Movimento Graal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Movimento Graal é uma organização que se originou na Alemanha no final da década de 1940, inspirada no trabalho do autoproclamado Messias[1][2][3][4] Oskar Ernst Bernhardt (também conhecido por seu pseudônimo Abd-ru-shin), principalmente In the Light of Truth: The Grail Message. Abd-ru-shin não estabeleceu a organização; o Movimento como existe hoje foi formalmente organizado por seguidores.


Referências

  1. Wilson, Bryan R. (1975). The Noble Savages: The Primitive Origins of Charisma and Its Contemporary Survival. [S.l.]: University of California Press. p. 114. ISBN 978-0-520-02815-9. ... mas sua proeminência e sucesso relativo quando comparados com figuras como Louwrens van Voorthuizen (Lou), na Holanda, Georges Roux, na França, e Oskar Ernst Bernhardt, na Alemanha e na Áustria, todos que afirmavam ser o messias - são impressionantes. 
  2. Introvigne, Massimo (1 March 2004). «Grail Movement». In: Clarke, Peter. Encyclopedia of New Religious Movements. [S.l.]: Routledge. p. 244. ISBN 978-1-134-49970-0. Um trabalho esotérico complicado, que inclui uma história do universo parcialmente derivada da Sociedade Teosófica (veja Teosofia), e sugerindo o papel messiânico de Berhnardt, encontrou leitores interessados no meio esotérico (veja Movimentos esotéricos).  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. Vojtisek, Zdenek (February 2006). «Millennial Expectations in the Grail Movement» (PDF). Nova Religio: The Journal of Alternative and Emergent Religions. 9 (3): 61–79. ISSN 1541-8480. doi:10.1525/nr.2006.9.3.061. Para acalmar o público e ocultar suas reivindicações messiânicas, em 1937, Bernhardt ordenou que a "Conclusão" fosse cortada de todos os livros não vendidos da In the Light of Truth. [...] Quatro palestras e a "Conclusão" publicada em 1931 são omitidas na versão autorizada do pós-guerra. A razão para desistir de três das palestras é provavelmente a mesma razão para omitir a "Conclusão" em 1937: eram muito explícitas ao apontar Bernhardt (Abd-ru-shin) como o Messias. Das palestras omitidas, a quarta provavelmente foi inaceitável após a guerra devido a idéias que poderiam ser consideradas racistas.28  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Kürti, László (abril de 2001). «Psychic Phenomena, Neoshamanism, and the Cultic Milieu in Hungary». Nova Religio: The Journal of Alternative and Emergent Religions. 4 (1): 322–350. doi:10.1525/nr.2001.4.2.322 

Links externos[editar | editar código-fonte]