988
  31. Rev. Cilas Fiuza Gavioli (Pastor Auxiliar): 1990 -1991
  32. Rev. Márcio Coelho (Pastor Auxiliar): início em 1990
  33. Rev. Odayr Olivetti: 1991-1992
  34. Rev. Wilson Emerick de Souza: 1992-1997, Colaborador 2006-2008, Titular 2011-2012
  35. Rev. Ivam Gomes Pereira (pastor auxiliar): 1994-1995
  36. Rev. Ricardo Soares Mattos: pastor auxiliar 1994-1997, Pastor Titular de 1998-2003
  37. Rev. Breno Martins Campos (pastor auxiliar): 1996-2001
  38. Rev. Helérson Silva (pastor colaborador): 1998
  39. Rev. Jônatas Alves de Oliveira: pastor auxiliar 1999-2006, pastor titular 2007-2010
  40. Rev. Gilson Ferreira Quelhas (pastor auxiliar): 2001-2004
  41. Rev. Romualdo Soares Correa (pastor auxiliar): 2004-2007
  42. Rev. Adão Carlos Ferreira do Nascimento: pastor auxiliar 2001-2003, e titular 2004-2006
  43. Rev. Geovane Vieira Porto (pastor auxiliar): 2008-2012, Titular 2012-2014
  44. Rev. Carlos Eduardo Aranha Neto 2015-Atual
  45. Rev. Flávio Viola Machado (pastor auxiliar): 2017-Atual