MG13

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Machinengewehr 13
Munster MG13 (dark1).jpg
Tipo Metralhadora
Local de origem  Alemanha
História operacional
Em serviço 1930 - 1960
Histórico de produção
Criador Dreyse
Data de criação 1930
Período de
produção
1930 - 1935
Especificações
Peso 13,3 kg
Comprimento 1340 mm
Calibre 7,92 x 57 mm Mauser
Cadência de tiro 600 tpm
Velocidade de saída 890 m/s
Alcance efetivo 2000 m
Sistema de suprimento carregadores tipo caixa de 25 munições ou tipo sela de 75 munições

A MG13 foi uma metralhadora ligeira de origem alemã projectada a partir da transformação da Dreyse MG10, um protótipo de metralhadora arrefecida a água da Primeira Guerra Mundial, num modelo de arrefecimento a ar. A MG13 foi introduzida ao serviço das forças armadas alemãs em 1930 onde serviu como metralhadora ligeira padrão. Em 1934 começou a ser substituída pela MG34 um modelo de produção mais barata e com maior cadência de tiro. A maioria das armas foram então vendidas a Portugal. Algumas das MG34 que ficaram nos depósitos alemães forma recolocadas ao serviço durante a Segunda Guerra Mundial.

A MG13 foi projectada para ser municiada através de um carregador de 25 munições ou através de um característico carregador duplo redondo de 75 munições (carregador de sela). Estava também equipada com uma coronha rebatível e com uma alça de transporte.

Uso em Portugal[editar | editar código-fonte]

No final da década de 1930 a maioria das metralhadoras MG13 em serviço na Alemanha foram vendidas a Portugal, que se tornou no seu principal utilizador. Neste país a arma foi denominada Metralhadora Dreyse m/938. A arma tornou-se a metralhadora ligeira padrão dos Pelotões de Infantaria do Exército Português, sendo utilizada até ao início da Guerra do Ultramar na década de 1960. A partir daí foi sendo substituída pela MG42 e, posteriormente, pela HK-21.