Mabel Rivera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde maio de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mabel Rivera
Nascimento 20 de junho de 1952 (65 anos)
Ferrol
Cidadania Espanha
Alma mater Universidade de Santiago de Compostela
Ocupação atriz de teatro, atriz de cinema
Prêmios Prêmio Cultura Galega das Artes Cênicas

Maria Isabel Rivera Torres (Ferrol, 20 de junho de 1952) é uma actriz galega.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

No final da década de 70 desloca-se para Compostela, onde estuda Filologia Inglesa e se inicia no teatro amador. Em 1984 acaba os seus estudos universitários e começa a trabalhar profissionalmente no recém-criado Centro Dramático Galego. Nos anos a seguir, participará em produções como Os velhos não devem de namorar-se, de Castelao.

Na Galiza fez grande sucesso com a série de televisão Pratos feitos, que começou a se emitir em 1995, interpretando o papel de “Balbina”. Mas será só em 2004 que atingirá o reconhecimento internacional pelo seu papel no filme “Mar Adentro”. Por este trabalho foi premiada, pela Academia das Artes e das Ciências Cinematográficas da Espanha, com o Prémio Goya à melhor actriz de partilha. De aí para a frente, tem participado em importantes filmes (como O orfanato, em 2007),[1] obras teatrais (O Clube do Tricô, da companhia Teatro do Morcego), e séries de televisão (como Livro de Família, produzida pela Televisão da Galiza).

Nos últimos anos tem reforçado o compromisso social e político, tomando parte activa em movimentos e plataformas cidadãs como Nunca Mais ou Não à Guerra, que articularam os protestos populares contra a gestão, por parte dos governos galego e espanhol, do acidente do petroleiro Prestige, em 2002, e da invasão do Iraque, em 2003. Na actualidade, faz parte do colectivo 'Galiza não se vende', que age em defesa do meio natural frente à especulação urbanística e as actividades industriais altamente poluentes, agressivas e desrespeitosas com o ambiente. Nesta linha dirigiu, com a colaboração do seu companheiro, o produtor e técnico de fotografia Henrique Banet, os documentários Uma lousa sobre o Courel e O salário do silêncio. No primeiro, Mabel Rivera denuncia as graves repercussões que a extracção de lousa, em canteiras ilegais, está a ter sobre a serra galega do Courel. No segundo dos documentários, O salário do silêncio, são mostradas as irregularidades na instalação da central de gás natural Reganosa, no interior da ria de Ferrol.

Em 2009, Mabel Rivera recebeu em Compostela o prestigioso Prémio Cineuropa em reconhecimento a toda a sua trajectória profissional.

Referências

  1. a b «Mabel Rivera». Consultado em 26 de Maio de 2012.