Massacre de Yelwa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Massacre de Yelwa foi uma série de incidentes de violência em massa entre muçulmanos e cristãos que ocorreram em Yelwa, Nigéria, entre Fevereiro e Maio de 2004. Estima-se que 700 pessoas foram mortas no total.[1] O primeiro conflito aconteceu em 4 de fevereiro de 2004, quando muçulmanos armados atacaram os cristãos de Yelwa matando mais de 78 pessoas, incluindo 48 que estavam em culto dentro de uma Igreja.[1] De acordo com algumas fontes, o sinal para o ataque foi uma chamada para a jihad da mesquita local. [2]

Os assassinatos de fevereiro inflamaram as tensões entre as comunidades, que vinham crescendo desde os tumultos de Jos em 2001, quando o conflito entre muçulmanos e cristãos resultou em 1.000 mortos. Em 2 de Maio de 2004, os cristãos locais responderam ao incidente de Fevereiro atacando os muçulmanos em Yelwa, resultando em cerca de 630 mortos.[1] De acordo com algumas fontes, as meninas muçulmanas foram forçadas a comer carne de porco e outros alimentos proibidos aos muçulmanos e algumas foram até estupradas.[2]

Referências

  1. a b c "Revenge in the Name of Religion", Human Rights Watch, 26 May 2005.
  2. a b "God's Country", The Atlantic March 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.