Merino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Merino é uma raça de carneiro originária do Sul de Portugal. Sua é tida como a mais nobre para uso em vestimentas e artigos de decoração.

A raça Merino resultou da evolução da população merina que no inicio do século XX existia no sul de Portugal. Tratava-se de um grupo étnico bastante heterogéneo, onde predominavam os animais de cor preta. Nessa altura a principal fonte de rendimento da exploração ovina era a lã que apresentava uma excelente qualidade nos animais desta raça. A produção de lã motivou cruzamentos com raças melhoradas como com o merino precoce, uma raça francesa sintetizada a partir do Merino de Rambouillet (Alves Bento et al. 1986). As raças autóctones, nomeadamente a raça Merino Branco, caracterizam-se pela sua extraordinária rusticidade, traduzida numa perfeita adaptação às condições edafoclimáticas e num bom aproveitamento dos recursos naturais da região . Esta Raça tem origem na região do Alentejo e possuía no ano de 1999 cerca de 22000 animais inscritos no Livro Genealógico [1], e em 2007 contava com 17000 animais inscritos, num total de 40 criadores [2]. Em 2009, segundo a Sociedade Portuguesa de Ovinotecnia e Caprinotecnia existem apenas 9000 animais inscritos no Livro Genealógico num total de 22 criadores [3].

Padrao da Raça (SPOC)

Aspecto Geral Tamanho médio, eumétrico e mediolíneo, de cor branca.

Pele, Velo e Lã Pele fina, untuosa e sem pigmentação. Velo muito extenso e tochado, com madeixas cilíndricas ou quadradas, regularmente homogéneo; cobre a cabeça, todo o pescoço, o ventre, os membros quase até às unhas e os testículos.

Cabeça tamanho médio, larga e curta; perfil craniano subconvexo; chanfro recto nas fêmeas e convexo nos machos; boca grande, com lábios grossos; olhos grandes e expressivos, com arcadas orbitarias não muito salientes; orelhas pequenas e horizontais; cornos ausentes nas fêmeas mas frequentes nos machos, enrolados em espiral fechada, rugosos e de secção triangular; bem revestida de lã, a qual cobre por vezes parte das faces e do frontal.

Tronco volume mediano; garrote pouco destacado, seguido de uma linha dorso-lombar horizontal; espádua regularmente relacionada e desenvolvida; costado mediamente arqueado; ventre desenvolvido; dorso e rins de comprimento e largura médios; garupa curta e ligeiramente descaída; no seu conjunto o tronco apresenta um todo harmonioso.

Úbere largo e bem inserido, com tetos curtos, mas bem implantados.

Membros fortes e regularmente aprumados; curvilhões grossos tal como as restantes articulações; revestimento lanar em geral até abaixo dos joelhos e dos curvilhões.

Peso vivo adulto Fêmeas: 45- 60 kg; Machos: 75 - 90 kg.

parametros reprodutivos e produtivos

Parâmetros Reprodutivos

Taxa de Fertilidade: 80 - 90 % Taxa de Prolificidade: 110 - 140 % Taxa de Fecundidade: 90 - 130 %

Produção de Carne

Peso ao Nascimento: 3.0 - 4.0 kg Peso aos 30 dias: 8.5 - 10.3 kg Peso aos 60 dias: 13.0 - 18.0 kg Peso aos 90 dias: 18.0 - 26.0 kg GMD intensivo: 300 - 350 gr Peso de abate tradicional: 22 - 30 kg Idade de abate tradicional: 90 - 120 dias Época principal de abate: Natal e Páscoa


Produção de Lã

Classificação da lã: Merino Extra a Merino Forte Peso do velo: Fêmeas 2.5 - 3.0 kg; Machos 4.5 - 5.0 kg Diâmetro das fibras: 8 - 25 micra Comprimento das fibras: 6 - 8 cm Observações: Rendimento LAF: 50 - 52 %

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (www.vetpermutadora.pt)
  2. Fonte: EZN, departamento de genética e melhoramento animal
  3. (www.ovinosecaprinos.com)
Ícone de esboço Este artigo sobre artiodáctilos, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.