LHS 1140b

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LHS 1140b
Exoplaneta Lista de exoplanetas
Artist’s impression of the super-Earth exoplanet LHS 1140b.jpg
Impressão artística de LHS 1140b
Estrela mãe
Estrela LHS 1140
Constelação Cetus
Elementos orbitais
Características físicas
Descoberta
Data da descoberta 2017
Descobridores Projeto MEarth
Método de detecção Trânsito
Estado da descoberta Confirmado

O LHS 1140B é considerado um exoplaneta rochoso, com núcleo composto de ferro, que orbita, a uma distância relativamente pequena, a estrela anã vermelha de tipo espectral M LHS 1140 na constelação de Cetus.[1]

Esta estrela anã emite um baixo brilho e, segundo Nicola Astudillo-Defru, do Observatório de Genebra, na Suíça, gira mais lentamente e também emite menos radiação de alta energia do que estrelas semelhantes. Sua órbita é quase circular, com um raio de 0,09 UA (unidade astronômica), e um período orbital de 25 dias[1 - bbc]. Além disso, cientistas desconfiam que o planeta tenha possuído um oceano de magma no passado e a lava fervente tenha alimentado a atmosfera com vapor depois que a estrela passou a emitir brilho constante. Estas condições assegurariam a existência de água no planeta.

Características[editar | editar código-fonte]

Devido à perspectiva em que se encontra, o planeta recém-descoberto possibilita o perfeito estudo da sua atmosfera durante a transição da Terra. Segundo os astrônomos, ele provavelmente retém boa parte de sua atmosfera, fato interessante para futuras pesquisas.

Descoberto durante o projeto MEarth,  cujos membros são, entre outros, o Observatório de Genebra, na Suíça e o Observatório de La Silla, no Chile, o LHS 1140B teve suas velocidades radiais medidas pelo High Accuracy Radial Velocity Planet Searcher (HARPS). O planeta está situado a 39 anos-luz de distância da Terra, por tanto próximo ao nosso sistema solar. Sua massa é cerca de 6,6 vezes a da Terra, o diâmetro é aproximadamente 1,4 vezes maior e a densidade, 2,3 vezes a do nosso planeta. Por isso o LHS 1140B tem sido chamado pelos cientistas de “Superterra”.

Estudiosos esperam conseguir pesquisar com telescópios de última geração, tais como o James WebbSpace Telescope e o Extremely Large Telescope do ESO, duas nuvens gasosas semelhantes à Terra durante a transição e, assim, obter pistas sobre a composição química do solo do planeta. A presença de certas moléculas, tal como o oxigênio, poderiam sugerir o desenvolvimento de processos biológicos na superfície do LHS 1140B. Porém sua rotação, fato importante para que se consiga estudar estes processos biológicos, ainda não pode ser medida. Acredita-se que somente daqui 5 bilhões de anos, o planeta alcance sua rotação adequada ou permaneça em uma órbita fixa como é o caso do planeta Mercúrio e da Lua.

Referências

  1. «Descoberto exoplaneta com mais possibilidades de abrigar vida». El Pais. 20 de abril de 2017. Consultado em 13 de outubro de 2017.