Mudanças climáticas e biodiversidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

A Terra sempre passou por ciclos naturais de aquecimento e resfriamento, da mesma forma que períodos de intensa atividade geológica lançaram à superfície gases criando um efeito estufa natural. Em 1750 com a Revolução Industrial, a concentração atmosférica de carbono aumentou em 31%. Segundo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (International Panel on ClimateChange - IPCC), no século XX, houve um aumento de 0,65 ºC na média da temperatura global e até o final do século XXI é previsto um aumento entre 1,4ºC e 5,8ºC (IPCC, 2004). As causas dessas variações podem ser de ordem natural ou antropogênica, ou uma soma das duas (IPCC, 2004).

As mudanças climáticas tem impactos ambientais intensos (como secas, enchentes, ondas de calor e de frio, furações e tempestades, derretimento das geleiras e calotas polares), assim como em processos biológicos (como os períodos de floração), afetando diferentes partes do planeta.

A grande velocidade com que tais mudanças estão ocorrendo introduz sérias ameaças à mega-diversidade de espécies da flora e da fauna dos ecossistemas com o empobrecimento biológico (Nobre et al., 2005).

Causas antrópicas[editar | editar código-fonte]

As mudanças climáticas relacionadas às atividades humanas estão associadas ao aumento da emissão de gases de efeito estufa por queima de combustíveis fósseis, desmatamento, decomposição de lixo, formação de ilhas urbanas de calor entre outras causas. A cada hora, 9 mil pessoas somam-se à população mundial, 4 milhões de toneladas de CO2 são emitidas, 3 espécies são extintas (1.000 vezes mais rápido do que os processos naturais), atividades humanas adicionam ao ambiente 1,7 milhões de quilos de nitrogênio reativo e 1.200 hectares de florestas são derrubados.

Algumas consequências[editar | editar código-fonte]

Segundo o relatório de Stern divulgado em outubro de 2006, a elevação de 1ºC a 4ºC na temperatura global acarreta no encolhimento das geleiras, morte de 80% dos recifes de coral, em especial a Grande Barreira de Corais; entre 15% a 40% das espécies de seres vivos vem a ser ameaçadas de extinção; grande risco de extinção das espécies presentes no Ártico, em especial dos ursos polares; desaparecimento de cerca de metade da vegetação de tundra no Ártico (Stern, 2006).

Outro relatório publicado pelo Departamento do Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais (DEFRA) verificaram que as mudanças climáticas podem afetar o comportamento de espécies migratórias, como as aves que sobrevoam regiões entre a África e o norte da Europa, que necessitarão ir cada vez mais longe em busca de alimento e condições climáticas favoráveis, podendo aumentar em até 400 km suas rotas migratórias.

Behrenfeld et al. (2006) publicaram um estudo sobre os oceanos e sugerem que o fitoplâncton - o primeiro elo na cadeia alimentar marítima - será fortemente afetado pelo aquecimento climático. Por servir de alimento para grande variedade de peixes, a perda destes micro-organismos pode afetar gravemente a pesca nos trópicos e nas médias latitudes como resultados de águas mais quentes.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No contexto brasileiro, os biomas terrestres diferem dos diversos parâmetros relevantes, como temperatura, umidade e precipitação (http://www.inpe.br). As projeções atuais apontam para aumento das temperaturas médias da Terra, com a previsão de mudanças na configuração dos biomas que incluem possíveis aumentos nas áreas de savanas, diminuição das áreas de floresta e uma tendência de aumento de biomas secos em detrimento de biomas com maior umidade (Giorgi e Mearns, 1991; Walther, Post e col., 2002; Franks, Hooper e col., 2005). Além disso também um aumento de frequência de eventos climáticos extremos bem como o aumento da intensidade dos mesmos (Jones, New e col., 1999; Buckeridge, 2008). Estudos sobre a relação entre a biodiversidade e as mudanças climáticas são extremamente relevantes para se entender as consequências dessas mudanças entre os diferentes biomas brasileiros.

Floresta Amazônica[editar | editar código-fonte]

A Floresta Amazônica situa-se na região norte da América do Sul, estando a maior parte da floresta representada no território brasileiro (estados do Amazonas, Amapa, Rondônia, Acre, Pará e Roraima) e sendo caracterizada por uma grande biodiversidade. Essa floresta é sensível as mudanças climáticas, que além ameaçar a biodiversidade e seus serviços prestados influencia diretamente os indivíduos que necessitam dela para sobreviver.

Mudanças climáticas decorrentes de causas naturais como o aumento da temperatura provocado pelo El Niño no Oceano Pacífico, causa diminuição da precipitação e aumento da temperatura , como consequência temos nos anos 1982-1983 e de 1997-1998 , a incidência, em grande escala, de incêndios na floresta amazônica. Sua vegetação não é adaptadas a incêndios, por ter a casca das árvores finas torna-se mais suscetível à mortalidade. Estudos demonstraram que mudanças na cobertura superficial podem ter um impacto significativo no clima regional e global (Nobre et al., 1991; Betts et al., 1997, 2000; Chase et al., 2000; Zhao et al., 2001).

Caatinga[editar | editar código-fonte]

A Caatinga possui clima semiárido, com temperaturas médias entre 27ºC e 29ºC , com vegetação típica xerófita. A Caatinga é considerada um bioma diverso e pouco estudado, está incluso entre os mais vulneráveis num cenário de aumento das temperaturas globais. Segundo Santos (2006) as mudanças climáticas mais drásticas se dão através da soma da produção de gases de efeito estufa e o desmatamento, sendo esses alguns dos fatores que alteram o clima regional em áreas de ecossistemas frágeis e vulneráveis, como o semiárido brasileiro. O principal fator de degradação da Caatinga é o desmatamento, seguido pelo uso indiscriminado de fogo em práticas agropecuárias, a introdução de frutas exóticas à região e as criações extensivas de caprinos, ovinos e bovinos (Santos, 2006). Na Caatinga, naturalmente, as chuvas são escassas e o solo é compacto e duro diminuindo sua permeabilidade. Quando a água evapora, ocorre a salinização do solo, o que compromete a vegetação e a agricultura. Com a soma das influências antrópicas e as rígidas condições climáticas, implica diretamente na biodiversidade desse bioma.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • As Mudanças Climáticas Globais e a Floresta Amazônica Philip M. Fearnside Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) C.P. 478 69.011-970 Manaus-Amazonas pmfearn@inpa.gov.br
  • Buckeridge M. S., 2007. Mudanças climáticas, biodiversidade e sociedade: como a teoria de redes pode ajudar a compreender o presente e planejar o futuro?
  • Ciência e Cultura On-line version ISSN 2317-6660 Cienc. Cult. vol.59 no.3 São Paulo July/Sept. 2007 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AMAZÔNIA Carlos A Nobre Gilvan Sampaio Luis Salazar

Nobre .C.A .,et al. Mudanças Climáticas Globais e Efeitos sobre a Biodiversidade;2005.