Palminor Rodrigues Ferreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde outubro de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde outubro de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

Palminor Rodrigues Ferreira, apelidado o Lápis, (Curitiba, 5 de outubro de 1942 - Curitiba, 11 de fevereiro de 1978) foi um cantor e compositor popular paranaense.[1][2]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Caçula de 21 irmãos, aos 12 anos de idade tocava pandeiro na Rádio Marumbi e ganhou um violão de seu irmão Lalo, também músico. Aos 18 anos compôs sua primeira música, "Vestido Branco". Concluiu apenas o ginásio. Casou-se aos 19 anos, com uma suíça de nome Romana, com quem teve dois filhos, Alexandre (o Grafite) e Palminor Júnior. Dizia: "Se faço música para o povo, tenho que entender e viver suas necessidades. Isso faz parte da vida." Convivia com artistas e com trabalhadores, fazia apresentações beneficentes, para arrecadar verba para as crianças desamparadas. Morreu pobre, mas com muitos amigos. Foi funcionário da antiga Empresa de Correios e Telégrafos, onde ganhou o apelido de Lápis, por ser "fino, alto e preto".

Obra[editar | editar código-fonte]

Parceiro de Paulinho da Viola, Paulo Vítola, Rubens Rolim, Nicolatti, Micelli, Jorge Segundo, Marco Aurélio e outros. Produziu músicas para os Originais do Samba, Eliana Pittman ("Silêncio"), Dóris Monteiro (gravou sambas-enredo:"Liberdade" e "Volta do sertanejo"). Apresentou-se com Jorge Ben, no Coutry Club, acompanhou por mais de um ano a cantora Maria Odete.

Gravou o LP "Dia de Arlequim". Integrou o conjunto "Bitten-4", formado por Fernando, Anadir e Dalton, gravou "Manhã de Sol" - na Sam Jazz Quintet, de Curitiba. Apresentaram-se na TV Tupi, do Rio de Janeiro. Ganhou o 1º Festival Paranaense de Música Popular Brasileira realizado pela TV Paranaense com a canção "Roteiro". Um dos mais famosos shows foi o "Funeral para um Rei Negro" que apresentou no Teatro Guaíra.

Foi o primeiro cantor e compositor a depor no Museu da Imagem e do Som do Paraná. Duas vezes classificado para no Festival Internacional da Canção no Rio de Janeiro, numa delas conquistou a sexta colocação, com a canção "Roteiro". Classificou-se no Festival "Punta del Leste procura su canción". Participou e trabalhou com muita gente como o Quarteto Cido, acompanhou Eliana Pittman, apresentou-se ao lado de Rosinha Valença, na estreia do Casa Grande a convite de Sérgio Cabral. Gravou alguns taipes para a Rede Globo, fez turnê pela Europa onde se apresentou em 86 boates (aos 24 anos).

Referências