Mandinga (capoeira)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

No contexto da capoeira, mandinga representa a habilidade do capoerista em surpreender (enganar) o oponente, como uma espécie de "malícia de jogo". Esta "esperteza" é muito apreciada e consta na letra de diversas canções.

Em alguns casos o conceito pode apresentar um sentindo mais amplo envolvendo igualmente uma maior desenvoltura do capoerista durante jogo, com movimentos mais audaciosos na ginga, golpes e esquivas.

Mandinga no Brasil Colonial era a designação de um grupo étnico de origem africana, praticantes do muçulmanismo. Apesar do histórico afrodescendente, na capoeira a palavra mandinga não possui correlação com o candomblé ou qualquer conotação religiosa ou mística. Certamente, o fato de muitos dos chamados "mandingas" possuírem artefatos e exercerem práticas relacionadas à feitiçaria pode ter influenciado o surgimento desta relação errônea entre os termos (mandinga e feitiçaria), inclusive como é feita no Dicionário Aurélio. Para saber mais sobre o grupo étnico: mandinga.

Observação: É possível que o fato de muitos deles terem sido capitães-do-mato (caçadores de gente, difíceis de enganar) ou terem tido maior grau de instrução, bem como o fato de muitos deles usarem de táticas de dissimulação e transformação da aparência para alcançar benefício próprio, tenha trazido a real conotação de mandinga para a capoeira. Este pressuposto é baseado no fato de que a mandinga na capoeira significa exatamente isso: o ato de fingir, dissuadir e usar de "espertice" para vencer.