Ogã Bangbala

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Luiz Ângelo da Silva, conhecido como Ogã Bangbala, é um ogã[1][2][3].

Nascido em Salvador, iniciou-se como ogã no terreiro de Lili D' Òsun, da Nação Èfòn[4].

Recebeu a Camélia da Liberdade em 2007[5] e a Ordem do Mérito Cultural em 2014.[6] Em 2020, foi homenageado pela escola de samba Unidos do Cabuçu, com o enredo "A Cabuçu canta pra subir no Centenário de Bángbalà".[7]

Referências

  1. MOÇÃO Nº 2631/2013. Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro
  2. Quatro Mestres do Carnaval Irão Homenagear o Mestre do Candomblé. Mulheres de Zé
  3. AQUINO, Patricia de. La mort défaite. Rites funéraires du candomblé. L'Homme, Année 1998, Volume 38, Numéro 147, pp. 81-104 (em francês)
  4. O Jovem Guardião Ajudará em Família. Extra, 23 de dezembro de 2012
  5. «Prêmio Camélia da Liberdade será apresentado por Ruth de Souza e Jorge Sá». O Globo, 5 de abril de 2007 
  6. Ministério da Cultura (5 de novembro de 2014). «Ordem do Mérito Cultural homenageia artistas brasileiros» 
  7. Extra. «Aos 100 anos, ogan Bangbala, mais antigo do Brasil, será enredo da Unidos do Cabuçu em 2020». Consultado em 17 de junho de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre candomblé é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.