Panipersebasto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Panipersebasto (em latim: πανυπερσέβαστος) foi um título cortesão bizantino criado por Aleixo I Comneno (r. 1081–1118) usando a raiz imperial sebasto (a tradução grega de Augusto).[1] Foi sempre conferido aos membros das famílias aristocráticas intimamente ligadas à família imperial.[2] Miguel Tarcaniota, o cunhado de Aleixo I, foi o primeiro agraciado com este título e reteve-o como quase igual ao de césar.[3] O título permaneceu muito importante através do período Paleólogo, permanecendo logo através do césar na hierarquia, mas sob Andrônico II Paleólogo (r. 1282–1328), quando o futuro João VI foi nomeado grande doméstico, o último foi elevado acima do panipersebasto.[1][4]

Segundo Pseudo-Codino, escrevendo após meados do século XIV, o panipersebasto distinguiu-se pela cor amarela de suas vestimentas: seus sapatos, seu manto (tampário), bem como sua sela foram todos amarelos, decorados com tranças de ouro. De outro modo, seu trajes se assemelhavam ao do grande doméstico, ou seja, o chapéu esciádio em vermelho e ouro, decorado com bordados no estilo clápoto, com um véu e pingentes no mesmo estilo. Alternativamente, um chapéu escarânico abobadado podia ser vestido, novamente em vermelho e ouro, com uma imagem do imperador, de pé coroado e flanqueado por anjos, dentro de um círculo de pérolas, na frente. O escarânico foi também bordado com pérolas. Uma rica túnica de seda, o cabádio, de duas cores, decorado com listras de tranças de ouro, também foi utilizado, e o cajado do ofício (dicanício) possuía botões gravados, com o primeiro de ouro simples, o segundo de ouro bordado com tranças de prata, o terceiro como o terceiro, o quarto como o segundo, etc.[5]

Referências

  1. a b Kazhdan 1991, p. 1570.
  2. Stiernon 1965, p. 223.
  3. Magdalino 2002, p. 181.
  4. Verpeaux 1966, p. 134–137.
  5. Verpeaux 1966, p. 151–153.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504652-8 
  • Magdalino, Paul (2002). The Empire of Manuel I Komnenos, 1143–1180. Filadélfia: Cambridge University Press. ISBN 0-521-52653-1 
  • Stiernon, Lucien (1965). «Notes de titulature et de prosopographie byzantines: Sébaste et gambros». Revue des études byzantines. 23 
  • Verpeaux, Jean (1966). Pseudo-Kodinos, Traité des Offices. Paris: Éditions du Centre National de la Recherche Scientifique