Oxidação de aminoácidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A oxidação de aminoácidos compreende a remoção e a excreção do grupo amino e a oxidação da cadeia carbônica remanescente. Estas reações são catalisadas por aminotransferases[1]. O grupo amino é convertido em ureia e as 20 cadeias carbônicas resultantes são convertidas em alfa-cetoácido, compostos comuns ao metabolismo de carboidratos e lipídios (ou seja, piruvato, Acetil coenzima A e intermediários do ciclo de Krebs).[necessário esclarecer]

Os seres vivos não são capazes de armazenar aminoácidos nem proteínas. Consequentemente, satisfeitas as necessidades de síntese, os aminoácidos excedentes são degradados. Em um indivíduo adulto saudável com uma dieta adequada, a oxidação de aminoácidos corresponde a 10–15% de suas necessidades energéticas.

Referências

  1. Andrade, Prof. Paulo. «Metabolismo de aminoácidos». PORTAL BIOQUÍMICA 04. Universidade Federal de Pernambuco. Consultado em 2 de novembro de 2016. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.