MPM Propaganda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

MPM Propaganda é uma tradicional agência de publicidade brasileira.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1957 na cidade de Porto Alegre no Rio Grande do Sul por Antônio Mafuz, Petrônio Corrêa e Luiz Macedo conhecidos no mercado como Mafuz, Petrônio e Macedo. [1]Mais tarde transformou-se na MPM Casabranca Propaganda. Mum quase todas asdou a dimensão da publicidade brasileira. A agência chegou a comandar habilidosamente seis contas de bancos concorrentes ao mesmo tempo. No fim de 1990, liderou o ranking de faturamento com uma receita de US$ 180 milhões com escritórios em quase todas as capitais brasileiras.

A MPM foi considerada a maior agência de publicidade do Brasil durante as décadas de 1970 e 1980[carece de fontes?], com cases famosos como a campanha feita para a entrada da Fiat no Brasil. O crescimento nesse período, no entanto, se deve ao fato da agência ter sido responsável pela maioria dos anúncios governamentais durante o regime militar. Entre 1974 e 1976, ela salta da quarta para a primeira posição considerando as dez maiores agência de publicidade da época, coincidindo, portanto, com o crescimento dos investimentos oficiais em publicidade no governo do general Ernesto Geisel.[2]

Foi comprada pelo grupo norte-americano Interpublic adotando o nome MPM:Lintas e extinta em 1996, até retornar ao mercado em 2003, como parte do Grupo YPY, de Nizan Guanaes. Atualmente a agência é presidida pela publicitária Bia Aydar.

Referências

  1. «Morre aos 84 anos o publicitário Petrônio Corrêa». O Globo. 2 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de janeiro de 2014 
  2. Arruda, Maria Arminda do Nascimento (1985). A embalagem do sistema. São Paulo: Livraria Duas Cidades. p. 157 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre propaganda e marketing ou sobre um publicitário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.