Museu de Belas Artes de Bordéus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu de Belas Artes de Bordéus
Tipo museu de arte
Inauguração 1801 (216 anos)
Visitantes 93 879
Website oficial
Geografia
Coordenadas 44° 50' 14.64" N 0° 34' 51.60" O
Localidade Palais Rohan, Bordeaux
Cidade Bordéus
País França

O Museu de Belas Artes é um museu localizado na cidade de Bordeaux, na França. Foi fundado em 3 de agosto de 1801, pela iniciativa do pintor francês Pierre Lacour[1]. É uma das maiores galerias de arte da França fora de Paris. O museu foi construído nas dependências do Palais Rohan, no centro da cidade de Bordeaux. A coleção de pinturas é a maior e conta com artistas franceses e holandeses, todavia, há também algumas esculturas e desenhos. Durante a revolução francesa, várias pinturas foram saqueadas, no chamado "Saisis Révolutionnaires"[2].

História[editar | editar código-fonte]

A criação oficial do Museu de Belas Artes de Bordeaux é marcado pelo Decreto do Chaptal, relatório dedicado em que fundava museus provinciais pela França. Sua construção deveu-se em virtude de transferir algumas obras do Palácio do Louvre, para fins pedagógicos pelo Império. O município dirige a criação a Pierre Lacour, pintor, professor e membro da Sociedade das Ciências, Belles-Lettres et Arts[3]. Sua construção se deu após uma coleta de dezenas de obras em que o pintor salvou antes da destruição da revolução e das remessas desgastadas do estado francês.

O museu[editar | editar código-fonte]

Em abril de 1875, após uma série de recolocações e discussões perante ao valor daquele espaço entre o governante e Pierre Lacour, os trabalhos deram início a população. Após remodelações constantes, houve uma continuidade estilística, subordinado às tradições clássicas e à arquitetura das asas. Junto com as arquiteturas das mansões vizinhas, as fachadas e pilastras jônicas (arcos gregos), foram decoradas com guirlandas e balaustras escondidas nos telhados.

Na parte central a fachada ocidental é marcada por duas estátuas: "La Peinture" e "Esculturé", realizadas por P. Granet (1843-1910). Os espaços interiores possuem aspectos de vidros especiais, com passagens de portas enormes e fachadas. As finais estruturas de ferro e alças de serpentina reafirmam o lugar com a tradição clássica. As decorações interiores visam também alguns aspectos de atrios abertos, para contemplar as pinturas de diferentes contextos históricos.

Com a chegada de novas obras, de 1881 a 1928, o museus sofreu diversas modificações para que separassem salas em suas respectivas localidades no decorrer da história. Contendo, inclusive, prédios diferentes para a parte permanente e para a parte temporária.

Hoje ele é composto por três lugares diferentes, sendo as galerias do Norte e do Sul e a Galeria de Belas Artes. Sendo que: a ala norte é dedicada a peças da arte moderna e contemporânea, acompanhadas por temáticas do século XIX, pinturas, retratos e paisagens. A ala Sul possui coleções mais velhas que remetem ao século XVI e XVII. A galeria fica com a parte temporária, movimentada três vezes ao ano.[4]

Coleções[editar | editar código-fonte]

Após a renovação em 2013, a coleção permanente contém cerca de mais de 500 pinturas de artistas da Escola Européia do Século XVIII, Flamenga e Holandesa (XVII), Italiana (XVI e XVII), Francesa (XVII e XVIII) e Alemã (XVII). Ao todo, são mais de 2297 pinturas, 666 esculturas europeias, 1564 impressões e 3328 desenhos, seguindo as principais correntes do século XV ao XX.[5]

Coleção de Pinturas[editar | editar código-fonte]

Os pintores representados neste museu estão nesta lista:

Referências

  1. Olivier Le Bihan, 2007, p. 9
  2. «Musée des Beaux-Arts de Bordeaux». Wikipedia (em inglês). 12 de setembro de 2017 
  3. «Ville de Bordeaux : Musée de peinture. Catalogue | 1886 - Collections patrimoniales numérisées de Bordeaux Montaigne». 1886.u-bordeaux-montaigne.fr (em francês). Consultado em 24 de setembro de 2017 
  4. «Rendez-vous no Museu de Belas Artes de Bordeaux». Site oficial do turismo na França 
  5. «mba - Liste». collections-musees.bordeaux.fr. Consultado em 24 de setembro de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Olivier Le Bihan "Le testament de Pierre Lacour", "Pierre Lacour : Le Port de Bordeaux", Bordeaux, Le Festin, 2007.

Leitura de apoio[editar | editar código-fonte]

  • Paul Mantz, "Le Musée de Bordeaux", "L'Artiste", tome VIII, 1846.
  • Pierre Lacour fils, Jules Delpit, "Catalogue des tableaux, statues, etc du Musée de Bordeaux", Bordeaux,Imp. Veuve N. Duviella, 1855.
  • Arsène Houssaye, "Les Musées de Province, Le Musée de Bordeaux, V", "Le Moniteur", 21 de março de 1858.
  • Arsène Houssaye, "Les Musées de Province, Le Musée de Bordeaux, VII", "Le Moniteur", 25 de março de 1858.
  • Emile Vallet, "Le Musée de Bordeaux", "Gironde Littéraire et scientifique, 5 de março de 1882.
  • Emile Vallet, "Le Musée de Bordeaux", "Gironde Littéraire et scientifique, 12 de março de 1882.
  • H. de La Ville de Mirmont, "Histoire du Musée de Bordeaux", Bordeaux, Féret & fils, 1899.
  • Charles Mansiet, "Le musée de Bordeaux", Paris, Henri Laurens Éditeur, 1931, collections publiques de France : Memoranda.
  • Thédore Ricaud, "Le musée de peinture et de sculpture de Bordeaux de 1830 à 1870", Bordeaux, imp. Bière, 1938.
  • Les Amis du Musée de peinture et de sculpture, préface Jean-Gabriel Lemoine, "La vie du musée de 1939 à 1947", Bordeaux, imp. Castera, 1947.
  • L. Clément de Ris "Les musées de province : histoire et description", 2 ª éd., Paris, Veuve J. Renouard, 1872.
  • Rodolphe Rapetti, Philippe Le Leyzour, "Le musée des beaux-arts de Bordeaux : guide des collections", Bordeaux, William Blake & Co. Edit., 1987 ISBN 2-905-810-21-1
  • Collectif sous la direction de Guillaume Ambroise, "Musée des beaux-arts de Bordeaux : Guide des collections XVIe-XXe siècle", Bordeaux, Le Festin, Musée des beaux-arts de Bordeaux, 2010 ISBN 978-2-36062-021-0

Ligação externa[editar | editar código-fonte]