Método cartesiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Descartes3.jpg

O método cartesiano, criado por René Descartes,[1] consiste no Ceticismo Metodológico - duvida-se de cada ideia que pode ser duvidada. Descartes institui a dúvida: só se pode dizer que existe aquilo que possa ser provado. O próprio Descartes consegue provar a existência do próprio eu (que duvida, portanto, é sujeito de algo - cogito ergo sum: penso, logo existo), considerando o ato de duvidar como indubitável.

Também consiste o método na realização de quatro tarefas básicas:[2]

  • descobrir quais são as conclusões possíveis e nunca aceitar nada como verdadeiro à primeira vista
  • fazer vários experimentos e dividir o problema em quantas partes for possível
  • analisar os resultados e pensar de forma ordenada
  • pegar as conclusões ( que devem estar de acordo com o passo 1 ) e, se possível, mixá-las para chegar a apenas 1 conclusão através da lógica, prestando atenção nos detalhes

A contribuição de Descartes; com sua nova metodologia, foi de extrema importância para a constante busca criteriosa do conhecimento verdadeiro a partir das ciências.

Referências

  1. «Método cartesiano: a busca pelas verdades absolutas por meio da razão». Todo Estudo. 28 de abril de 2020. Consultado em 27 de junho de 2021 
  2. «Filosofía de Descartes. Razón y método». www.webdianoia.com. Consultado em 27 de junho de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.