Nadi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A palavra nadi vem da raiz nad (do sânscrito ), que significa canaleta, córrego, ou fluxo do nada, e é o canal pelo qual circula o prana pelo corpo.

Definição[editar | editar código-fonte]

Uma nadi (plural: nadis) é uma formação de energia na forma de canal na qual o prana flui e pode se conectar aos chakras. Ele ainda não é aceito pela comunidade científica. Elas começam do centro dos chakras e fluem para a periferia se tornando cada vez mais finas, tendo uma função extra sensorial, causando em parte as respostas empáticas e instintivas. A primeira vez que o sistema nadi foi mencionado na Katha Upanishad , que diz: "Cento fica as artérias do coração, um dos canais leva até o alto da cabeça . Indo para cima, através disso, a pessoa se torna imortal. " ( CU 8.6.6 )1

Função e Ativação[editar | editar código-fonte]

Nadis são usadas ​​para levar a energia de força vital conhecida como prana em sânscrito, através do corpo. Elas são ativas quando circulam dentro do canal Pingala , e passivas quando circulam dentro da Ida . Quando ativada a kundalini circula dentro do canal Sushumna. 2 . A nadis Ida e Pingala são relacionada aos dois hemisférios do cérebro . Pingala é extrovertida (Ativa) ,energia solar a sua Nadi, e corresponde ao lado direito do corpo e do lado esquerdo do cérebro. Ida é a lunar introvertida a sua Nadi, corresponde ao lado esquerdo do corpo e do lado direito do cérebro. Estas nadis também disse tem uma função extra-sensorial , desempenhando um papel nas respostas empáticas e instintivas. As duas nadis são estimuladas através de diferentes práticas de Pranayama, incluindo shodhana nadi , que envolve respiração alternada pelas narinas esquerda e direita, que alternadamente estimulam , respectivamente, os lados esquerdo e direito do cérebro. A palavra nadi vem do nad que significa "canal", "curso", ou "fluxo" e em sânscrito raiz. A respiração ritmada e as técnicas respiratórias especiais devem influenciar o fluxo dessas nadis ou correntes energéticas. De acordo com este tipo de interpretação (que é a interpretação do Yoga) as técnicas de respiração purificam e desenvolvem essas duas correntes energéticas e os exercícios respiratórios especiais , cujo objetivo é despertar a kundalini entre os sete Chakras Nadi em nosso corpo. Dos sete , quatro estão no tronco do corpo , dois na cabeça e há um no pescoço. Chakra é o centro de força associado com o corpo sutil do homem. Cada chakra é governado por uma encarnação da deusa Parashakti.

Número e principais nadis[editar | editar código-fonte]

Existe uma indefinição nos tratados quando ao número de nadis. No Shiva Samhita é de 350.000 nadis. Já o Hatha yoga Pradipika mencionava, há 3500 anos, 72.000 nadis.3 Na prática do Yoga são mencionados, entretanto, somente as três principais: Sushumna, Ida e Pingala,

  • A Sushumna, é talvez o mais importante dos canais de energia. Ela segue o alinhamento do Merudanda (Meru: a montanha que é o eixo do mundo pela mitologia Hindu), o eixo da coluna vertebral (cerebro-espinhal) e flui da extremidade inferior da mesma até chegar a extremidade da cabeça, na assim-chamada coroa-craniana. Sushumna é descrito como de cor vermelha (a cor do fogo (Agni)).
  • As nadis da Ida e da Pingala são frequentemente relacionados aos dois hemisférios do cérebro.
    • Pingala é o princípio masculino (aquecendo-se para acima, tem como qualidades a extroversão e a energização). É a nadi solar, e corresponde ao lado direito do cérebro.
    • Ida é o o princípio feminino (tranquilizando para baixo, tendo como qualidades a introversão e a serenidade). É a nadi lunar, correspondendo ao lado do esquerdo do cérebro.
  • As duas nadis são estimuladas e limpas com a prática do Nadi Shodhana Pranayama, que envolve respirar alternadamente através das narinas esquerdas e direitas, que estimulariam alternadamente os lados respectivamente direito e esquerdo do cérebro.

Nadis são consideradas às vezes como estendendo até a pele do corpo, outras como se estendendo ao limite da aura.Bio-energy and the energetic ducts</ref>

Outras nadis são gandhari, hastijihva, pusha, yashaswini, alambusha, kuhu e shakini. 4 .


Nadis no mundo[editar | editar código-fonte]

Na Alemanha[editar | editar código-fonte]

O conceito é originário do Tantra, usado na pratica do yoga. A maioria de Nadis saem do "Kanda".

Na França[editar | editar código-fonte]

As nadis são os canais subtis aonde o prana circula no organismo, sendo o Prana algo originado de um período de atividade intensa, de acordo com tradição Yoga do "Pranotthana".

Na Itália[editar | editar código-fonte]

O termo vem da filosofia Advaita (vedanta), muito usado no yoga. As nadis Ida e Pingala, transportam diferentes polaridades energeticas. A Pingala é positiva/masculina é ascendente; e a Ida é negativa/feminina é descendente. Na Sushumna escore Vajra, luminosidade que vem de Surya (sol) e no seu interior passa Citrini, brilho que vem de Chandra(lua). No interior de Susumna existe outra nadi, chamada Brahmanadi, onde passa a energia da kundalini Muladhara para Sahasrara. Estes ultimos são loti ou chakras.

Na Espanha[editar | editar código-fonte]

Além das referências acima, aproxima a filosofia a termonologia esotérica, onde nadis são canais etericos (eter=akasha) e três principais nadis são referência ao caduqueo de Mercurio/Hermes.

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Hrsg. BDY (Berufsverband der Yogalehrenden in Deutschland): Der Weg des Yoga, Verlag Via Nova

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Para referência para Chandogya Upanishad 8.6.6 e interpretação como uma forma primitiva de ver a fisiologia oculta, veja: McEvilley, Thomas. "The Spinal Serpent", in: Harper and Brown, p.94.
  2. Arthur Avalon, The Serpentine Power (coleção de textos de yoga-tantrico)
  3. Image of 72.000 nadis
  4. pedro kupfer, Dicionario de yoga, Brasil
  • Pranayama
  • Dr Bernard Auriol, Yoga et Psychothérapie, Privat éditeur, 1977 (disponible en ligne)
  • André Van Lysebeth, Pranayama, la dynamique du souffle, Flammarion, 1971

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]