Papyridea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaPapyridea
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Bivalvia
Subclasse: Heterodonta
Ordem: Veneroida
Superfamília: Cardioidea
Família: Cardiidae
Género: Papyridea

Papyridea é um gênero de moluscos bivalves marinhos da família Cardiidae.[1]

Espécies[editar | editar código-fonte]

As espécies reconhecidas[nota 1] do gênero Papyridea, de acordo com as seguintes bases de dados: Sistema Integrado de Informações Taxonômicas (Integrated Taxonomic Information System - ITIS), Base da Vida Marinha (Sea Life Base - SLB), Registro Mundial de Espécies Marinhas (World Register of Marine Species - WoRMS) e ZipcodeZoo - ZcZ:

  • P. aspersa (Sowerby, 1833) - WoRMS e ZcZ
  • P. australe (Sowerby) Barash, 1973 - WoRMS
  • P. bullata californica Verrill,1870 - Jan Johan ter Poorten (WoRMS)
  • P. crockeri (Strong & Hertlein, 1937) - WoRMS ZcZ
  • P. hiulca (Reeve, 1845) - WoRMS
  • P. lata (Born, 1778) - SLB, WoRMS e ZcZ
  • P. papyracea (Gmelin, 1791) [Barash and Danin, 1973; Lindner, 1988] - WoRMS e ZcZ [nota 2]
  • P. semisulcata (Gray, 1825) - ITIS, SLB, WoRMS e ZcZ
  • P. soleniformis (Bruguière, 1789) - ITIS, SLB, WoRMS e ZcZ
  • P. spinosum var. turtoni Dall,1900 - ZcZ

Fósseis[editar | editar código-fonte]

O registro fóssil de bivalves do gênero Papyridea apresenta as seguintes espécies:

  • P. capsoides (Bayan, 1873) - Fóssil do Eoceno, Europa ocidental.
  • P. harrimani Dall, 1904 - Fóssil marcador do Eoceno superior e Oligoceno inferior na região do Pacífico Norte[2]
  • P. nipponica Yokoyama, 1924 - Fóssil do Pleistoceno.[3]
  • P. (Profulvia) securiforme Kafanov et al., 2005 - Fóssil do Bartoniano-Priaboniano (Eoceno), Rússia.[4]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

De acordo com a entidade "Conquiliologistas do Brasil"[5] , as seguintes espécies são encontradas em águas brasileiras:

  • P. lata. Ocorrência: São Paulo. Comum.
  • P. semisulcata Ocorre nos seguintes estados: Ceará, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Rara.
  • P. soleniformis Encontrada comumente no Ceará e no Piauí.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Só foram listadas as espécies consideradas válidas; espécies sinônimas como P. hiatus (sin. de P. soleniformis), por exemplo, não constam desta lista.
  2. Esta espécie recentemente tem sido identificada como Fulvia fragilis. [1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. ABBOTT, Robert Tucker and others, Seashells of the World, St. Martin's Press, New York, 2001. ISBN 1-58-238148-8
  2. The Paleontological Society of Japan. Página visitada em 22 de julho de 2009. Em inglês.
  3. Universidade de Hokkaido, Programa Século 21 - COE. Página visitada em 23 de julho de 2009. Em japonês.
  4. The Paleobiology Database. Página visitada em 24 de julho de 2009. Em inglês.
  5. Conquiliologistas do Brasil. Página visitada em 23 de julho de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]