Nhá Barbina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Nhá Barbina
Nome completo Conceição Joana da Fonseca
Outros nomes Nhá Barbina
Nascimento 2 de dezembro de 1915
Jaboticabal
Morte 11 de novembro de 1995 (79 anos)
São Paulo
Ocupação Atriz e Comediante
Cônjuge João Gomes

Conceição Joana da Fonseca, mais conhecida como Nhá Barbina (Jaboticabal, 2 de dezembro de 1915São Paulo, 11 de novembro de 1995) foi uma Comediante e atriz brasileira.

Nascida Conceição Joana da Fonseca a 2 de dezembro de 1915 na cidade de Jaboticabal, no interior de São Paulo.

Iniciou carreira artística no circo, subindo ao picadeiro pelas mãos de seu marido, João Gomes, o seu maior incentivador. Estreou como atriz dramática na peça "O divino perfume". Criou a personagem Nhá Barbina, solteirona, que fazia tudo para arrumar um bom marido. Passou a ser chamada pelo nome de seu personagem, inclusive por seus familiares. Trabalhou excursionando pelo Brasil em inúmeros circos e pequenos teatros [1]

Nesse período trabalhou na Rádio Tupi de São Paulo, no programa "Festa na Roça", de Lulu Benencase. Era a única humorista sertaneja no Brasil e foi consagrada com o título de Mãe Sertaneja. Em 1960 gravou na Odeon, o baião "O Galo Cantou" e a marcha "Arquimedes, Deixa Disso".

Fez mais de 10 filmes, gravou vários discos e participou de uma novela, Meus Filhos, Minha Vida no SBT e de uma minissérie, Rabo de Saia na TV Globo. A estreia foi no cinema em 1950 na fita Lá no Meu Sertão ao lado de Tonico e Tinoco. Fez outras filmes como O Rei Pelé, Sertão em Festa , No Rancho Fundo e O Cabeleira.

Participou de vários programas humorísticos e o último deles foi A Praça é Nossa, no SBT onde fazia uma solteirona caipira desesperada atrás de um marido. Seu bordão era uma gargalhada após a qual exclamava: “Arranquei pena”!. Esteve como jurada também no Viva a Noite[2].

Ela morreu em 11 de novembro de 1995, em São Paulo, vítima de insuficiência respiratória aguda e broncopneumonia, aos 79 anos de idade.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • «dicionariompb.com.br/nha-barbina». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 22 de outubro de 2017. 
  • «HISTÓRIA: Viva a Noite». HISTÓRIA. Consultado em 26 de outubro de 2017.