Integrina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As integrinas são proteínas de adesão presentes na membrana celular inseridas de forma transmembrânica, com uma extremidade externa que se liga a componentes da matriz e outra extremidade que se liga, através da proteína talina à porção do citoesqueleto constituído de actina. Dessa maneira, percebe-se uma comunicação entre a matriz extracelular com o citoplasma através da membrana plasmática (ação que a matriz exerce sobre o citoesqueleto).[1]

Um exemplo de mecanismo de ação da integrina é encontrado nas plaquetas importantes na reparação de vasos sanguíneos, para que isso ocorra é necessário a contração da parede vascular, bem como coagulação localizada do sangue. Dentro do vaso sanguíneo lesado, as plaquetas promovem a coagulação intracelular, porém pode acontecer das plaquetas saírem do vaso sanguíneo em virtude da lesão na parede celular. Quando isso ocorre elas se ligam, através das integrinas de suas membranas, à fibronectina e ao fibrinogênio.[2]

Além do estancamento processo hemorrágico, as integrinas são importantes para evitar certas doenças genéticas. A doença de Glanzmann é a ausência do receptor celular para o fibrinogênio e leva a hemorragia frequente. A doença denominada deficiência do fator de adesão de leucócitos, é gerada pela ausência de uma das cadeias polipeptídicas das integrinas dos leucócitos, levando a repetidas infecções bacterianas nos pacientes.[3][4]

As integrinas são importantes, também, no reconhecimento de moléculas de sinalização capazes de sinalizar a tradução de mensagens por via de sinalização. Logo as integrinas podem ser consideradas como um modulador chave do compartimento celular.

Resultados de estudos mais recentes mostram que para a transdução mecânica ocorrer, a integrina tem que estar na presença de ligantes específicos. A tensão mecânica leva a ativação de ligantes específicos da integrina. Interações entre receptores específicos e diferentes locais de ligação do ligante são capazes de promover a comunicação entre as células. As integrinas são importantes para a transmissão de informações do meio extracelular para o intracelular das células.[5][6]

A integrina está presente na constituição do hemidesmossomo, de modo que esta, une a placa de ancoragem com a fibrinina (proteína presente na lâmina basal).

Durante processos inflamatórios ou infecciosos,os leucócitos percorrem o sistema vascular por meio de acontecimentos que envolvem uma série de receptores de adesão e migração.Logo,as integrinas desempenham um papel fundamental nesta cascata,mediando a retenção dos leucócitos no endotélio inflamado e coordenado a transmigração através da membrana basal para permitir o deslocamento ao local da infecção ou inflamação.

A diversidade das integrinas e o seu envolvimento em doenças complexas as tornam grandes alvos de terapias e drogas.[7] Apesar da descoberta de inibidores altamente potentes a completa inibição de integrinas não se torna viável uma vez que há redundância na função e o desequilíbrio causado por sua completa inibição.

Atualmente já existem diversos antagonistas de integrinas envolvidos em estudos clínicos.[8] Estes podem ser anticorpos humanizados,peptídeos sintéticos e moléculas não peptídicas.Os alvos desses antagonistas são as regiões extracelulares das integrinas e consequentemente,interferem nos sítios de ligação.

A adesão celular por parte das integrinas é responsável pelas principais funções na migração, gerando tração ligando substrato extracelular a fibrinogênio, filamentos de actina e miosina organizando redes de sinalização, podendo ativar vias de forma independente agindo em sinergia com outros fatores, por exemplo, receptores de insulina, fatores de crescimento, receptores de VEGF, TGH-β, receptores do HGF e receptores de EGF.[9]

Quanto a sinalização, integrinas também estão relacionadas a eventos de ativação do FAK e auto-fosforilação decorrente da adesão celular, ativação de MAPK e RAS (GTPase) relacionados a geração do sinal mitogênico, cooperação na sinalização da via iniciada por EGF e PDGF relacionados com reparação de vasos sanguíneos, alteração de lipídeos aumentando fosfatidilinositol bifosfato na membrana, aumento da concentração de íons de cálcio no citosol que atua na cascata de ERK e ativação do PCK, a adesão celular não ocorre na ausência de integrina já que não há geração de sinal proliferativo.

Referências

  1. Giancotti, F. G.; Ruoslahti, E. (13 de agosto de 1999). «Integrin signaling». Science (New York, N.Y.). 285 (5430): 1028–1032. ISSN 0036-8075. PMID 10446041 
  2. Hynes, Richard O. (20 de setembro de 2002). «Integrins: bidirectional, allosteric signaling machines». Cell. 110 (6): 673–687. ISSN 0092-8674. PMID 12297042 
  3. Hodivala-Dilke, K. M.; McHugh, K. P.; Tsakiris, D. A.; Rayburn, H.; Crowley, D.; Ullman-Culleré, M.; Ross, F. P.; Coller, B. S.; Teitelbaum, S. (January 1999). «Beta3-integrin-deficient mice are a model for Glanzmann thrombasthenia showing placental defects and reduced survival». The Journal of Clinical Investigation. 103 (2): 229–238. ISSN 0021-9738. PMID 9916135. doi:10.1172/JCI5487  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Lanza, F.; Stierlé, A.; Fournier, D.; Morales, M.; André, G.; Nurden, A. T.; Cazenave, J. P. (June 1992). «A new variant of Glanzmann's thrombasthenia (Strasbourg I). Platelets with functionally defective glycoprotein IIb-IIIa complexes and a glycoprotein IIIa 214Arg----214Trp mutation». The Journal of Clinical Investigation. 89 (6): 1995–2004. ISSN 0021-9738. PMID 1602006. doi:10.1172/JCI115808  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Wilhelmsen, Kevin; Litjens, Sandy H. M.; Sonnenberg, Arnoud (April 2006). «Multiple functions of the integrin alpha6beta4 in epidermal homeostasis and tumorigenesis». Molecular and Cellular Biology. 26 (8): 2877–2886. ISSN 0270-7306. PMC PMC1446957Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 16581764. doi:10.1128/MCB.26.8.2877-2886.2006  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Kim, Soo-Hyun; Turnbull, Jeremy; Guimond, Scott (May 2011). «Extracellular matrix and cell signalling: the dynamic cooperation of integrin, proteoglycan and growth factor receptor». The Journal of Endocrinology. 209 (2): 139–151. ISSN 1479-6805. PMID 21307119. doi:10.1530/JOE-10-0377  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Carbonell, W. Shawn; DeLay, Michael; Jahangiri, Arman; Park, Catherine C.; Aghi, Manish K. (15 de maio de 2013). «β1 integrin targeting potentiates antiangiogenic therapy and inhibits the growth of bevacizumab-resistant glioblastoma». Cancer Research. 73 (10): 3145–3154. ISSN 1538-7445. PMC PMC4040366Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 23644530. doi:10.1158/0008-5472.CAN-13-0011 
  8. Smith, Jeffrey W. (June 2003). «Cilengitide Merck». Current Opinion in Investigational Drugs (London, England: 2000). 4 (6): 741–745. ISSN 1472-4472. PMID 12901235  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. Wilhelmsen, Kevin; Litjens, Sandy H. M.; Sonnenberg, Arnoud (April 2006). «Multiple functions of the integrin alpha6beta4 in epidermal homeostasis and tumorigenesis». Molecular and Cellular Biology. 26 (8): 2877–2886. ISSN 0270-7306. PMC PMC1446957Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 16581764. doi:10.1128/MCB.26.8.2877-2886.2006  Verifique data em: |data= (ajuda)
  • FERRAZ F. B. & FERNANDEZ J. H. (2014) Integrinas na adesão, migração e sinalização celular: associação com patologias e estudos clínicos. Revista Científica da FMC, 9, 25-34

Ver também[editar | editar código-fonte]