Mentor (Odisseia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Telêmaco e Mentor na Odisseia

Na Odisseia, Mentor (em grego: Μέντωρ, Méntōr; gen.: Μέντορος)[1] era filho de Álcimo. Na velhice, Mentor foi um amigo de Odisseu. Quando Odisseu partiu para a Guerra de Troia, ele pôs Mentor e Eumaio (criador de porcos de Odisseu) a cargo de seu filho Telêmaco e do palácio de Odisseu.

Quando Atena visitou Telêmaco, ela usou o disfarce de Mentor para se esconder dos pretendentes da mãe de Telêmaco, Penélope. Como Mentor, a deusa incentivou Telêmaco a se levantar contra os pretendentes e a ir para o exterior para descobrir o que aconteceu com seu pai. Quando Odisseu retornou a Ítaca, Atena apareceu brevemente na forma de Mentor novamente no palácio de Odisseu.[2]

A aparição de Atena como Mentor não deve ser confundida com sua aparição como Mentes no primeiro livro da Odisseia.[3]

Mentor como termo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Mentoria

Devido ao relacionamento da Mentor com Telêmaco, e ao incentivo disfarçado de Atena e planos práticos para lidar com dilemas pessoais, o nome pessoal Mentor foi adotado em latim e em outras línguas, incluindo o inglês, como um termo que significa alguém que transmite sabedoria e compartilha conhecimento com um colega menos experiente.

O primeiro uso moderno registrado do termo pode ser atribuído a um livro de 1699 intitulado Les Aventures de Télémaque, do escritor francês François Fénelon.[4] No livro, o personagem principal é o de Mentor. Este livro foi muito popular durante o século XVIII e a aplicação moderna do termo pode ser atribuída a esta publicação.

Referências

  1. Online Etymology Dictionary - Mentor
  2. Homer. Odyssey, Book II, Lines 255 and 268.
  3. Odyssey, 1.179ff.
  4. Roberts, Andy. (1999) "The origins of the term mentor". History of Education Society Bulletin, No. 64, November 1999, p. 313–329.