Observatório Mauna Loa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Observatório Mauna Loa
Book-Hawaii-Vtorov-235.jpg
Características
Tipo
atmospheric observatory (d)
Endereço
Coordenadas
O Observatório de Mauna Loa
Imagem de satélite do cume do Mauna Loa sobreposta por curvas de nível de 100 metros

O Observatório Mauna Loa (MLO) é uma estação de referência atmosférica em Mauna Loa, na ilha do Havaí, localizada no estado americano do Havaí.

O observatório[editar | editar código-fonte]

A Curva de Keeling: Concentrações atmosféricas de CO medidas no Observatório Mauna Loa

Desde 1958, inicialmente sob a direção de Charles Keeling, seguido por seu filho Ralph e posteriormente Elmer Robinson, o Observatório Mauna Loa (Mauna Loa Observatory em inglês, ou MLO) monitora e coleta dados relativos às mudanças atmosféricas, e é conhecido especialmente pelo monitoramento contínuo do dióxido de carbono atmosférico (CO2), que às vezes é referido como a Curva de Keeling. O observatório está subordinado ao Laboratório de Pesquisa do Sistema Terrestre, que faz parte da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA). De acordo com a NOAA, Mauna Loa é a estação de monitoramento contínuo de CO 2 mais antiga do mundo e o principal local de referência do mundo para medição do gás.[1]

As mais recentes observações das concentrações de CO2 do MLO podem ser encontradas em sites da web junto com dados de outros sites[2] e tendências em Mauna Loa.[3] Os níveis de MLO podem ser comparados com outros sites na rede de monitoramento global.

O MLO tem atividades em cinco locais na Ilha Grande. O principal local de observação está localizado a 3397 metros de altura na encosta norte de Mauna Loa cerca de 5 km (3 mi) ao norte do cume Mokuaweoweo . O Observatório Solar Mauna Loa compartilha este site. A administração e alguns processamentos de dados são feitos no escritório de Hilo, Havaí. Kulani Mauka é um local de coleta de chuva. Cape Kumukahi é um local de amostra de frasco localizado no ponto mais oriental do Havaí. No aeroporto de Hilo, instrumentos transportados por balão são preparados e lançados para medir o ozônio da superfície até normalmente mais de 30 quilômetros (19 mi) de altura.[4] O local do observatório também é um lar temporário para um observatório cósmico de fundo de microondas chamado AMiBA.[5]

Mauna Loa foi originalmente escolhida como local de monitoramento porque, localizada longe de qualquer continente, o ar amostrado lá é uma boa média para o Pacífico central.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]