Le Perreux-sur-Marne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Le Perreux-sur-Marne
—  Comuna francesa França  —
Mairie Perreux Marne 7.jpg
Brasão de armas de Le Perreux-sur-Marne
Brasão de armas
Le Perreux-sur-Marne está localizado em: França
Le Perreux-sur-Marne
Localização de Le Perreux-sur-Marne na França
Coordenadas 48° N 2° 30' 13" E
País  França
Região Blason France moderne.svg Ilha de França
Departamento Blason département fr Val-de-Marne.svg Vale do Marna
Administração
 - Prefeito Christel Royer
Área
 - Total 3,95 km²
Altitude máxima 70 m
Altitude mínima 35 m
População (2010) [1]
 - Total 32 520
    • Densidade 8 232,9 hab./km²
Gentílico: Perreuxiens
Código Postal 94170
Código INSEE 94058
Sítio leperreux94.fr

Le Perreux-sur-Marne é uma comuna francesa localizada no departamento de Vale do Marne na região da Ilha de França. Portando o apelido de "Pérola do Leste parisiense"[2], a comuna se estende ao longo das margens do Marne. Seus habitantes são chamados de Perreuxiens.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Do latim Petrosa, nome dado ao local pelos monges da abadia de Saint-Maur, no século XIII, para lembrar a natureza pedregosa do solo.

História[editar | editar código-fonte]

Intimamente ligada à história de Nogent, Le Perreux é um feudo dependente da abadia de Saint-Maur onde um cartulário menciona pela primeira vez a existência em 1284. Em 1492, os monges dessa abadia ensaiam recuperar os direitos de alta, média e baixa justiça. Jeanne Baston, esposa de Jean l'Épervier conseguiu a justiça. Os monges serão rejeitados pelo Parlamento de Paris em 1500.

Desde o século XIII, uma mansão está presente. Ela é ocupada por numerosos senhores, burgueses de Paris, comerciantes do século XIV-XV e depois por parlamentares e notário e secretário do rei (família L'Espervier) e, finalmente, por uma segunda nobreza (Anthonis, Deschiens de Ressons). A mansão é substituída por um castelo entre o fim do século XVII e o início do século XVIII. Um segundo castelo foi construído por Boullée, arquiteto do rei, por Robert Millin.

Em 1760, Robert Millin, escudeiro, secretário do rei, casa e coroa da França, e receptor geral dos domínios do Duque de Orleans comprou o domínio. Seu filho, Jérôme-Robert será em 1794 uma das incontáveis vítimas do acusador Fouquier-Tinville. Ele cairá sob a guilhotina em praça pública, enquanto que seu próprio filho, Alexandre Millin, tenente-general, luta pelos exércitos da República. Ele e seu irmão restituem o domínio em triste estado sob o Diretório, mas não tardam a vendê-lo. Deve ser dito em sua defesa que seu pai tinha antes da Revolução sérios recuos de fortuna.

O domínio é então dividido. Nicolas Louis François de Neufchâteau comprou o castelo e o parque. O resto das terras, possessão das famílias Pantigny e de Beaufranchet é convertido em loteamentos em 1780 para tirar proveito da expansão que conhece Nogent graças à construção da linha ferroviária Paris-Mulhouse. Iniciados em 1854, os trabalhos necessitam a construção de um viaduto. A fronteira nasce, Le Perreux decola. Por volta de 1886, o número de habitantes do bairro de Perreux é tão importante quanto o do velho burgo de Nogent. A guerra entre os dois bairros é conduzido por um adjunto ao prefeito de Nogent: Henri Lhopital Navarre. Em 28 de fevereiro de 1887, a ruptura é consumada, Navarre se tornou o primeiro prefeito de Perreux.

Cidades geminadas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]